O Bug do Ano 2000 foi empurrado para 2020 (e está de volta)

Nos últimos anos do século passado, o famigerado “Bug do ano 2000” causou preocupações em todo o mundo. Muitos acreditavam num caos apocalíptico e no colapso da civilização, causado pela falha dos computadores, dos sistemas públicos, dos bancos e de qualquer dispositivo que tivesse algum chip a calcular datas com apenas 2 dígitos no ano.

O Y2K, ou “Bug do Ano 2000”, foi uma dor de cabeça para milhares de informáticos e responsáveis de IT no fim do século passado. O famigerado bug ameaçava atacar qualquer computador que usasse um formato de data com dois dígitos para o ano — por exemplo, “17/01/97”.

Este formato, que para minimizar o uso da memória dos computadores assumia um 19 antes do ano, era usado pelos primeiros programadores informáticos — que, algures pelos anos 50 e 60 do século passado, não sonhavam que os sistemas informáticos que estavam a criar poderiam vir a ter um tempo de vida mais longo que o esperado e sobreviver até ao ano 2000. Ou, no formato que usavam, até ao ano 00.

O problema é que, ao bater da meia noite de 31/12/99, os computadores passavam a assumir que a data corrente era 01/01/00 – ou seja, o primeiro dia de janeiro de 1900.

Este comportamento poderia causar os mais variados problemas, pequenos e grandes — desde bancos a calcular juros negativos, equipamentos hospitalares a desligar-se porque não era dia de estarem a funcionar, registos de pessoas vivas com idades negativas porque “só iam nascer” daí a 97 anos… Os problemas poderiam repercutir-se em grande escala.

O método usado para resolver o problema a longo prazo foi reescrever todos os componentes dos sistemas de programação, bancos de dados e código fonte, para que usassem datas com ano de quatro dígitos — o que demorou tempo e custou dinheiro. Milhares de programadores e empresas passaram anos a reescrever código e trocar sistemas por novas versões com um formato de 4 dígitos para o ano.

Porém, nem todos os responsáveis de IT escolheram resolver definitivamente o problema. Alguns, usaram uma solução rápida que simplesmente o adiou para 2020. E quando todos pensávamos que tínhamos sobrevivido ao Bug do Ano 2000, revela o New Scientist, uma série de incidentes veio colocar à vista um novo problema: o Y2020.

A solução rápida para o bug do Y2K escolhida por alguns programadores foi usar uma técnica de “windowing”, colocando subrotinas no código de modo a que, sempre que o ano fosse “menor que 20”, o sistema assumia um 20 antes. Ou seja, à última badalada de 31/12/(20)19, alguns sistema regressaram a… 01/01/1900.

A técnica que muitos programadores usaram em 2000 para solucionar o bug do Y2K, informalmente chamada de “ano central”, causa problemas semelhantes aos do ano 2000. No sistema de dados de dois dígitos, “20” torna-se o ano central.

Isso significa que os dados que contêm um ano de dois dígitos entre “00-20” serão tratados como pós-2000, enquanto os anos entre 20-99 serão interpretados como referentes ao século anterior. Os sistemas que usam o “ano central” acreditam agora que estamos de volta a 1920.

O problema já se fez sentir. Os parquímetros em Nova Iorque, por exemplo, recusaram pagamentos com cartão de crédito depois de um software desatualizado ter desativado a opção de pagamento no Ano Novo. O Departamento de Transportes, diz a ZDNet, ainda está a percorrer a cidade para atualizar manualmente os 14 mil parquímetros, um por um.

Há vinte anos, 2020 parecia suficientemente distante para que muitos programadores ainda escolhessem 20 como “o ano central”, assumindo que a maioria dos sistemas e códigos seria substituída entretanto.

Até agora, os sistemas afetados estão a ser reparados rapidamente e algumas empresas enviaram correções antes do Ano Novo. Porém, há cada vez menos especialistas capazes de intervir nestes sistemas, e cada vez mais os paradigmas de programação se afastam da forma como estas linguagens antigas eram implementadas.

Assim, para os que apenas empurraram o assunto durante um par de décadas, os problemas acabaram de recomeçar. Quanto aos outros todos, nenhum deverá estar por cá no dia 31 de dezembro de 9999.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Joacine Katar Moreira defende mais direitos para deputados não inscritos em partidos

A deputada única do Livre, Joacine Katar Moreira, defendeu nesta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos, durante uma reunião do grupo de trabalho para racionalizar os votos objecto de …

Nova universidade internacional de Soros pretende combater populismo e alterações climáticas

O filantropo multimilionário George Soros vai investir mil milhões de dólares (cerca de 904 milhões de euros) numa universidade internacional que terá como foco a oposição a governos autoritários e às alterações climáticas. Segundo avançou o …

"O índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual a nós", diz Bolsonaro

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse, durante um vídeo em direto em que comentava a criação do Conselho da Amazónia, que "o índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual …

Jorge Brito Pereira deixa de ser advogado de Isabel dos Santos

O advogado anunciou, esta sexta-feira, que saiu da sociedade de advogados Uría Menéndez Proença de Carvalho, suspendeu a atividade profissional e, como consequência, vai cessar "o patrocínio jurídico" à empresária angolana. "Face às informações publicadas nos …

621 milhões de euros. Ministra reconhece que redução do défice no SNS ficou aquém

A ministra da Saúde reconheceu, esta sexta-feira, que a redução do défice do SNS em 2019 para 621 milhões ficou aquém do que estava previsto, sublinhando o aumento dos custos com pessoal. A ministra da Saúde, …

Governo prevê descontos nas portagens no interior

A ministra da Coesão Territorial disse esta sexta-feira que o novo modelo de desconto das portagens para o interior do país prevê descontos para quem vive, para quem trabalha e para quem visita no …

Excesso de higiene está a tornar a nossa saúde mais frágil, aponta estudo

Um grupo de investigação do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) divulgou recentemente um estudo sobre a perda de diversidade da flora intestinal - também denominada como microbiota - e as consequências desta diminuição na nossa …

Tiroteio na Alemanha faz pelo menos seis mortos e vários feridos

Pelo menos seis pessoas morreram e várias ficaram feridas num tiroteio, esta sexta-feira, na cidade alemã de Rot am See. Um tiroteio, cujo presumível autor foi detido, fez hoje seis mortos e dois feridos graves em …

IKEA aumenta salário de entrada dos trabalhadores para 700 euros

A IKEA aumentou o salário de entrada para trabalhadores a tempo inteiro de 650 euros para 700 euros brutos mensais, acima do salário mínimo nacional (635 euros), anunciou hoje a cadeia de venda de mobiliário. Em …

Mortes nos Comandos. Recruta diz que colocaram um cateter em Hugo Abreu já depois de estar morto

Rodrigo Silvano, o último recruta no curso 127 de Comandos a sair da tenda de enfermaria onde morreu Hugo Abreu no primeiro dia da Prova Zero, relatou ao tribunal que viu o enfermeiro do INEM …