Bruxelas propõe saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo

Olivier Hoslet / EPA

O ministro das Finanças, Mário Centeno

O ministro das Finanças, Mário Centeno

A Comissão Europeia decidiu, esta segunda-feira, recomendar ao Conselho de Ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin) o encerramento do Procedimento por Défice Excessivo (PDE) aplicado a Portugal desde 2009.

A decisão, há muito aguardada pelas autoridades portuguesas, foi adotada hoje em Bruxelas por ocasião do “pacote da primavera do semestre europeu”, no quadro do qual o executivo comunitário decidiu recomendar a saída de Portugal e da Croácia dos Procedimentos por Défice Excessivo, o que deverá ser aprovado de seguida pelo Conselho (Estados-membros), após o que Portugal passará do braço corretivo para o braço preventivo do Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC).

Bruxelas aponta que Portugal reduziu o défice para 2,0% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016, abaixo da meta dos 3% inscrita no Pacto de Estabilidade e Crescimento, e lembra que as suas próprias previsões económicas antecipam que o país continuará com um défice abaixo daquele valor de referência em 2017 e 2018, pelo que ficaram reunidas as condições para o encerramento do procedimento, que era aplicado a Portugal há oito anos.

No entanto, Portugal terá assim de “prosseguir o seu esforço orçamental em linha com as exigências do braço preventivo do PEC, o que implica um esforço orçamental substancial em 2018″, escreve o executivo comunitário. Neste sentido, Bruxelas “é da opinião de que serão necessárias mais medidas a partir de 2017 para cumprir os requisitos do PEC”.

No texto que deverá ser adotado pelo Ecofin, a Comissão escreve que “num cenário de políticas inalteradas, há risco de haver um desvio significativo” do Objetivo de Médio Prazo (OMP) “em 2018”. O OMP de Portugal é atingir um saldo estrutural de 0,25% do PIB, estando o país obrigado a apresentar uma consolidação de 0,6 pontos percentuais do PIB até alcançar aquela meta.

Quanto à dívida, Bruxelas entende que, “até prova em contrário, não se prevê que Portugal vá cumprir a regra transitória da dívida em 2017 e 2018”, anos em que o país deve reduzir o montante da dívida pública que excede os 60% do PIB a um ritmo satisfatório, ficando depois sujeito à regra geral de redução do endividamento público (de um vigésimo por ano do montante que ultrapassar aquele limite).

No documento, a Comissão recomenda que a política orçamental de Portugal “reforce a recuperação em curso” e ao mesmo tempo que “garanta a sustentabilidade das finanças públicas”, destacando que é preciso “avançar na finalização da revisão da despesa em todos os níveis da administração pública”, mas também reforçar o controlo da despesa, a alocação eficiente de recursos e a orçamentação correta, “em particular no setor da saúde sendo o foco a redução dos pagamentos em atraso nos hospitais e a sustentabilidade do sistema de pensões”.

Ainda em matéria orçamental, há uma recomendação dirigida às empresas públicas: “definir metas de eficiência específicas do setor a tempo do orçamento de 2018” para “melhorar o lucro líquido geral das empresas estatais e diminuir a carga sobre o orçamento do Estado”.

Reações

O ministro das Finanças, Mário Centeno, disse que este “é um bom dia para Portugal” e considerou que esta decisão “demonstra que as contas públicas em Portugal vão num sentido de uma consolidação que é sustentável e que é duradoura”. O país, adiantou, tem crescimento económico acima da média da zona euro, estando “a convergir, em termos económicos para a área do euro”.

“É uma boa notícia que todos aguardávamos porque sabíamos que era uma notícia justa”, afirmou o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, numa conferência sobre o crescimento da economia portuguesa, a decorrer em Lisboa.

Na sequência da recomendação desta manhã da Comissão Europeia, o governante comentou que “Portugal fez o seu trabalho, fez o seu caminho” e que a saída do PDE coloca “todo o país de parabéns”.

