Carlos Alexandre rejeita ser candidato às eleições europeias

José Sena Goulão / Lusa

O juiz Carlos Alexandre rejeitou na quinta-feira o desafio formulado pelo partido Nós, Cidadãos! para encabeçar uma lista às eleições europeias de 26 de maio, afirmando não estar no seu “horizonte pessoal qualquer intervenção política”.

“Nunca equacionei qualquer carreira política ao nível nacional ou outro”, respondeu Carlos Alexandre numa declaração escrita enviada à agência Lusa.

“Confirmo que tenho sido abordado por individualidades da nossa vida democrática no sentido supra apontado candidatura às europeias, tendo referido não estar no meu horizonte pessoal qualquer intervenção política que, aliás, me está vedada, em decorrência do Estatuto dos Magistrados Judiciais”, justificou o juiz.

O Nós, Cidadãos! tinha desafiado o juiz Carlos Alexandre a ser o cabeça de lista do partido às próximas eleições europeias através de um comunicado colocado no seu site.

“Como garantia de uma liderança firme e respeitada, que o seu passado amplamente lhe confere, vem o Nós, Cidadãos! apelar ao juiz Carlos Alexandre para que encabece a lista de deputados de uma candidatura de cidadãos ao Parlamento Europeu”, afirma no comunicado.

O partido afirma que a escolha de Carlos Alexandre foi feita “após um longo diálogo e contactos que ainda prosseguem com movimentos cívicos de todo o continente, Regiões Autónomas e Portugueses da Lusofonia, com representantes da sociedade civil, do patronato e dos sindicatos, com um ex-Presidente da República e ex-candidatos presidenciais”.

Carlos Alexandre salientou: “Sinto-me honrado pelo apelo que vem da sociedade civil e que estou certo não pretende qualquer aproveitamento do meu nome e imagem o qual, na eventualidade, repudio”. A terminar a declaração, o juiz refere ainda que “nada mais tenho a comentar ou a declarar a este propósito”.

O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal Carlos Alexandre tornou-se conhecido após ter decretado a prisão preventiva de personalidades como o ex-primeiro-ministro José Sócrates ou do banqueiro Ricardo Salgado, sendo chamado de “superjuiz”.

As eleições para o Parlamento Europeu estão marcadas para o próximo dia 26 de maio e já são conhecidos os cabeças de lista João Ferreira (eurodeputado, CDU), Nuno Melo (eurodeputado, CDS-PP), Marisa Matias (eurodeputado, BE), Paulo Sande (assessor do Presidente da República, Aliança) e Francisco Guerreiro (assessor parlamentar, PAN).

O Nós, Cidadãos! é dirigido por Mendo Henriques e foi reconhecido como partido pelo Tribunal Constitucional em 23 de março de 2015. Nesse ano, concorreu às eleições legislativas e obteve 22.439 votos (0,4%), o que não lhe permitiu eleger deputados.

// Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Deputado Europeu para este senhor é muito pouco.
    Ele vai aguardar para ser convidado para Ministro, tal como o seu bom colega brasileiro

    • Quero acreditar que não somos a república das bananas e que o Juiz Carlos Alexandre vai continuar a desempenhar as suas funções – “engavetar” os ladrões e corruptos, com grande convicção, como tem feito até agora.

      • Ah! AH! AH!
        E ele que não tinha amigos que lhe emprestassem dinheiro -como disse na entrevista na TV- e depois provou-se que tinha e foi pagar a correr………………..

  2. Haja alguém que dignifique a classe…
    Honra e distinção marca a diferença na promiscuidade que envolve e caracteriza a política e os interesses financeiros em Portugal.

RESPONDER

Líderes da UE alertam Londres para respeitar acordo do Brexit

Os líderes da União Europeia (UE) alertaram o Governo britânico, este sábado, que os dois lados devem implementar o acordo do Brexit, numa reunião com o primeiro-ministro britânico à margem da cimeira do G7. A presidente …

Variante Delta está a crescer em Portugal. Lisboa e Vale do Tejo é a região mais afetada

As autoridades de saúde confirmam que já foi detetada, em Portugal, a transmissão comunitária da variante Delta do novo coronavírus. Esse cenário estará a ser mais evidente na região de Lisboa e Vale do Tejo. "Até …

Vírgula permite aos deputados receberem abono de exclusividade mesmo mantendo cargos em empresas

Um parecer da Comissão de Transparência permite aos deputados acumularem funções em empresas enquanto recebem o subsídio de exclusividade na Assembleia da República. Tudo por culpa de uma vírgula que desperta interpretações diversas. A situação é …

Grupo Espírito Santo só tem verbas para pagar 2,6% das dívidas

Os credores reclamam 11,5 mil milhões de euros em dívida, mas o império Espírito Santo só tem cerca de 300 milhões de euros. De acordo com o semanário Expresso, aquilo que resta do império Espírito Santo …

CTT reclamam dívidas de 67 milhões ao Estado

Os CTT iniciaram um processo de arbitragem contra o Estado, reclamando um total de 67 milhões de euros em compensações pelo impacto da pandemia de covid-19 e pela extensão unilateral do contrato de concessão. "Os CTT …

O candidato de Costa ao Porto só durou 24 horas (e a "asneira" pode sair-lhe cara)

Está lançada a confusão no PS Porto com a escolha do candidato do partido às próximas eleições autárquicas. O secretário de Estado da Mobilidade, Eduardo Pinheiro, não resistiu às reacções negativas à sua escolha para …

Mourinho Félix ao ataque. BdP "subjugou-se" à ex-ministra das Finanças

O antigo secretário de Estado Adjunto e das Finanças criticou, esta sexta-feira, a "falha grave" do Banco de Portugal (BdP) ao se ter subjugado à antiga ministra das Finanças quanto à capitalização inicial do Novo …

Castillo obtém a maioria dos votos nas Presidenciais peruanas

Pedro Castillo obteve a maioria dos votos nas eleições presidenciais de domingo no Peru, com 50,168% dos votos, restando apenas 0,328% para contar, uma distância que a sua rival, Keiko Fujimori, não será capaz de …

Câmara de Lisboa arrisca multa de 80 milhões devido à partilha de dados

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) terá cometido quatro violações à lei da Proteção de Dados, puníveis cada uma com uma coima até aos 20 milhões de euros. Em declarações ao jornal Público, Elsa Veloso, advogada …

Joanetes e ossos partidos. A moda dos sapatos pontiagudos teve um alto custo na Inglaterra medieval

A moda dos sapatos pontiagudos na Inglaterra medieval desencadeou uma onda de joanetes, que, por sua vez, levaram a que as pessoas caíssem e partissem ossos. O século XIV assistiu à chegada de uma abundância de …