Candidatos a guardas espancados por instrutores. GNR e MAI estão a investigar

Narizes partidos, lesões oculares e desmaios. Assim, ficaram dez candidatos a agentes da GNR que terão sido espancados por instrutores durante o curso de formação em Portalegre. A GNR e a Inspecção Geral da Administração Interna estão a investigar.

O caso começou por ser divulgado pelo Jornal de Notícias (JN) que salienta que dez candidatos a guardas da GNR ficaram com mazelas como “fracturas, perda de sentidos e até lesões oculares” depois de terem sido, alegadamente, agredidos por instrutores, durante o curso de formação em Portalegre.

Estes candidatos terão necessitado de receber tratamento hospitalar e alguns terão sido mesmo sujeitos a intervenções cirúrgicas.

A GNR não confirma os detalhes, mas reconhece a “ocorrência” e revela que “foi determinado um processo de averiguações, que não está concluído”, como afirmou à agência Lusa o porta-voz do Comando Nacional da GNR, Hélder Barros.

O Ministério da Administração Interna (MAI) ordenou também à Inspecção Geral da Administração Interna a abertura de um inquérito sobre o alegado espancamento, para “apuramento dos factos e determinação de responsabilidade“.

Em comunicado, o MAI refere que o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, “pediu esclarecimentos ao Comando Geral da GNR sobre os factos”, salientando que a confirmarem-se, “não são toleráveis numa força de segurança num Estado de Direito democrático”.

Em declarações ao Público, o porta-voz da GNR frisa que o processo de averiguações foi aberto a 13 de Novembro, e que os formandos envolvidos já regressaram ao curso.

O JN avançou que os recrutas “têm medo de fazer queixa-crime contra” os alegados “instrutores agressores”, por temerem sofrer represálias, nomeadamente em termos da carreira profissional.

“Agressões deliberadas e constantes”

O presidente da Associação dos Profissionais da Guarda (APG), César Nogueira, relata ao Público que “os relatos” que chegaram à entidade “apontam para entre oito e dez instruendos assistidos no hospital, um deles sujeito a uma pequena intervenção cirúrgica na vista”, e “retratam casos de agressões deliberadas e constantes“.

“Mesmo depois de os instruendos estarem no chão continuaram a ser agredidos”, frisa César Nogueira, notando que “enquanto as agressões decorriam, os formadores ainda se riam do que estava a acontecer”.

Tudo terá acontecido durante o módulo de formação no uso do bastão extensível, e os formandos “terão sido agredidos com pontapés na face e socos no nariz”, como relata o JN.

Em vídeos divulgados na Internet, é possível ver que neste tipo de treino da GNR, os formandos utilizam apenas um bastão, que será composto por PVC revestido a esponja ou borracha, enquanto o instrutor aparece equipado com um fato de protecção.

O presidente da APG lamenta também no Público que os instruendos, que terão “vinte e poucos anos”, não terão a “experiência” necessária para um treino que é reconhecidamente duro.

“Estes formadores são alferes saídos da Academia Militar, que nunca tinham dado aquela formação antes e garantidamente nunca utilizaram o bastão numa situação operacional”, destaca César Nogueira.

O dirigente da APG também frisa que os formandos estão numa situação de “especial vulnerabilidade” porque “se fizerem queixa de um oficial que está a avaliar podem estar a comprometer a sua entrada na GNR“.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. O que vi na televisão não me chocou…
    O que me choca é termos, por vezes guardas, que não aguentam o muro ou pior uma bofetada…
    Os guardas que andam no terreno ter que ter uma aptidão física adequada à função. De que serve termos guardas no terreno se depois não conseguem imobilizar alguém que mostra resistência…

    O que para mim deveras é importante é garantir a proteção da classe quando algo acontece. Não se pode disparar um tiro de proteção e depois ser-se preso por se cumprir com a função.
    Importante é garantir que os guardas tem um salário condigno com a função. Salários mínimos só potenciam a corrupção.
    Importante é não ter que pagar a farda de trabalho. A lei é clara e diz que tem que ser a entidade patronal a fornecer a mesma.
    Deixem-se de “flores” e façam algo pela policia e pela população. Deixem os criminosos na prisão a aguardar julgamentos e sentenças em vez de os deixarem “soltos” continuando a sua atividade criminosa…

    • Ó Armindo…
      Então que história é essa de guardas que não aguentam o muro?! Mas eles estavam em Berlim a segurar o muro?
      E que história é essa de os guardas que andam no terreno ter que ter?! Que é essa merda, do ter que ter? É como o deve e o haver mas com o mesmo verbo e sempre a somar, estilo 44?
      E o que para si deveras é importante ou é deveras importante? Em que ficamos? Haveria muito mais… Mas agora… mais a sério, estou totalmente de acordo com as suas ideias. Que raio de país é este onde os guardas vão presos por tentar impor a ordem; onde têm de pagar a farda? Carrega neles Armindo que isto precisa de ordem!

