Carlos Costa diz que fez o que podia no caso BES e recusa demitir-se

Tiago Petinga / Lusa

O governador do banco de Portugal, Carlos Costa

O governador do banco de Portugal, Carlos Costa

“O que fizemos era o que se podia fazer”. Eis como Carlos Costa se defende, no caso BES, depois da reportagem da SIC “Assalto ao Castelo”, que coloca em causa o seu papel como governador do Banco de Portugal, recusando a ideia de poder vir a demitir-se.

Numa entrevista ao jornal Público, o Governador do Banco de Portugal (BdP) desvalorizou um relatório que colocava em causa a continuidade dos administradores do BES e sugeria o afastamento do presidente do banco, garantindo que a lei não lhe permitia retirar a idoneidade a Ricardo Salgado.

Carlos Costa defendeu-se, assim, da polémica em relação à actuação do BdP, no caso do BES, gerada na semana passada, depois de uma reportagem da SIC que dava conta de uma nota interna de técnicos do banco que punha em causa a continuidade de quatro administradores do BES e sugeria o afastamento imediato de Ricardo Salgado.

A SIC noticiou também que o BdP sabia da falência do BES mais de um ano antes do colapso do banco, depois de uma equipa de técnicos do BPI ter estudado as contas do Grupo Espírito Santo (GES), referentes a 2010 e 2011, e de ter reunido esses dados num “relatório, datado de Janeiro de 2013” que foi entregue ao Governador.

Afirmando que o seu mandato é para levar até ao fim, Carlos Costa lembra que foi ele que “cara a cara, disse à família que não tinha idoneidade para estar à frente da instituição”, salientando que “foi uma grande novidade para os próprios e foi também um acto grande de afirmação da independência e da capacidade do BdP para interpretar de forma estrita a lei”.

“Só que a lei não permitia ir além de um certo ponto”, disse.

Carlos Costa explicou que o processo de retirada de idoneidade só se concretizou mais tarde “porque não podia” fazê-lo antes.

“Há dois acórdãos, o primeiro do Supremo Tribunal Administrativo, em 2005, e o segundo do Tribunal Central Administrativo do Sul, em 2012, e depois um terceiro do Tribunal Central Administrativo do Norte, já depois da Resolução, em 23 de Setembro de 2015, que diziam claramente que a retirada da idoneidade dependia da existência de prévias condenações judiciais. E era necessário que tivessem transitado em julgado”, aponta o Governador no Público.

De acordo com Carlos Costa, a lei foi alterada, dando a possibilidade ao BdP de intervir e de retirar a idoneidade “a alguém sobre o qual hajam fundadas razões para duvidar da sua capacidade para prosseguir à frente de uma instituição”.

O Governador sublinhou que a instituição fez o que “podia fazer, numa avaliação justa sobre a informação que tinha disponível, com o bom senso que exigia a situação“.

“Necessariamente, com o conhecimento que se tem depois, seria muito mais…. Não diria mais agressivo, porque a lei não me permitia. Mas seria pelo menos uma angústia muito superior, porque estaria limitado pela lei”, frisou.

Questionado sobre os documentos que Carlos Costa não entregou na comissão parlamentar de inquérito ao caso BES, que “defendia actuação tempestiva a Ricardo Salgado”, o responsável disse que “são documentos de trabalho e, tal como foi transmitido à comissão, não são abrangidos pelo dever de divulgação“.

O governador disse também que o mandato à frente do BdP “é para levar até ao fim” e rejeitou qualquer tensão com o Governo, assegurando que as relações com o Executivo “são normais e institucionais”.

“Só não teria condições para exercer o meu mandato se não fosse capaz de garantir a independência do Banco de Portugal e de garantir o cumprimento da missão que lhe está confiada”, salientou, evidenciando a convicção de que tem “condições para garantir” essa “independência”.

