Um dos videojogos mais famosos do mundo é acusado de propaganda anti-Rússia

Call of Duty é uma das franquias de maior sucesso na história dos videojogos, mas atualmente existem pedidos para boicotar o seu último lançamento devido à descrição de conflitos militares do jogo.

Call of Duty: Modern Warfare (2019), lançado em outubro, acumulou mais de 600 milhões de dólares no seu fim de semana de estreia, mais do que o dobro do recorde do fim de semana do filme Joker. Call of Duty recebeu uma reação negativa por dar aos jogadores a hipótese de usar fósforo branco, uma arma química, e por retratar mal a política mundial, especialmente na sua representação questionável da Rússia.

A controvérsia envolve um cenário no jogo chamado “Highway of Death”. O jogador, como um agente incorporado da CIA com vista para uma estrada deserta no Médio Oriente, é informado de que “os russos bombardearam-no, matando as pessoas que tentavam escapar”.

O cenário assemelha-se a um incidente na Guerra do Golfo de 1990-01, também conhecido como “Highway of Death”, quando os Estados Unidos e os seus aliados atacaram um grande comboio iraquiano em retirada que resultou em baixas em massa e, posteriormente, acusações contra o militares americanos por uso de força indevida.

Contudo, o jogo coloca crucialmente os russos, e não os americanos, como responsáveis pelo assassinato. Esta alusão a uma atrocidade russa levou a acusações contra a Activision, a produtora do jogo, por flagrante “russofobia”. O jogo foi denunciado por jornalistas e jogadores russos como pura propaganda americana.

Esta não é a primeira vez que Call of Duty gera polémica. Em 2009, uma versão anterior do jogo apresentava uma missão chamada “No Russian”, na qual o jogador assumia o papel de agente secreto da CIA, ajudando ativamente uma célula terrorista num massacre de civis num aeroporto russo.

A complexidade da guerra

Em defesa do jogo, Call of Duty: Modern Warfare desenrola-se principalmente no país fictício de Urzikstan. A Activision não reivindica a precisão histórica, enfatizando que o jogo não representa acontecimentos reais.

Com base numa série de conflitos recentes, bem como ataques terroristas, o jogo claramente não é uma simples reformulação da Guerra do Iraque. A sua desenvolvedora Infinity Ward sempre chamou a atenção para a maneira como o jogo se inspira nos acontecimentos da vida real, mas cria as suas próprias narrativas.

Call of Duty não é um jogo que glorifica a guerra. Em vez disso, pretende descrever a “complexidade moral” e o “fardo” da vida militar. As personagens do jogo destacam a ambiguidade da guerra moderna, perguntando “onde traçamos a linha?” quando confrontados com a escalada da violência e reconhecendo-se como “matadores”, mas igualmente “peões”.

A representação dos russos no jogo é mais subtil do que os críticos dizem. Um vilão russo, o general Barkov, é identificado como um oficial renegado que atua fora da jurisdição do Kremlin, enquanto as missões cooperativas apresentam aliados militares russos.

Propaganda dos jogos

No entanto, seria errado classificar o jogo de maneira tão apolítica quanto os seus criadores alegaram. A imagem mais ampla é que a franquia de sucesso funciona como uma peça de propaganda de “soft power”, retratando uma visão totalmente americana sobre assuntos estrangeiros informados pelos ideais ocidentais.

Lançado pela primeira vez em 2003, apenas dois anos após os ataques terroristas de 11 de setembro, o Call of Duty original tem lugar Segunda Guerra Mundial e segue uma agenda decididamente pró-americana.

A franquia continua a ser conhecida hoje pela sua atitude de atirar primeiro, onde as tropas terrestres sabem sempre mais e a diplomacia vacila. Em Call of Duty, os jogadores lutam do lado americano (e às vezes britânico) para travar guerras virtuais por todo o mundo e obter vitórias necessárias.

A controvérsia sobre o cenário “Highway of Death” expõe não apenas a guerra cultural em andamento entre a Rússia e os EUA, mas também a extensão em que os videojogos agora trazem histórias imersivas e foto-realistas que voluntariamente combinam eventos reais e imaginários.

E assim, em alguns níveis, a controvérsia de Call of Duty reflete a nossa atual sociedade de fake news e uma crescente confusão sobre caminhos corretos, verdade e realidade.

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. A afirmação dada não é verdadeira, pois no Call of Duty WW2 ( o antigo), a campanha é constituída por missões por parte dos Soviéticos, dos Ingleses e dos Americanos

RESPONDER

Nicolas Bourbaki foi o maior matemático de sempre (mas nunca existiu)

Considerado como um dos maiores matemáticos de sempre, Nicolas Bourbaki não passava de um pseudónimo adotado por um grupo de grandes matemáticos, que revolucionou a matemática como a conhecemos. Nicolas Bourbaki está entre os maiores matemáticos …

No aquário do Tennessee, é uma enguia que acende as luzes da árvore de Natal

A enguia Miguel Wattson é a responsável pelo espírito natalício que se vive no Aquário do Tennessee, nos Estados Unidos. O Aquário do Tennessee, nos Estados Unidos, encontrou uma forma inusitada de celebrar esta época festiva: …

Há 34 anos, Diana dançou com Travolta. Agora, o seu vestido foi vendido por 261 mil euros

O vestido que a Princesa Diana usou para jantar na Casa Branca, em 1985, foi vendido por mais de 261 mil euros. O vestido azul que a Princesa Diana usou num jantar na Casa Branca, em …

Doentes crónicos com baixo nível de literacia em saúde recorrem mais às urgências

Os doentes crónicos e com um nível de literacia em saúde mais baixo utilizam mais vezes os serviços de urgência hospitalares e dos centros de saúde, bem como as consultas de medicina geral e familiar, …

Ártico viveu em 2019 o segundo ano mais quente em 119 anos

O Ártico viveu em 2019 o seu segundo ano mais quente desde 1900, de acordo com um relatório publicado na terça-feira, aumentando receios de degelo e aumento do nível da água. O Polo Norte está a …

Jardineiro encontra por acaso a obra mais procurada de Gustav Klimt. Estava no galeria onde foi roubada

Um funcionário da galeria de arte Ricci Oddi, na cidade italiana de Piacenza, encontrou por acaso a obra mais procurado do pintor austríaco Gustav Klimt. Estava na própria galeria, onde a obra terá sido roubada …

YouTube reforça políticas contra assédio online

O YouTube anunciou, esta quarta-feira, um conjunto de alterações às políticas que visam combater o assédio que existe na plataforma. O YouTube anunciou esta quarta-feira o reforço das suas políticas contra o assédio online, que preveem …

Deus bebé indiano vence caso em tribunal e reinvindica território sagrado

O Supremo Tribunal Indiano declarou Ram Lalla Virajman, um deus bebé, como o legítimo proprietário de Ayodhya, uma terra no norte da Índia considerada sagrada por muçulmanos e hindus. O tribunal decidiu que o Governo …

China usa comités partidários para manipular empresas estrangeiras

Em outubro, quando a Liga Norte-Americana de Basquetebol (NBA) tentou voltar atrás no apoio aos protestos em Hong Kong, foi criticada por se submeter ao regime autoritário da China. Mas são cada vez mais as …

Ângelo Rodrigues, Flamengo e Tinder. Os temas mais procurados pelos portugueses no Google

Ângelo Rodrigues, Flamengo, como saber onde votar, como funciona o Tinder e "Game of Thrones" estão entre os tópicos que os utilizadores portugueses do Google mais pesquisaram ao longo de 2019. Os dados são divulgados …