Existe um carro que anda a vinho (e pertence à realeza)

David Merrett / Flickr

Aston Martin DB6 Volante

Num esforço para reduzir as emissões de dióxido de carbono (CO2), o príncipe Carlos, apaixonado por automóveis e defensor do ambiente, pediu a Aston Martin que adaptasse o motor do seu carro, de forma a que este passasse a consumir um biocombustível obtido com base nos restos da produção de vinho.

A família real britânica perdeu nos últimos meses dois dos seus condutores com maior experiência ao volante: o príncipe Philip, de 97 anos, que decidiu entregar a carta de condução depois de se ter envolvido num acidente, e a sua mulher e Rainha, Isabel II, antes que os seus 92 anos lhe pregassem uma partida.

Com ambos afastados do volante, há uma vasta coleção de veículos da casa real que ficam agora entregues ao príncipe Carlos, reconhecido apaixonado por automóveis, possuindo ele próprio mais de 100, avançou o Observador na quinta-feira. Este último, defensor devoto do ambiente, esforçou-se por reduzir as emissões de CO2.

Daí que a esmagadora maioria dos veículos com motor a gasóleo da frota de Isabel II – a única cidadã do Reino Unido a poder conduzir sem carta – consumam, na realidade, um biocombustível produzido a partir de óleo de vegetal de cozinha usado.

De acordo com o jornal ‘online’, a ânsia do príncipe Carlos de colocar toda a frota real a consumir óleo de fritar ‘encalhou’ num pormenor de índole técnica, uma vez que é complicado adaptar um motor a gasolina para queimar óleo vegetal. Isto levou-o a procurar outra solução, especialmente para um dos seus veículos preferidos: um descapotável Aston Martin DB6 Volante, de 1970.

O DB6 Volante foi fabricado entre 1965 e 1970. Até então, foi o modelo da marca mais fabricado de sempre (1.788 unidades).

Embora o DB6 Volante percorra apenas cerca de 300 milhas por ano, aproximadamente 482 quilómetros, os seus motores a carburadores – generosos em número e dimensão, no caso da Aston Martin – forneciam excesso de gasolina, sendo que parte dela acabava por sair pelo escape ainda por queimar.

Posto isto, o mais velho dos filhos da rainha Isabel II contactou a Aston Martin para que o fabricante adaptasse o motor para a queima de vinho. Ou melhor, para consumir um biocombustível obtido com base nos restos da produção de vinho que, devido às quotas impostas por Bruxelas, a indústria vinícola britânica não podia engarrafar.

(dr) Clarence House

Carlos, Príncipe de Gales

O príncipe Carlos recordou que, assim que apresentou o seu projeto à Aston Martin, os técnicos reagiram com um sonoro “mas isso vai estragar tudo”, referindo-se ao motor 4.0 de seis cilindros em linha, alimentados por três Weber duplos, que debita 330 cavalos, potência capaz de levar o DB6 Volante até aos 241 quilómetros por hora.

Mas perante a recusa do príncipe em voltar a usar novamente aquele automóvel até que se tornasse mais amigo do ambiente, o fabricante decidiu fazer a adaptação.

Os responsáveis pela Aston Martin sabiam que todos os anos os países europeus produzem mais vinho do que aquele que podem comercializar, e a Inglaterra não é exceção. Esse excesso vai tradicionalmente parar às empresas que produzem biocombustíveis, que assim fermentam a quantidade excedentária de vinho, juntamente com outros restos, para produzir bioetanol, lê-se no artigo do Observador.

Este é depois fornecido às refinarias, uma vez que em toda a Europa a dita gasolina normal, com 95 octanas, é na realidade E5. Ou seja, gasolina com 5% de etanol.

Para satisfazer o pedido do príncipe Carlos, a empresa recorreu à Green Fuel, em Gloucestershire, não muito longe de Gaydon, onde fica a sede da Aston Martin.

A empresa de processamento de etanol recebe os restos da produção de vinho, já tornado impróprio para consumo ao ser misturado com um derivado de leite, de uma produção local de queijo. Segue-se a fermentação e a produção de álcool – o etanol -, que depois é misturado com 15% de gasolina sem chumbo, dando origem ao E85.

Tipicamente com um índice de octano à volta de 105, o E85 é um biocombustível capaz de elevar a potência de um motor, especialmente se a sua regulação foi afinada para queimar a grande percentagem bioetanol.

Os técnicos da Aston Martin que realizaram a adaptação do motor não estavam convencidos que a transformação fosse funcionar, tanto mais que o DB6 tinha sido concebido para queimar gasolina ainda com chumbo e o E85 poderia expor o motor de seis cilindros, com quase 50 anos, a um esforço excessivo. Porém, revelou o Observador, o resultado satisfez toda a gente e provou que o motor passou a funcionar ainda melhor.

Mas será o E85 só vantagens?

Não para o príncipe Carlos. Com 70 anos, assume-se como um condutor muito mais calmo, embora ainda goste de “apertar” um pouco com o seu DB6 Volante, que recebeu aos 21 anos como prenda de Isabel II. Mas nada que se compare com a vontade de acelerar que sentia nos anos 70, altura em que chegou a pedir umas dicas de pilotagem ao também britânico e antigo campeão do mundo de Fórmula 1 Graham Hill, indicou o Observador.

