Uma centena de crianças morreu de fome em Mossul

Uma centena de crianças morreu de fome desde fevereiro, quando começou a ofensiva militar contra a cidade velha de Mossul, no Iraque, onde estão militantes do Estado Islâmico, disseram esta segunda-feira ativistas e testemunhas.

O diretor regional da organização não-governamental (ONG) Fórum da Criança, Muataz al-Raui, explicou à agência EFE que o cerco à parte velha da cidade, imposto por militares e polícias iraquianos, fez desaparecer as reservas de leite e outros alimentos para bebés, contribuindo para a morte de numerosos de recém-nascidos e crianças.

Al-Raui acusou o EI e as forças militares de serem as responsáveis por cometer “crimes contra a humanidade” e uma “grande e grave violação” contra os menores que estão “presos” em Mossul, advertindo que haverá mais vítimas entre as crianças devido ao “cerco asfixiante” imposto pelas forças governamentais.

Segundo cálculos da Fundação das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), cerca de 220 mil menores de idade continuam fechados em bairros sob o controlo dos terroristas e encontram-se em perigo extremo, “sem saída” diante dos confrontos.

Desde o começo da ofensiva militar contra o Estado Islâmico em outubro passado na província de Nínive, cuja capital é Mossul, cerca de 500 mil civis já saíram da região e cerca de metade destes eram menores de idade, segundo um recente relatório da UNICEF.

Nas últimas seis semanas, cerca de 151 mil crianças fugiram com suas famílias dos combates nos bairros do oeste de Mossul, segundo a UNICEF.

A situação dos civis está a agravar-se, em parte, porque os militares “fracassaram pela segunda semana consecutiva” no seu objetivo de abrir corredores seguros para a fuga de civis, segundo disse à Efe o membro do Conselho de Nínive, Hosam al-Abar.

Al-Abar afirmou que a crise dos civis e dos deslocados se complica “dia após dia”, acusando as tropas iraquianas de disparar “excessivamente” com artilharia pesada e foguetes contra a cidade velha de Mossul, a zona mais densamente povoada.

Os mercados populares estão “vazios” e os produtos básicos que foram armazenados pelas famílias já foram consumidos, assegurou o presidente da Comissão dos Direitos Humanos do Conselho provincial, Gazuan al-Daudi.

Na zona oeste de Mossul há vários meses que não entram nem alimentos e nem medicamentos, tampouco há fornecimento de água potável e eletricidade.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

CGD já está a cobrar comissões nos depósitos de instituições financeiras

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) já começou a cobrar comissões nos depósitos das instituições financeiras, de modo a tentar contornar a política monetária do Banco central Europeu. A intenção de cobrar comissões nos depósitos de …

Câmara de Oliveira de Azeméis pagou contas de concelhia do PSD, acusa Ministério Público

O Ministério Público (MP) deduziu esta quarta-feira acusação contra 68 arguidos no âmbito da operação “Ajuste Secreto”. Entre os acusados está o antigo autarca da Câmara de Oliveira de Azeméis Hermínio Loureiro, que é a …

PAN defende atribuição de cartão de cidadão a sem-abrigo

A iniciativa recomenda ao executivo socialista, liderado por António Costa, que seja atribuído "um cartão de identificação a todos aqueles que não têm uma casa ou um teto". O PAN apresentou na Assembleia da República um …

Governo quer criar regras especiais para alunos do profissional acederem ao Ensino Superior

O Governo quer criar um modelo de acesso específico para alunos do ensino profissional que queiram prosseguir estudos superiores, uma proposta que chegou a estar desenhada na anterior legislatura, mas que ainda não avançou. Segundo noticiou …

Menos de metade dos médicos do SNS trabalha em regime de exclusividade

Menos de metade (42,9%) dos médicos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) trabalha em regime de exclusividade, avança o Jornal de Notícias, citando números da Administração Central dos Serviços de Saúde.  Segundo dados apresentados esta quinta-feira …

Grávidas e crianças até aos 10 anos não devem comer peixe-espada e atum, recomenda Espanha

A Agência Espanhola de Segurança Alimentar e Nutrição publicou novas recomendações no final de outubro para o consumo de determinados tipos de pescado, nomeadamente o atum e o peixe-espada, tubarão ou cação e Lúcio. Em causa …

Deputado Lobo d'Ávila abre portas ao futuro no CDS. "Não digo não" ao partido

O ex-deputado Filipe Lobo d'Ávila afirmou que não afasta a possibilidade de se candidatar à liderança do CDS. O potencial candidato à sucessão de Assunção Cristas indicou que a estratégia do partido, nos últimos anos, …

Só o Governo prevê uma aceleração em 2020. OCDE também está pouco otimista (e deixa um conselho a Centeno)

A economia portuguesa vai abrandar nos próximos anos, segundo antecipa a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE). No Economic Outlook publicado esta quinta-feira, as previsões para a economia nacional aponta para um crescimento …

Trump exige que se pare "a caça às bruxas" em reação a testemunho de embaixador

"Esta caça às bruxas deve parar agora. Tão prejudicial para o nosso país!", escreveu Donald Trump no Twitter, em reação ao testemunho do seu embaixador da União Europeia. O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, manifestou …

Seis embaixadores portugueses mudam de países

Há seis embaixadores portugueses que vão mudar de cidade. O Presidente da República já assinou o decreto que rege a nomeação de novas chefias para tutelar as embaixadas de Portugal em Berlim, Madrid, Praga e …