O Bug do Ano 2000 foi empurrado para 2020 (e está de volta)

Nos últimos anos do século passado, o famigerado “Bug do ano 2000” causou preocupações em todo o mundo. Muitos acreditavam num caos apocalíptico e no colapso da civilização, causado pela falha dos computadores, dos sistemas públicos, dos bancos e de qualquer dispositivo que tivesse algum chip a calcular datas com apenas 2 dígitos no ano.

O Y2K, ou “Bug do Ano 2000”, foi uma dor de cabeça para milhares de informáticos e responsáveis de IT no fim do século passado. O famigerado bug ameaçava atacar qualquer computador que usasse um formato de data com dois dígitos para o ano — por exemplo, “17/01/97”.

Este formato, que para minimizar o uso da memória dos computadores assumia um 19 antes do ano, era usado pelos primeiros programadores informáticos — que, algures pelos anos 50 e 60 do século passado, não sonhavam que os sistemas informáticos que estavam a criar poderiam vir a ter um tempo de vida mais longo que o esperado e sobreviver até ao ano 2000. Ou, no formato que usavam, até ao ano 00.

O problema é que, ao bater da meia noite de 31/12/99, os computadores passavam a assumir que a data corrente era 01/01/00 – ou seja, o primeiro dia de janeiro de 1900.

Este comportamento poderia causar os mais variados problemas, pequenos e grandes — desde bancos a calcular juros negativos, equipamentos hospitalares a desligar-se porque não era dia de estarem a funcionar, registos de pessoas vivas com idades negativas porque “só iam nascer” daí a 97 anos… Os problemas poderiam repercutir-se em grande escala.

O método usado para resolver o problema a longo prazo foi reescrever todos os componentes dos sistemas de programação, bancos de dados e código fonte, para que usassem datas com ano de quatro dígitos — o que demorou tempo e custou dinheiro. Milhares de programadores e empresas passaram anos a reescrever código e trocar sistemas por novas versões com um formato de 4 dígitos para o ano.

Porém, nem todos os responsáveis de IT escolheram resolver definitivamente o problema. Alguns, usaram uma solução rápida que simplesmente o adiou para 2020. E quando todos pensávamos que tínhamos sobrevivido ao Bug do Ano 2000, revela o New Scientist, uma série de incidentes veio colocar à vista um novo problema: o Y2020.

A solução rápida para o bug do Y2K escolhida por alguns programadores foi usar uma técnica de “windowing”, colocando subrotinas no código de modo a que, sempre que o ano fosse “menor que 20”, o sistema assumia um 20 antes. Ou seja, à última badalada de 31/12/(20)19, alguns sistema regressaram a… 01/01/1900.

A técnica que muitos programadores usaram em 2000 para solucionar o bug do Y2K, informalmente chamada de “ano central”, causa problemas semelhantes aos do ano 2000. No sistema de dados de dois dígitos, “20” torna-se o ano central.

Isso significa que os dados que contêm um ano de dois dígitos entre “00-20” serão tratados como pós-2000, enquanto os anos entre 20-99 serão interpretados como referentes ao século anterior. Os sistemas que usam o “ano central” acreditam agora que estamos de volta a 1920.

O problema já se fez sentir. Os parquímetros em Nova Iorque, por exemplo, recusaram pagamentos com cartão de crédito depois de um software desatualizado ter desativado a opção de pagamento no Ano Novo. O Departamento de Transportes, diz a ZDNet, ainda está a percorrer a cidade para atualizar manualmente os 14 mil parquímetros, um por um.

Há vinte anos, 2020 parecia suficientemente distante para que muitos programadores ainda escolhessem 20 como “o ano central”, assumindo que a maioria dos sistemas e códigos seria substituída entretanto.

Até agora, os sistemas afetados estão a ser reparados rapidamente e algumas empresas enviaram correções antes do Ano Novo. Porém, há cada vez menos especialistas capazes de intervir nestes sistemas, e cada vez mais os paradigmas de programação se afastam da forma como estas linguagens antigas eram implementadas.

Assim, para os que apenas empurraram o assunto durante um par de décadas, os problemas acabaram de recomeçar. Quanto aos outros todos, nenhum deverá estar por cá no dia 31 de dezembro de 9999.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Feitos de estrelas. Os nossos ossos são compostos por estrelas que explodiram

Uma nova investigação concluiu que metade do cálcio do nosso Universo é oriundo de uma supernova rica em cálcio, que explodiu há milhões de anos. O novo estudo, cujos resultados foram esta semana publicados na revista …

"Monarquia criminosa". Parlamento declara Catalunha republicana e não reconhece o rei

O Parlamento catalão aprovou esta sexta-feira uma resolução na qual declara que “a Catalunha é republicana e, portanto, não reconhece nem quer ter um rei”, rotulando a monarquia de “criminosa”. A resolução foi aprovada em sessão …

Novo método deteta metais tóxicos em alimentos e água em apenas algumas horas

Uma equipa de cientistas da Universidade de Joanesburgo, na África do Sul, desenvolveu um método sensível para detetar níveis perigosos de metais pesados em alguns alimentos e água. Os vestígios de metais como chumbo (Pb), arsénico …

Meghan Markle vence primeira batalha judicial contra jornal britânico

A Duquesa de Sussex conseguiu que o Tribunal Superior de Londres optasse por manter anónima a identidade das suas cinco amigas, como parte da ação legal que está a ser levada a cabo. O 39º aniversário …

Cientistas obrigados a rebatizar dezenas de genes humanos. A culpa é do Excel

Só no ano passado, os cientistas viram-se obrigados a mudar os nomes de 27 genes humanos por causa de um erro de leitura do Microsoft Excel. Tal como explica o portal The Verge, que avança …

"Vai continuar a queimar". Covid-19 é mais parecida com um fogo florestal do que com ondas e picos

Com o surgimento do novo coronavírus no mundo, vários especialistas previam que este iria surgir em ondas e picos. Agora a visão de futuro é outra e os especialistas dizem que a pandemia se compara …

Mudanças climáticas podem vir a causar mais mortes do que a covid-19, alerta Bill Gates

  As mudanças climáticas podem custar muito mais vidas nas próximas décadas do que a pandemia do novo coronavírus (covid-19). O alerta é do co-fundador da Microsoft, Bill Gates, que, através de uma reflexão no seu …

Descoberta a primeira disrupção gigante nas nuvens de Vénus

Uma equipa internacional de cientistas, que incluiu um investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), descobriu a "primeira disrupção gigante" nas nuvens de Vénus que tem fustigado as zonas profundas da atmosfera …

TVI aposta em estúdio a Norte. Nuno Santos quer Informação mais ao estilo da SIC Notícias do que da CMTV

O diretor-geral da TVI, Nuno Santos, afirmou, em entrevista ao jornal Público, que a estação de Queluz de Baixo vai apostar num estúdio no Norte, revelando ainda que pretende mudar a Informação do canal mais …

Fair-play financeiro. UEFA mantém restrições ao FC Porto

A UEFA informou, esta sexta-feira, que o FC Porto "cumpriu parcialmente as metas estabelecidas para a época 2019/20" a nível do fair-play financeiro e que vai manter as restrições impostas ao clube azul e branco. "O …