Um litro de E85 – e não se pode subir muito mais a percentagem de etanol para evitar dificuldades em pegar a frio – tem menos energia do que igual quantidade de gasolina. Significa que polui menos, mas também obriga a um maior consumo de combustível por outro, o que acaba por diluir a vantagem inicial. O mesmo acontecendo com a potência.

Mas há algumas vantagens para o E85, que passam por explorar a sua capacidade de resistir melhor à detonação, bem como ao seu maior potencial para absorver energia, ou seja, calor dentro da câmara de combustão.

Thomas Bersy / Flickr

Aston Martin Short Chassis Volante 1966

“Se o príncipe Carlos fosse um homem do ‘tuning’ – o que está longe de ser o caso –, então este era um bom motivo para optar pelo bioetanol, pois isso permitir-lhe-ia aumentar a taxa de compressão para extrair mais potência, ou a pressão de sobrealimentação, pois o E85 evitava que o motor aquecesse em excesso”, apontou o artigo do Observador.

Segundo a imprensa britânica, o DB6 Volante funciona bem, mas o seu consumo do combustível derivado do vinho está longe de impressionar pela positiva. O preço do biocombustível fica a cerca de 1,27 euros o litro, sendo o consumo médio do Aston Martin de 30 litros por cada 100 quilómetros de E85, o equivalente a cerca de 40 garrafas de vinho com 7,5 decilitros.

“Menos mal que o príncipe Carlos se alegra com o cheiro adocicado que o acompanha, sempre que circula no seu DB6 Volante, porque só isso o irá fazer esquecer que o E85 está longe de ser a melhor solução para proteger o ambiente e até reduzir os custos de utilização”, acrescentou o artigo.

Taísa Pagno TP, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Indústria vinícola britânica???Para além de umas vinhas residuais na Cornualha, para”inglês ver”, o vinícola no Reino Unido limita-se a beber!!! Só se o carro funcionar com o fundo dos copos….Não seria de rever os artigos antes de os publicarem? ou antes de os deixar ao critério de sul-americanos inventivos?

RESPONDER

Paços de Ferreira 0-5 Benfica | Seferovic “parte tudo” na Capital do Móvel

Na noite deste sábado, o Benfica somou o sétimo triunfo consecutivo no campeonato, ao golear o Paços de Ferreira por 5-0, num embate relativo à 26.ª jornada do campeonato. A equipa de Jorge Jesus, que acabou …

Após terramotos e deslizamentos, a "cidade moribunda" de Itália ainda resiste no topo de uma montanha

Chamar-se a si mesmo de "Cidade Moribunda" pode não parecer a melhor forma de atrair turistas, mas Civita, em Itália, aprendeu a viver com o facto de estar a morrer. Há vários séculos, a cidade …

"Alexa, estou com calor." Já é possível controlar o ar condicionado de um Lamborghini apenas com a voz

A Amazon está a dar um grande passo na indústria automóvel ao integrar a Alexa no Huracán EVO da Lamborghini, não apenas para fazer perguntas, mas dando ao assistente virtual a capacidade de controlar as …

Nova tecnologia pode enviar luz solar para o subsolo

Investigadores da Universidade Tecnológica de Nanyang, na Singapura, inventaram um novo dispositivo que pode ajudar o país a iluminar a sua crescente infraestrutura subterrânea. A Singapura é um dos países que tem apostado cada vez mais …

Livro lança "caça ao tesouro" a urna de ouro oferecida por Inglaterra a França antes da Entente Cordiale

Um novo enigma literário está prestes a chegar às estantes de livros com uma recompensa incomum. Pistas em "The Golden Treasure of the Entente Cordiale" podem levar leitores no Reino Unido e França a um …

Para evitar casos de burnout, LinkedIn deu uma semana de férias aos quase 16 mil funcionários

O LinkedIn decidiu dar uma semana de férias (remunerada), que começou esta segunda-feira, a todos os seus funcionários espalhados pelo mundo. O objetivo? Desconectar, recarregar baterias e prevenir casos de burnout.  "Queríamos ter a certeza de …

Pequenos nadadores-robô curam-se a si próprios (e em movimento)

Uma equipa de investigadores da American Chemical Society desenvolveu pequenos robôs nadadores que conseguem curar-se a si mesmos magneticamente. O tecido vivo pode curar-se autonomamente de muitos ferimentos, mas fornecer habilidades semelhantes a sistemas artificiais, como …

Tondela 0-2 FC Porto | Missão cumprida com serviços mínimos

Missão cumprida. O FC Porto fez poupanças no jogo com o Tondela, mas levou os três pontos para casa, graças a um triunfo por 2-0. Os “dragões” foram claramente superiores no primeiro tempo, marcaram por Toni …

Portugal pode atingir linha vermelha dos 120 novos casos por 100 mil habitantes em dois meses

Portugal pode atingir uma taxa de incidência de de 120 casos por 100 mil habitantes daqui a dois ou mais meses se se mantiver o atual ritmo de crescimento deste indicador. Esta é a conclusão de …

Akon ainda não construiu a "Wakanda da vida real", mas o Uganda já lhe está a dar terrenos para a segunda

O artista de R&B Akon ainda não concretizou a sua visão ambiciosa de uma cidade “futurística” alimentada por uma criptomoeda chamada “Akoin” e construída num terreno que lhe foi dado pelo governo senegalês. Contudo, o …