Carlos Costa diz que fez o que podia no caso BES e recusa demitir-se

Tiago Petinga / Lusa

O governador do banco de Portugal, Carlos Costa

O governador do banco de Portugal, Carlos Costa

“O que fizemos era o que se podia fazer”. Eis como Carlos Costa se defende, no caso BES, depois da reportagem da SIC “Assalto ao Castelo”, que coloca em causa o seu papel como governador do Banco de Portugal, recusando a ideia de poder vir a demitir-se.

Numa entrevista ao jornal Público, o Governador do Banco de Portugal (BdP) desvalorizou um relatório que colocava em causa a continuidade dos administradores do BES e sugeria o afastamento do presidente do banco, garantindo que a lei não lhe permitia retirar a idoneidade a Ricardo Salgado.

Carlos Costa defendeu-se, assim, da polémica em relação à actuação do BdP, no caso do BES, gerada na semana passada, depois de uma reportagem da SIC que dava conta de uma nota interna de técnicos do banco que punha em causa a continuidade de quatro administradores do BES e sugeria o afastamento imediato de Ricardo Salgado.

A SIC noticiou também que o BdP sabia da falência do BES mais de um ano antes do colapso do banco, depois de uma equipa de técnicos do BPI ter estudado as contas do Grupo Espírito Santo (GES), referentes a 2010 e 2011, e de ter reunido esses dados num “relatório, datado de Janeiro de 2013” que foi entregue ao Governador.

Afirmando que o seu mandato é para levar até ao fim, Carlos Costa lembra que foi ele que “cara a cara, disse à família que não tinha idoneidade para estar à frente da instituição”, salientando que “foi uma grande novidade para os próprios e foi também um acto grande de afirmação da independência e da capacidade do BdP para interpretar de forma estrita a lei”.

“Só que a lei não permitia ir além de um certo ponto”, disse.

Carlos Costa explicou que o processo de retirada de idoneidade só se concretizou mais tarde “porque não podia” fazê-lo antes.

“Há dois acórdãos, o primeiro do Supremo Tribunal Administrativo, em 2005, e o segundo do Tribunal Central Administrativo do Sul, em 2012, e depois um terceiro do Tribunal Central Administrativo do Norte, já depois da Resolução, em 23 de Setembro de 2015, que diziam claramente que a retirada da idoneidade dependia da existência de prévias condenações judiciais. E era necessário que tivessem transitado em julgado”, aponta o Governador no Público.

De acordo com Carlos Costa, a lei foi alterada, dando a possibilidade ao BdP de intervir e de retirar a idoneidade “a alguém sobre o qual hajam fundadas razões para duvidar da sua capacidade para prosseguir à frente de uma instituição”.

O Governador sublinhou que a instituição fez o que “podia fazer, numa avaliação justa sobre a informação que tinha disponível, com o bom senso que exigia a situação“.

“Necessariamente, com o conhecimento que se tem depois, seria muito mais…. Não diria mais agressivo, porque a lei não me permitia. Mas seria pelo menos uma angústia muito superior, porque estaria limitado pela lei”, frisou.

Questionado sobre os documentos que Carlos Costa não entregou na comissão parlamentar de inquérito ao caso BES, que “defendia actuação tempestiva a Ricardo Salgado”, o responsável disse que “são documentos de trabalho e, tal como foi transmitido à comissão, não são abrangidos pelo dever de divulgação“.

O governador disse também que o mandato à frente do BdP “é para levar até ao fim” e rejeitou qualquer tensão com o Governo, assegurando que as relações com o Executivo “são normais e institucionais”.

“Só não teria condições para exercer o meu mandato se não fosse capaz de garantir a independência do Banco de Portugal e de garantir o cumprimento da missão que lhe está confiada”, salientou, evidenciando a convicção de que tem “condições para garantir” essa “independência”.

Ao jornal Público, Carlos Costa disse ainda que só percebeu que o BES poderia cair em Julho de 2014, a semanas da resolução, e assegurou que a ‘troika’ acompanhou a banca desde o início.

“Tudo foi feito para o que o GES não arrastasse o BES, para evitar o contágio. E não foi pela via do contágio que o problema aconteceu. Foi por via de outras operações que, a seu tempo, serão clarificadas”, disse.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Coitado. Ao ver a entrevista que ele deu ao Publico até me deu vontade de chorar. A culpa é dos outros todos porque ele só lá está para poder auferir uma reformazinha igual à do Cavaco. Logo que atinja o tempo de serviço para a dita, vem-se logo embora. Até porque não percebe muito bem aquilo que está lá a fazer, ele e muitos outros “reputados economistas”, com extensos curriculos academicos (validos apenas em Portugal) cujas previsões económicas parecem saídas do boletim meteorológico.Tambem eles tem como unico objectivo obter a reformazinha apos meia duzia de anos de serviço “esgotante”.

RESPONDER

Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio …

Mulher cai de carro em movimento enquanto grava vídeo para o Snapchat

Uma mulher, que ocupava o lugar do passageiro de um carro em movimento, caiu numa auto-estrada enquanto filmava um vídeo para a rede social Snapchat, no Reino Unido. Segundo a CNN, a mulher estava pendurada na …

Nos Estados Unidos, a venda de discos em vinil ultrapassou a de CD pela primeira vez desde 1986

Pela primeira vez desde 1986, as vendas de discos de vinil ultrapassaram as vendas de CD nos Estados Unidos em 2020. Os números foram apresentados na semana passada pela Associação Americana da Indústria de Gravação, …

Mourinho espera ganhar sem jogar

Tottenham iria defrontar o Leyton Orient mas também no Reino Unido há jogos de futebol em causa por causa do coronavírus. O encontro entre Leyton Orient e Tottenham, relativo à terceira eliminatória da Taça da Liga …

A máfia italiana tem uma nova arma de recrutamento: o TikTok

Os jovens membros da Camorra, organização criminosa aliada à máfia siciliana, estão a recorrer ao TikTok para divulgar o seu estilo de vida e recrutar novos membros. Em maio, um vídeo foi publicado no TikTok que …

Os três segredos para ter um bom sistema imunológico são gratuitos, avisa Fauci

Manter o sistema imunológico saudável é um dos fatores-chave para lidar com a covid-19, o que não implica necessariamente a toma de suplementos vitamínicos. Há uns tempos, quando confrontado com o facto de a atriz Jennifer …

Pinguim encontrado morto no Brasil com uma máscara inteira no estômago

Um espécime de pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) foi encontrado morto numa popular praia brasileira e a autópsia ao corpo revelou que o animal tinha no seu estômago uma máscara de proteção facial N95. O animal foi …

Trump quer restabelecer sanções ao Irão. ONU rejeita apoiar posição norte-americana

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que somente apoiará a restituição de sanções ao Irão, exigidas pelos Estados Unidos (EUA), se receber luz verde do Conselho de Segurança. Numa carta dirigida …

Designer holandês desenvolve "caixão vivo" feito com fibras de fungos

Um corpo humano pode demorar cerca de uma década a decompor-se dentro de um caixão. Com o Living Cocoon, o tempo é reduzido para dois ou três anos. Bob Hendrikx, biodesigner fundador da Loop, desenvolveu e …

Relógio em Nova Iorque mostra o tempo restante para reverter efeitos do aquecimento global

O Metronome, icónico relógio digital de Nova Iorque, deixou de mostrar o tempo do dia-a-dia e mostra agora o tempo restante que o nosso planeta tem para reverter os efeitos do aquecimento global. O relógio digital …