“Portugal conseguiu por mérito próprio [a saída do PDE]. É um sinal de confiança e reforça a convicção de que o rigor seguido pelo sistema financeiro, o rigor na gestão do Governo, o rigor na análise económica, vai ter que continuar”, disse na intervenção na conferência organizada pelo Millennium BCP.

O governante referiu ainda que a notícia conhecida hoje “anuncia bons augúrios para o reconhecimento internacional, e para a confiança para um país, que se diz estar na moda”. “Mas estar na moda dá muito trabalho e foi feito com o esforço de todos nós”, concluiu.

O Presidente da República também já saudou a decisão de Bruxelas e felicitou os portugueses pelos “seus sacrifícios de muitos anos” e apelou a “mais confiança, mais crescimento e mais emprego”.

Hoje é o dia de felicitar os portugueses. Esta decisão só foi possível devido aos seus sacrifícios de muitos anos. Amanhã é o dia de todos começarmos a trabalhar para converter a decisão de hoje naquilo que importa: mais confiança, mais investimento, mais crescimento e mais emprego”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Rulotes vão ser proibidas de vender álcool em zonas do Porto, Lisboa e Albufeira

O Governo anunciou, esta sexta-feira, que está a articular com as câmaras de Lisboa e Albufeira a proibição de vendas alcoólicas por rulotes "nas zonas de diversão noturna identificadas como problemáticas pelas forças de segurança". A …

Condenada a mais oito. Ex-Presidente Park arrisca agora 32 anos de prisão

Esta sexta-feira, o Tribunal Distrital de Seul condenou a ex-Presidente sul-coreana Park Geun-hye a mais oito anos de prisão. Park Geun-hye, ex-Presidente da Coreia do Sul, já tinha sido condenada a 24 anos de prisão por …

Viagem de deputados contra supressão de comboios cancelada (porque o comboio foi suprimido)

Uma comitiva de deputados e autarcas que pretendia viajar de comboio entre as Caldas da Rainha e Lisboa, para exigir soluções para a Linha do Oeste, ficou apeada e foi obrigada a fazer o percurso …

12 feridos em ataque com arma branca em autocarro na Alemanha

12 pessoas ficaram feridas, duas delas em estado grave, no ataque perpetrado por um homem, armado com arma branca, no interior de um autocarro na cidade alemã de Lübeck, norte do país, segundo a televisão …

É um "emprego de sono". 1000 euros para dormir 8 horas por dia

Um salário de 1000 euros ao fim do mês para dormir oito horas por dia. Eis a oferta de emprego da marca portuguesa Desonno, especializada em colchões e almofadas, que é, acima de tudo, uma …

Marinha Portuguesa vai receber 7 novos navios (para cumprir acordo com a NATO)

O primeiro-ministro anunciou, esta sexta-feira, a construção, nos próximos seis a oito anos, de sete novos navios para a Marinha portuguesa, no âmbito da revisão da Lei de Programação Militar (LPM). António Costa falava nos estaleiros …

Por dia, são assassinadas pelo menos 3 crianças no México

Pelo menos três crianças são assassinadas todos os dias no México, país que fechou o ano passado com o número mais elevado de homicídios das últimas duas décadas, lamentaram esta quinta-feira as autoridades do país. “Temos …

Macron despede colaborador que agrediu manifestante

O Presidente francês viu-se obrigado a despedir o colaborador que tinha sido filmado a agredir um manifestaste no 1º de maio, alegando terem surgido "dados novos" sobre o caso. Segundo o Público, o colaborador de Emmanuel Macron que foi …

Há uma empresa neozelandesa em que se trabalha 4 dias por semana (e ganha-se o mesmo)

Os trabalhadores da Perpetual Guardian trabalham apenas quatro dias por semana e recebem o mesmo salário. A empresa neozelandesa decidiu fazer a experiência e os resultados não poderiam ser melhores. Mantendo o mesmo salário e sem …

Enorme sarcófago negro tinha 3 múmias (e nenhuma maldição)

O enorme sarcófago negro encontrado em Alexandria foi finalmente aberto e o mistério foi desvendado. Nem maldição nem restos mortais de Alexandre, o Grande. Na verdade, o túmulo tinha 3 múmias e água de esgoto. O …