Casal com imóvel de 750 mil euros poupava mil euros no adicional ao IMI com tributação conjunta

Um casal que seja proprietário de um imóvel de valor patrimonial tributário de 750 mil euros pouparia mais de mil euros se tivesse optado pela tributação conjunta para efeitos de adicional ao IMI, segundo as simulações da Deloitte.

A consultora Deloitte simulou alguns cenários para perceber qual a diferença entre a opção pela tributação conjunta ou pela tributação separada no que se refere ao pagamento do AIMI e conclui que em todos os casos a tributação conjunta é mais vantajosa, uma vez que o limite de isenção é de 1,2 milhões de euros para casados e unidos de facto, metade do valor permitido para solteiros.

Por exemplo, um casal que detenha um imóvel cujo valor tributário seja de 750 mil euros não pagará qualquer montante de AIMI se tiver optado pela tributação conjunta. Mas, se não tiver exercido esta opção no prazo legal definido (que terminou a 31 de maio), pagará a título de AIMI 1.050 euros.

O fiscalista da Deloitte Ricardo Reis explicou à Lusa que isto acontece porque “quem não optou pela tributação conjunta fica na tributação separada e, assim, passa a ser relevante em nome de quem é que está o imóvel”, na medida em que, no regime da tributação separada, é considerado apenas o primeiro titular que consta da caderneta predial e aplica-se o limite de isenção inferior, de 600 mil euros.

Outro exemplo apresentado nas simulações enviadas à Lusa é o caso de um casal que seja proprietário de imóveis de valor patrimonial tributário global de 1,205 milhões de euros, caso em que pagará 350 euros a título de AIMI na tributação separada e 35 euros no regime da tributação conjunta, uma poupança de 315 euros.

Já um agregado que detenha imóveis avaliados pelo fisco em 2,2 milhões de euros receberá uma nota de liquidação de AIMI no valor de 14.800 euros se for tributado pelo regime de separação ou de 7.600 euros se tiver exercido a opção pela tributação conjunta, ou seja, pagará menos 7.200 euros neste último regime.

Vários contribuintes estão a ser surpreendidos com notas de pagamento deste imposto adicional porque, por defeito, o Fisco aplica o regime da tributação separada na cobrança, que é mais penalizadora, e só os proprietários que tenham pedido para serem tributados em conjunto é que beneficiam do limite de isenção mais elevado, de 1,2 milhões de euros.

Ricardo Reis explicou que o problema é que “muitas pessoas não fizeram nada e, ao não fazer nada, os bens comuns passaram a ser afetos a 100% ao nome que está na caderneta do registo predial”.

Relativamente a 2016, o primeiro ano de vigência do adicional ao IMI, foram emitidas 211.690 notas para pagamento do imposto, sendo que 56.412 são de pessoas coletivas e 15.873 de singulares, segundo dados do Ministério das Finanças.

O Orçamento do Estado para 2016 previa que este novo imposto incidisse sobre a globalidade VPT dos imóveis de cada proprietário quando este fosse superior a 600 mil euros para solteiros e superior a 1,2 milhões de euros no caso dos casados ou unidos de facto.

Estes proprietários tiveram os meses de abril e maio para submeter no Portal das Finanças uma declaração a indicar a opção pela tributação conjunta, ficando, caso contrário, automaticamente no regime da tributação separada, que se revela mais onerosa para estes sujeitos passivos.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Geringonça à direita em Lisboa? Iniciativa Liberal disponível para dar a mão a Moedas

Freguesia a freguesia, eis como Fernando Medina e Carlos Moedas estão a disputar a eleição para a Câmara de Lisboa. As sondagens dão um empate técnico e a Iniciativa Liberal já manifestou que está disponível …

Liveblog Autárquicas. Geringonça à direita em Lisboa?

Realizam-se este domingo Eleições Autárquicas em Portugal, nas quais está em jogo a eleição de 308 presidentes de câmaras municipais, os seus vereadores e assembleias municipais, bem como 3091 assembleias de freguesia. Acompanhe tudo no …

Autárquicas: PS reivindica vitória e acredita que ganha em Lisboa

O secretário-geral adjunto do PS reivindicou hoje vitória do seu partido nas eleições autárquicas, dizendo que irá vencer em número de câmaras e de freguesias, e manifestou-se confiante no quinto triunfo consecutivo em Lisboa. Esta posição …

Autárquicas: Santana reconquista a Figueira e fala numa "proeza sem igual"

Primeiras projeções nas eleições autárquicas na Figueira da Foz dão a vitória a Pedro Santana Lopes, com 41 a 46% dos votos e 4 a 5 mandatos. Segundo a projeção da RTP, na Figueira da Foz, …

Autárquicas: PS segura Almada

Aposta da CDU em Maria das Dores Meira, atual autarca de Setúbal que atingiu o limite de mandatos naquele concelho, parece não ter sortido os efeitos desejados. O Partido Socialista deverá, segundo as primeiras projeções, conseguir …

Autárquicas: Coimbra muda de mãos com maioria absoluta de José Manuel Silva

Segundo as primeiras projeções desta noite, o ex-bastonário da Ordem dos Médicos e candidato do PSD, José Manuel Silva conquista a Câmara Municipal de Coimbra, com margem confortável Segundo a projeção SIC, José Manuel Silva obterá …

Autárquicas: Rui Moreira reeleito no Porto, mas com maioria em risco

A sondagem ICS-ISCTE, divulgada pela SIC, projeta uma vitória confortável de Rui Moreira no Porto. A sondagem indica que o atual autarca terá entre 39,2 e 44,2%. De acordo com as primeiras projeções, o resultado obtido …

Autárquicas: Sondagens dão empate entre Medina e Moedas em Lisboa

As primeiras projeções da SIC dão um empate entre o presidente da Câmara, Fernando Medina, e o candidato do PSD, Carlos Moedas. O resultado é ainda incerto. Também a projeção RTP/Universidade Católica dá resultados muito próximos …

Ummu tem 25 anos e é rosto das negociações com o Boko Haram

Com a Nigéria a enfrentar uma crise de raptos, Ummu Kalthum é uma das mais jovens — e mais bem-sucedidas — mediadoras a negociar acordos para libertar reféns do Boko Haram no país. Na última década, …

Alemanha: Sociais-democratas reclamam vitória (com "desastre" para os conservadores)

Os sociais-democratas SPD reivindicaram hoje vitória nas eleições parlamentares alemãs, numa altura em que os conservadores da CDU, força política de Angela Merkel, se aproximam de uma votação mínima histórica, de acordo com as primeiras …