Barcelona a arder. Governo catalão pede fim da violência e acusa “infiltrados e provocadores”

Andreu Dalmau / EPA

Quim Torra, o Presidente do governo regional da Catalunha

O presidente do Governo da Catalunha, Quim Torra, condenou ao final da noite de quarta-feira os protestos violentos que se registam há três dias na região e acusou um grupo de infiltrados de estar a prejudicar a causa independentista.

De acordo com a Rádio Renascença, Quim Torra sublinhou que o movimento pela independência “não é e não foi violento” e que “sempre” condenou a violência, pelo que pediu a cessação de atitudes violentas.

O líder da Generalitat considerou que é “normal e bom” que haja protestos face a uma sentença judicial “aberrante”, mas esses protestos devem ser “pacíficos e cívicos”, num clima que “não faça perder a cabeça”.

Para Quim Torra, os atos violentos são provocados por “grupos de infiltrados e provocadores” que estão a danificar a imagem da independência. “Não devemos cair na armadilha que eles nos colocam, não toleraremos provocações”, assegurou.

“A independência constrói, não destrói; não vai contra ninguém”, acrescentou Quim Torra, que pediu “serenidade, determinação, civilidade e não-violência”. A mensagem do presidente do Governo da Catalunha surgiu horas depois de o Presidente do Governo de Madrid, Pedro Sánchez, ter apelado a Quim Torra para condenar os atos violentos.

Grupos radicais em batalha com a polícia

Grupos radicais separatistas lançaram pela terceira noite consecutiva ações violentas contra a polícia catalã, transformando o centro de Barcelona num campo de batalha com várias avenidas cortadas e fogueiras em vários locais, informou a agência Lusa.

A estratégia parece ser a mesma dos dias anteriores: uma organização misteriosa autodenominada “Tsunami democrático” convoca manifestações pacíficas no fim da tarde, mas no início da noite uma minoria formada por jovens encapuçados lança a confusão.

No Passeio de Sant Joan de Barcelona, cerca das 21:00 locais (menos uma em Lisboa), a Lusa constatou que muitos manifestantes já estavam a regressar a casa e a situação parecia calma.

Mais à frente, o cenário alterou-se com a polícia regional catalã – Mossos d’Esquadra – a avisar os poucos transeuntes e os jornalistas presentes para os perigos colocados por um grupo radical que estaria a lançar pedras e objetos com ácido.

Houve, pelo menos, 33 detenções, e cerca de uma centena de pessoas assistidas por equipas médicas e de emergência.

Um automóvel estava a arder não muito longe de um posto de abastecimento de combustível, enquanto a polícia enfrentava os grupos radicais que tinham acendido várias fogueiras com contentores que tentavam empurrar contra as forças da ordem a partir de barricadas que tinham feito.

Nos minutos seguintes a confusão era grande, com os bombeiros a tentar apagar os vários fogos no meio da polícia e dos grupos de jovens, alguns deles também com capacetes para se protegerem das balas de borracha que alguns agentes disparavam.

Noutros locais, os grupos radicais tinham arrancado tijolos do chão que arremessavam contra as forças da ordem. Os jovens gritavam palavras de ordem como “liberdade para os presos políticos” e chamavam “fascistas” e “polícias de ocupação” às autoridades.

Os movimentos de protesto começaram na segunda-feira, depois ser conhecida a sentença contra os principais políticos catalães responsáveis pela tentativa de independência em outubro de 2017. Os juízes decidiram condenar nove deles a penas de nove a 13 anos de prisão por delitos de sedição e peculato.

Depois do anúncio da sentença, começaram a ser feitos cortes de estradas e de vias de caminho-de-ferro um pouco por toda a Catalunha.

Na noite de segunda-feira houve manifestações em redor do aeroporto internacional de Barcelona, seguidas de ações de grupo violentos, e na noite seguinte a mobilização mudou-se para o centro de Barcelona, onde voltou a haver distúrbios.

Sánchez promete “firmeza democrática”

Como informou o Expresso, enquanto a tensão sobe em Barcelona, Pedro Sánchez vai falando ao país em Moncloa. Depois de umas palavras de reconhecimento para as polícias envolvidas nas manifestações na Catalunha, o primeiro-ministro espanhol afirmou:

“Ontem [terça-feira] assistimos à manifestação de pessoas pacíficas, mas também de grupos vândalos. Perante os atos violentos, o Governo reitera que não vai consentir nenhum conceito em que a violência se impõe à convivência”.

E acrescentou: “O Governo atua para garantir os plenos direitos e a manutenção da ordem na Catalunha. A sociedade catalã, e a sociedade espanhola, devem saber que o Governo de Espanha considera todos os cenários e responderá com três regras: firmeza democrática, unidade dos partidos políticos e proporcionalidade da resposta”.

