/

Carlos Cruz sai da prisão. “Isto não acaba aqui”

11

João Relvas / Lusa

-

O ex-apresentador de televisão Carlos Cruz, condenado no âmbito do processo Casa Pia, saiu esta quinta-feira em liberdade condicional, do Estabelecimento Prisional da Carregueira, Sintra.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Carlos Cruz classificou a saída em liberdade condicional como “mais uma etapa de uma longa maratona” para provar a sua inocência, junto de todas as instâncias judiciais, incluindo o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

Isto não acaba aqui“, declarou Carlos Cruz à saída do Estabelecimento Prisional da Carregueira, Sintra, onde era aguardado por familiares e pelo seu advogado, Ricardo Sá Fernandes.

O antigo apresentador de televisão garantiu que vai “continuar a suscitar todas as entidades nacionais e internacionais”, até que reconheçam que está inocente.

Questionado pelos jornalistas, sobre o facto de o acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa impor que Carlos Cruz procure trabalho, o ex-apresentador reiterou que recebeu alguns convites para “fazer coisas” ligadas à comunicação, mas que é “prematuro” assegurar se vai conseguir ou não arranjar trabalho, observando que é um reformado e não um desempregado.

Carlos Cruz, que já completou dois terços da pena de seis anos de prisão a que foi condenado, no âmbito do processo Casa Pia, venceu um recurso apresentado na Relação de Lisboa, contra a decisão do Tribunal de Execução de Penas (TEP), que, em março, recusara o pedido de liberdade condicional.

O ex-apresentador de televisão tem estado a cumprir a pena no Estabelecimento Prisional da Carregueira, no concelho de Sintra, e teve direito a duas saídas precárias, em dezembro de 2015 e no passado mês de março, por altura do seu aniversário.

ZAP / Lusa

11 Comments

    • Acusado pode ser, condenado, felizmente (em Portugal), duvido!
      Desafio alguém a acusa-me de pedofilia (injustamente) e a conseguir uma condenação!…

  1. Há três coisas de que ninguém aqui discorda, acredito eu:

    1. A Pedofilia é um crime gravíssimo.

    2. Sendo ele verdadeiramente culpado, a pena é mais do que merecida.

    3. Sendo ele inocente, a pena é totalmente injusta e destrui-lhe a vida, sendo merecida uma pesada indemenização.

    A única coisa que aqui poderá não reunir o consenso é se ele terá ou não sido condenado injustamente.

    Para quem queira acreditar que a justiça é infalível e impoluta neste país, a resposta a questão nem se levanta. Para quem ache que mais vale condenar um inocente do que não encontrar nenhum culpado, esta também é uma questão de fácil resposta…

    Mas para quem tal como eu, não achar normal condenar pessoas em processos com inaceitáveis inconsistências e que NÃO SÃO reabertos quando as próprias testemunhas vêm à comunicação social confessar que foram pagas pra mentir em Tribunal… Para essas, é normal que surja NO MÍNIMO alguma dúvida quanto à justiça dos veredictos.

    Não se trata aqui de saber se um pedófilo deve ser condenado. Trata-se de saber se um condenado era realmente pedófilo.

    • O que não acho normal é alguém ser tão ingénuo ao ponto de achar que a testemunhas foram mesmo pagas para mentir!…
      Já digo ingénuo para não dizer pior…
      Não brinque com a inteligência de quem tem “dois dedos de testa”!
      Por acaso, já pôs a hipótese de que, se calhar, foram pagos para dizer que foram pagos para mentir?!
      Pois é…
      E, já agora, terão sido pagos por quem e porquê?!
      Realmente, já que era para arranjar um culpado, faz todo o sentido escolher alguém completamente inocente mas que ainda por cima é uma figura mediática e conhecida de todos os portugueses!…
      É já a seguir…
      .
      A nossa justiça não é pior nem melhor do que noutro qualquer pais minimamente civilizado!
      Eu acredito milhentas vezes mais na Justiça portuguesa do que num pedófilo condenado; mas, se quer fazer “filmes” faça o que eu referi antes:
      Acuse-me de pedofilia e vamos ver ser consegue chegar sequer a julgamento!…

  2. A ser inocente é identificar quem levantou este assunto é obriga-lis a pagar apestada indemnização.
    Estou chei de pagar impostos para pagar os erros dos outrod

  3. Ora então um dos pedófilos já saíu e ao que parece é um injustiçado. Coitado como é possível no século XX1 ainda ouvirmos coisas destas.
    Pergunto, será que neste País de corruptos e vigaristas seja possível este mabeco ter sido condenado e, ser como ele julga que era na altura mais um Deus nosso, é notável, se tivesse um pingo de vergonha era agradecer aos Deuses dele por o terem libertado e recolher-se à sua insignificância, por ter cometido um dos crimes mais hodiondo que existe. Dá-me vómitos falar desta escória da sociedade.
    Viva Portugal…

  4. Pois. Não sei se é pedófilo ou não. A dúvida pairará sempre. Infelizmente a nossa justiça está longe de ser perfeita. Não sei se neste caso também terá errado. Quanto um coletivo de juízes se pronuncia a favor de trabalhadores alcoolizados, dizendo que o álcool lhes traz alegria às suas vidas e que por isso não devem ser penalizados por trabalhar com os copos, muito embora um fosse condutor de um camião do lixo e outros os trabalhadores que realizavam a recolha do lixo, não sei bem o que dizer.

    • Quando alguém é preso preventivamente só porque há indícios de crime mas nenhuma prova concreta, quando alguém é condenado por homicídio quando o corpo nunca foi encontrado, (e a confissão é estranhamente acompanhada por uma valente agressão física…) quando um casal é totalmente ilibado (e nem sequer investigado) após uma clara negligência (assumida pelo mesmo) que acabou no “desaparecimento” de uma criança… Quando alguém é colocado em prisão preventiva sem qualquer acusação (e esta apenas surge quase um ano depois?)… Justiça (a nossa)? Só para quem tem muito dinheiro!

  5. Ja parece o Socrates, nao e por dizeres uma mentira cem vezes que ela passa a ser verdade. Ainda vai dizer que os miúdos e que o provocavam. Havia de apodrecer na cadeia.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.