Cemitério cheio de crânios deformados revela o caos que se viveu após a queda do Império Romano

Wosinsky Mór Museum

Uma equipa de investigadores encontrou 51 crânios deformados, intencionalmente alongados, num cemitério do século V em Mözs-Icsei-dülö, na Hungria, que mostram como se viveu a época da queda do Império Romano. 

Nos anos 1960 e 1990, escavações no antigo cemitério de Mözs-Icsei-dülö, na Hungria, revelaram os restos mortais e ossadas de pelo menos 96 pessoas do século V.

Usando modernas análises de isótopos e métodos de antropologia biológica, os especialistas descobriram que pelo menos 51 dos crânios encontrados tinham sido artificialmente alongados.

De acordo com o IFLScience, o antigo cemitério abriga oficialmente o maior número de crânios propositadamente alongados em toda a Europa Central. De acordo com o estudo publicado em abril na revista científica PLOS ONE, os resultados indicaram que os ossos estendiam-se por três gerações e compreendiam três grupos distintos.

Liderada por Corina Knipper, do Curt-Engelhorn-Center for Archaeometry, na Alemanha, o esforço conjunto de colegas e investigadores da Universidade Eötvös Loránd, na Hungria, contribuiu com dados notáveis.

De acordo com o Phys, os crânios, que se acredita terem sido moldados por faixas de gaze, deram aos historiadores informações valiosas sobre esta comunidade única durante os estágios iniciais do período de migração da Europa. Além disos, forneceu aos historiadores o contexto em torno da turbulência provocada pela queda do Império Romano.

Os romanos abandonaram as suas províncias na Panónia (Hungria ocidental moderna) quando os hunos as invadiram durante o século V. Com novos grupos estrangeiros a chegar em busca de proteção regularmente, ocorreu um período substancial de transformação cultural.

Enquanto Roma desmoronava, seguiram-se séculos de conflito com os seus vizinhos bárbaros. Inúmeras rebeliões, assassinatos e doenças infecciosas assolaram a terra.

Os especialistas pesquisaram arqueologicamente o local e, depois, usaram uma combinação de análise isotópica e antropologia biológica para inspecionar os restos escavados anteriormente. O que descobriram sugeriu uma comunidade diversificada de diferentes idades e grupos.

Um grupo foi estabelecido como o grupo fundador original. Os seus túmulos eram revestidos com tijolos e, presumivelmente, romanos.

Um grupo estrangeiro de 12 indivíduos tinha um fundo isotópico semelhante, o que pode sugerir que chegaram alguns anos depois dos habitantes da área. Os especialistas concluíram que foi este segundo grupo que introduziu as tradições de enterrar objetos com o cadáver e o alongamento intencional dos crânios.

Foi encontrado enterrado um terceiro grupo distinto – com uma variedade de tradições romanas e estrangeiras.

Embora ainda não seja claro de onde veio exatamente a tradição dos crânios alongados, os arqueólogos já encontraram crânios semelhantes em todo o mundo. A Europa Central e Oriental está praticamente cheia deles. Também foram encontradas evidências da prática nas Américas, África e Ásia.

Os cientistas concordam que era provavelmente uma tradição usada para separar os da alta sociedade das massas dos níveis mais baixos.

ZAP ZAP //

 

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

E se fosse possível passar um mês no Palácio de Buckingham? O preço não seria para qualquer bolso

Viver num palácio pode ser o sonho de muitos, mas não é para a carteira de qualquer um. Agora, já se sabe quanto custaria alugar, durante um mês, uma das casas reais mais conhecidas da …

Cavaco Silva considera que seria "chocante" PSD aprovar reforma das Forças Armadas

O ex-Presidente da República defende que é "um erro grave" a reforma das Forças Armadas que o ministro da Defesa pretende fazer, afirmando que seria para si "chocante" ver o PSD aprová-la. "Considero um erro grave …

Risco de ser hospitalizado ou morrer de covid diminui 90% após vacinação

O risco de um adulto ser hospitalizado ou morrer por covid-19 diminui 90% a 95% passados 35 dias sobre o início da vacinação, conclui um estudo divulgado este sábado pelo Instituto Nacional de Saúde de …

No Japão, combater a pandemia implica pedir ajuda a um grande gato cor-de-rosa

Um super-herói mascarado patrulha dois dos distritos mais movimentados de Tóquio para ajudar os cidadãos japoneses a derrotar o coronavírus. O seu nome é Koronon e é um gato cor-de-rosa. O cruzado é um mascote com …

Portugal regista mais uma morte e 334 novos casos. Internamentos voltam a subir

Nas últimas 24 horas, foram confirmados 334 novos casos e registou-se mais um óbito. O boletim deste domingo dá ainda conta de mais 229 recuperados. Segundo o boletim epidemiológico deste domingo, dia 16 de maio, atualmente …

Romualda Fernandes - PS

"Senti alguma dor". Romualda Fernandes fala sobre a atitude racista da qual foi vítima

Romualda Fernandes pronuncia-se pela primeira vez sobre a notícia da Lusa para dizer que aquilo que a define não é a cor da pele, mas os seus valores. Em causa está uma notícia da Agência Lusa, …

Elefantes encontrados mortos numa reserva florestal. Envenenamento pode ser a causa

As autoridades estão a tentar perceber de que forma é que os 18 elefantes selvagens asiáticos morreram no nordeste da Índia. Os elefantes, que incluíam cinco filhotes, foram encontrados mortos na reserva florestal protegida de Kondali, …

"Máxima segurança". Porto de Lisboa com protocolo de segurança para receber cruzeiros

A administração do Porto de Lisboa assinalou este domingo o regresso do movimento de passageiros de cruzeiros a partir desta segunda-feira, com o levantamento das restrições ao desembarque de passageiros em viagens não essenciais, sublinhando …

”Terrível engano”. Programa do Governo para incentivar regresso dos emigrantes exclui as ilhas

O Programa Regressar, criado em 2019 pelo Governo da República para incentivar o regresso dos emigrantes ao país, descrimina os Açores e a Madeira. O Governo prolongou os apoios (que podem chegar aos 7679 euros por …

Relatório alerta que parte da produção de painéis solares depende da exploração de uigures

A região de Xinjiang, na China, evoluiu nas últimas duas décadas e tornou-se num importante centro de produção para muitas das empresas que fornecem ao mundo as peças necessárias para a construção de painéis solares. No …