    • Quem és tu Armindo? Onde vives? De onde vens e para onde vais? Não dizes nada de jeito e fazes afirmações dignas de alguém que foi estrupado e sodomizado em criança. Marca com urgência uma consulta de psiquiatria, pois isso tende a abraçar-te com o passar do tempo.

  2. Mais um berbicacho para o Ministro da Defesa.
    Sempre que uma entidade ou organismo funciona com uma cúpula poderosa e sem prestar contas a ninguém, e uma massa de gente subordinada, desprotegida e com dificuldade em apresentar queixa, estes casos vão continuar a acontecer.
    Centros de Acolhimento, Creches, Casas Pias, Lares de idosos, Seminários, Comandos, GNR, Pupilos…
    Nestes casos as fiscalizações deveriam ser obrigatórias, frequentes e de surpresa.
    Dizia um responsável há dias na TV, que era bom investigar rápido este caso na GNR, antes que comecem a aparecer que nem cogumelos, muitas dezenas de casos abafados ou “esquecidos”.

  3. Realmente se fosse só para passar multas não era necessário estes treinos drásticos. mas como é para proteger o Cidadão indefeso, isto ainda é básico, no meu tempo de militar, isto não passava de uma brincadeira.

  4. Claro que os guardas têm de saber estar no chão a levar pontapés na cara sem possibilidade de sacar da arma, que noutro país já estaria sacada antes de irem ao chão. Sugiro uma prova de tiro em que o guarda têm de dar 2 voltas ao campo depois de alvejado na perna ou então a roleta russa para triagem dos mais corajosos.

RESPONDER

Um dos microscópios de Darwin vai a leilão. Esteve nas mãos da sua família durante quase 200 anos

Um microscópio que Charles Darwin ofereceu ao filho Leonard - e que esteve nas mãos da sua família ao longo de quase 200 anos - vai ser leiloado em dezembro e poderá valer cerca de …

Pedro Sánchez promete abolir a prostituição em Espanha, por considerar que esta "escraviza" as mulheres

Espanha é um dos países europeus com mais trabalhadoras na indústria do sexo, as quais são sobretudo originárias de países da Europa mais pobres, da América Latina e de África. O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez anunciou …

"Um milagre". Dois jovens sobreviveram quase uma semana no deserto australiano

Dois jovens, de 14 e 21 anos, sobreviveram durante quase uma semana no deserto, sem água e sem comida, depois de se terem perdido no Território do Norte, na Austrália. A polícia fala num verdadeiro …

Carlos Moedas

Moedas vai "dar tudo como presidente" e exige que seja respeitada a legitimidade do seu mandato

Carlos Moedas tomou posse, esta segunda-feira, como novo presidente da Câmara de Lisboa, tendo falado dos objetivos para o próximo quadriénio e deixado um elogio ao seu antecessor e alguns avisos à esquerda. Depois dos cumprimentos …

Chanceler austríaco Sebastian Kurz

Sondagens falsas e notícias favoráveis. O lado negro de Sebastian Kurz foi desmascarado

Sebastian Kurz e pessoas que lhe são próximas foram acusados de tentar garantir a sua ascensão à liderança do partido e do país com a ajuda de sondagens manipuladas e notícias favoráveis na imprensa, financiadas …

Tem uma carreira de sonho na Nike, mas cometeu um homicídio há 65 anos

O presidente da Jordan Brand, Larry Miller, revelou que, há 56 anos, matou um adolescente nas ruas de Filadélfia, nos Estados Unidos. O presidente da Jordan Brand — marca do ex-jogador de basquetebol Michael Jordan — …

Rio diz que decisão sobre eventual recandidatura está "quase tomada"

O presidente do PSD afirmou, esta segunda-feira, que a decisão sobre a sua eventual recandidatura está "quase tomada" e será anunciada em breve. Em declarações aos jornalistas à chegada à tomada de posse do novo presidente …

Mihajlovic: "Vou tentar manter a calma, mas é difícil"

Treinador do Bolonha furioso com os cartões amarelos mostrados para "compensar" uma expulsão. Beto voltou a marcar. Udinese e Bolonha entraram em campo neste domingo como protagonistas de um dos jogos menos mediáticos da oitava jornada …

Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo avisa que não pode haver "casos de mau uso e de fraude" com os fundos europeus

O Presidente da República avisou, esta segunda-feira, que a "última coisa" que pode acontecer com os fundos europeus são "casos de maus uso e de fraude", garantindo que os portugueses "não perdoariam" que isso acontecesse. Questionado …

O empresário John Textor

Nova direção do Benfica vai reunir-se com John Textor

O empresário John Textor, que celebrou um acordo com José António dos Santos para aquisição de 25% do capital social da SAD do Benfica, vai ser recebido pela nova direção do clube esta quinta-feira. "Após explícita …