“Mantive encontros hoje com líderes das principais forças parlamentares do nosso país. Convidei-os para manter a unidade. Desejo fazer um aviso expresso ao presidente da Generalitat [Quim Torra]: tanto ele como os membros do seu governo têm o dever moral de condenar sem desculpas e paliativos o uso da violência na Catalunha”, referiu.

Pedro Sánchez indicou ainda que “nenhum governante pode camuflar o seu fracasso atrás das cortinas de fumo e do fogo. O Governo de Espanha está a trabalhar há semanas de maneira preventiva”.

Polícia Nacional reforça presença no fim-de-semana

O Ministério do Interior de Espanha anunciou que serão enviados mais elementos da Polícia Nacional para a Catalunha a partir deste fim-de-semana para garantir a segurança e o exercício dos direitos dos catalães. O Governo espanhol não especificou, alegando razões de segurança, o número de agentes policiais que serão enviados, revelou a Lusa.

O Ministério do Interior recordou que tal já estava previsto no plano inicial para lidar com os eventos que poderiam ocorrer no seguimento da publicação da sentença dos principais dirigentes políticos envolvidos na tentativa de independência da Catalunha, condenados a penas de prisão de até 13 anos.

Com esta medida, o Governo espanhol pretende “conseguir maior segurança na gestão das mobilizações e facilitar o descanso entre os membros [da Polícia Nacional] já deslocados para a Catalunha”.

A mobilização policial será feita em coordenação “total” com os Mossos d’Esquadra, como tem sido feito até agora, acrescentaram fontes do Ministério do Interior espanhol.

Taísa Pagno ZAP // //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Possivelmente infiltrados comandados por Madrid para mais uma vez desacreditarem o povo catalão e suas pretensões, chegados a este ponto da forma ditatorial como Espanha se impõe pela lei (sua) e pela força, nada admira que haja aqui mais um golpe.

RESPONDER

Peritos revelam critérios para desconfinar. Escolas e restaurantes devem reabrir após a Páscoa

Presidente da República e Governo ouviram, nesta segunda-feira, as explicações dos especialistas sobre a situação da covid-19 em Portugal. Na reunião no Infarmed, foram apresentados os critérios para o plano de desconfinamento. Os especialistas que têm …

"A nossa tradição é mostrar a cara". Suíça aprova em referendo proibição do uso de véu integral

A Suíça aprovou este domingo em referendo, com 51,2% dos votos, a proibição do uso de véu integral, avança a Agência France-Presse (AFP), uma medida que uns dizem ser contra o islamismo radical e outros …

Mourinho revela o acordo que tem com Bale

O treinador português revelou, este domingo, o acordo que tem com o internacional galês para gerir a sua condição física durante os jogos. Este domingo, na vitória em casa frente ao Crystal Palace (4-1), Gareth Bale …

Pensamentos suicidas e a cor da pele do filho. Revelações de Meghan e Harry abalam família real britânica

A aguardada entrevista do duque e da duquesa de Sussex, conduzida por Oprah Winfrey, foi transmitida este domingo e pôs a família real em xeque. O casal, que deu a primeira entrevista desde que renunciou …

Portugal fecha Europeus de atletismo num inédito segundo lugar

Portugal, com três títulos nos Europeus de atletismo de pista coberta de Torun, na Polónia, fecha a edição com um inédito segundo lugar no quadro de medalhas, logo atrás da Holanda, que obteve quatro ouros. O …

Constança Bradell já reuniu quase 200 mil euros, mas Kaftrio é só de dispensa hospitalar

Constança Bradell, a jovem de 24 anos que sofre de Fibrose Quística, já reuniu quase 200 mil euros, mas associação lembra que o Kaftrio é só de dispensa hospitalar. Depois do apelo emocionado nas redes sociais, …

Rúben Amorim arrisca suspensão de 1 a 6 anos após acusação de fraude

O Sporting está a ser acusado de fraude na inscrição de Rúben Amorim como treinador. Um caso que resulta de participação feita pela Associação Nacional de Treinadores de Futebol (ANTF) e que pode valer ao …

MAI impõe mínimo de mulheres no recrutamento para a GNR e PSP

O Ministério da Administração Interna (MAI) vai incluir nas regras de recrutamento em 2021 indicadores mínimos de 15% de mulheres na incorporação para guardas da GNR e de 20% para agentes da PSP. No âmbito da …

Pedro Nuno Santos diz que PS não se pode comportar como se tivesse maioria absoluta

O ministro das Infraestruturas e da Habitação defendeu, este domingo, que o PS não se pode comportar como se tivesse maioria absoluta, mas sim colaborar com BE e PCP porque a geringonça "não pode ser …

Joan Laporta eleito presidente do Barcelona (e já falou sobre o futuro de Messi)

Joan Laporta foi eleito presidente do FC Barcelona, este domingo, sucedendo ao contestado Josep Maria Bartomeu, ao recolher 30.184 votos (54,28% do total), nas eleições para os órgãos sociais do clube espanhol. Joan Laporta, que já presidiu …