Ao jornal Público, Carlos Costa disse ainda que só percebeu que o BES poderia cair em Julho de 2014, a semanas da resolução, e assegurou que a ‘troika’ acompanhou a banca desde o início.

“Tudo foi feito para o que o GES não arrastasse o BES, para evitar o contágio. E não foi pela via do contágio que o problema aconteceu. Foi por via de outras operações que, a seu tempo, serão clarificadas”, disse.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Coitado. Ao ver a entrevista que ele deu ao Publico até me deu vontade de chorar. A culpa é dos outros todos porque ele só lá está para poder auferir uma reformazinha igual à do Cavaco. Logo que atinja o tempo de serviço para a dita, vem-se logo embora. Até porque não percebe muito bem aquilo que está lá a fazer, ele e muitos outros “reputados economistas”, com extensos curriculos academicos (validos apenas em Portugal) cujas previsões económicas parecem saídas do boletim meteorológico.Tambem eles tem como unico objectivo obter a reformazinha apos meia duzia de anos de serviço “esgotante”.

RESPONDER

Governo francês vai dar 100 euros a famílias carenciadas para pagar energia

O Governo francês vai entregar um cheque de 100 euros a 5,8 milhões de famílias de menores recursos para ajudar a pagar a fatura energética. A medida anunciada pelo executivo vai ter um custo de 580 …

Incidência e R(t) recuam em dia com mais 1.023 infetados e sete mortes

Portugal registou, esta sexta-feira, 1.023 novos casos e sete mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Apoiantes de Navalny acusam Google e Apple de "censura" política

Os apoiantes de Alexei Navalny acusaram hoje as empresas Google e Apple de terem suprimido o apelo ao voto "útil" proposto pelo oposicionista através das respetivas plataformas, denunciando "censura" num processo eleitoral em que a …

Presidente da República argentino cancela viagens para impedir que vice assuma Governo

Cristina Kirchner é parceira maioritária na coligação de Governo e exige, entre outras mudanças, a substituição de ários ministros, secretários e presidentes de organismos públicos. Recentemente, tem mostrado em público o seu descontentamento face à …

"Bazuca" europeia não resolve problema da falta de habitação

De acordo com vários especialistas, as 26 mil casas identificadas como prio­ritárias pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) não chegam para as necessidades do país, que podem chegar às 46 mil. A questão da aplicação …

Peça que terá sido usada no batismo de D.Maria II está à venda. Estado não a compra por ser demasiado cara

Há uma semana que está à venda uma peça que pertenceu à coroa portuguesa. Terá pertencido à família real depois do Terramoto de 1755 e, de acordo com o antiquário que agora a comercializa, terá …

"Dupla pancada". Vítimas de violência doméstica são deixadas ao abandono sem indemnização

Mais de 80% das vítimas de violência doméstica, a maioria mulheres, não recebem indemnizações, nem dos agressores nem do Estado. Se as vítimas não tiverem sofrido uma incapacidade para o trabalho por um período igual ou …

Ministério Público declara ilegal eleição de André Ventura

Ministério Público invalidou a mudança nos estatutos do Chega, incluindo a eleição direta de André Ventura. O líder do partido admite um novo congresso. No início do mês, o Ministério Público (MP) pediu ao Tribunal Constitucional …

Ministra dos Negócios Estrangeiros dos Países Baixos demite-se por causa do Afeganistão

Sigrid Kaag demitiu-se do seu cargo de ministra dos Negócios Estrangeiros dos Países Baixos, depois de o Parlamento considerar que o Governo fez uma má gestão da retirada de cidadãos do Afeganistão. A ministra dos Negócios …

Rio "atirou" Costa aos macacos e pediu aos eleitores que "penalizem" o descaramento do PS

Rui Rio afirma nunca ter visto um "desplante" semelhante ao do PS no que respeita a promessas eleitorais como o que está a acontecer na atual campanha para as autárquicas. Mais um dia, mais uma capelinha. …