Primeiro-ministro britânico quer compromissos sobre vacinas e apoio a países em desenvolvimento

Andy Rain / EPA

Mil milhões de vacinas anti-covid-19, um sistema de alerta mundial para novas pandemias e financiamento do ensino de raparigas em países em desenvolvimento são algumas das metas propostas pelo primeiro-ministro britânico para a cimeira do G7 que abre esta sexta-feira. 

Num texto publicado esta sexta-feia sobre os objetivos para a reunião de líderes internacionais, que vai decorrer até domingo em Carbis Bay, na Cornualha, sudoeste de Inglaterra, no âmbito da presidência rotativa do grupo a cargo do Reino Unido, Boris Johnson propõe uma “agenda para a recuperação mundial”.

“Quero que o G7 adote uma meta exigente, mas profundamente necessária: fornecer mil milhões de doses aos países em desenvolvimento para vacinar todas as pessoas do mundo até o final do ano que vem”, propõe.

Os Estados Unidos já avançaram com a promessa de 500 milhões de doses, 200 milhões das quais até ao final de 2021, e o Reino Unido com 100 milhões, das quais 20 milhões ainda este ano.

A Organização Mundial da Saúde estima serem necessárias 11 mil milhões de doses para vacinar 70% da população mundial e travar a pandemia covid-19.

Atualmente, só 12% da população mundial foi imunizada com uma dose, mas alguns países com maior acesso às vacinas estão mais avançados do que outros.

Ainda no âmbito do G7, Johnson quer dos líderes internacionais um impulso para aumentar a resiliência da saúde mundial, acelerando o desenvolvimento de vacinas, tratamentos e testes contra novos vírus de 300 a 100 dias.

“Precisamos de fortalecer a nossa capacidade coletiva de prevenir outra pandemia e dar um alerta imediato para ameaças futuras, incluindo a criação de uma rede de centros de vigilância – um Radar Pandémico Internacional”, adianta.

O chefe do Executivo britânico alude ao impacto que esta pandemia teve na educação nos países em desenvolvimento, sobretudo de raparigas, muitas das quais correm o risco de não regressar à escola.

“A nossa meta comum deve ser conseguir mais 40 milhões de raparigas na escola até 2025. Vou pedir ao G7 e aos nossos convidados que contribuam mais para a meta da Parceria Global para a Educação de recolher cinco mil milhões de dólares (4,1 mil milhões de euros) para escolas no mundo em desenvolvimento”, prometeu.

Por fim, quer unir os líderes dos países mais industrializados numa “revolução industrial verde”, promovendo a recuperação económica da crise pandémica e combater as alterações climáticas, e assim reduzir para metade as emissões de gases com efeito de estufa até 2030 para limitar o aumento das temperaturas globais a 1,5 graus centígrados.

A cimeira do G7 decorre entre esta sexta-feira e domingo, juntando presencialmente, pela primeira vez em dois anos, dirigentes dos países do G7 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido) e da União Europeia.

Sob a presidência do Reino Unido, para esta edição foram convidados o Secretário-geral da ONU, António Guterres, e os líderes da Austrália, África do Sul, Coreia do Sul e Índia, mas este último vai intervir por videoconferência.

A maioria dos participantes chega hoje à região, com a primeira sessão plenária, intitulada “Reconstruir Melhor da Covid-19”, prevista para começar às 14h30 horas.

À noite, os líderes mundiais vão encontrar-se com o Príncipe Carlos, herdeiro do trono e ambientalista ativo, seguindo-se uma receção com a Rainha Isabel II, Príncipe Carlos e a mulher, Camilla, e os Duques de Cambridge, William e Kate.

Os trabalhos serão retomados no sábado, com sessões dedicadas à economia, política externa e saúde, concluindo no domingo com discussões sobre o ambiente.

Várias reuniões bilaterais são esperadas à margem, nomeadamente entre a União Europeia e o Reino Undo para discutir as divergências relacionadas com a aplicação na Irlanda do Norte do acordo para o Brexit.

A publicação do comunicado final e conferências de imprensa de conclusão da Cimeira estão previstas para o início da tarde de domingo.

// Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Se querem mais raparigas nas escolas em países subdesenvolvidos, não é questão de dinheiro, é questão de cultura, aí sim, patriarcal. E que tal tomarem medidas para que mais nenhum vírus como este volte a sair de laboratórios? Andam a atirar com areia para os olhos do povo.

    • “E que tal tomarem medidas para que mais nenhum vírus como este volte a sair de laboratórios? Andam a atirar com areia para os olhos do povo.”
      Hahahaaa… os alucinados das teorias da conspiração não desiludem…

RESPONDER

Contas públicas agravam-se face a 2020. Receita fiscal volta a crescer

Ministério de João Leão atribui incumprimento à terceira vaga da economia, que significou novas restrições à circulação e nos horários dos estabelecimentos. A receita fiscal e contributiva cresceu, um sinal animador para uma recuperação económica …

Ugarte está a caminho de Alvalade, mas Amorim quer mais três reforços

O Sporting já terá garantido a contratação de Manuel Ugarte, mas Rúben Amorim ainda quer trazer mais um avançado, um extremo e um defesa-central. Depois de várias rondas de negociações, o Sporting finalmente chegou a acordo …

Marcelo começou a receber partidos. "Recuperação socioeconómica" é preocupação comum

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, começou a receber os partidos políticos com assento parlamentar esta segunda-feira. À saída do encontro com Marcelo Rebelo de Sousa, João Cotrim de Figueiredo disse que levou até …

"Não consigo aceitar": português chora depois de perder nos Jogos Olímpicos

Anri Egutidze ficou claramente desiludido por ter perdido logo no seu primeiro combate no torneio masculino de judo: "Vim para ganhar, mesmo". Anri Egutidze chegou aos Jogos Olímpicos para lutar por uma medalha no judo, categoria …

Jogos Olímpicos: Lucas joga com máscara no rosto

Lucas Saatkamp, uma das figuras da seleção brasileira masculina de voleibol, utiliza máscara de proteção contra a COVID-19 durante os jogos em Tóquio. Quem assistiu ao grande jogo desta segunda-feira, o Brasil-Argentina, no torneio masculino de …

PS responde à letra: "O BE pode continuar a fazer a vista grossa aos avanços" no SNS

O PS rejeitou esta segunda-feira as críticas do BE sobre a fixação de profissionais no Serviço Nacional de Saúde, argumentando que o executivo tem sido "consistente" na valorização destes trabalhadores e apelando ao diálogo para …

Jogos Olímpicos: a "estrela" da casa já foi eliminada

Naomi Osaka não foi além dos oitavos-de-final do torneio feminino de ténis. Markéta Vondroušová foi a protagonista da surpresa. Era a líder do ténis mundial há pouco tempo, é a número 2 da tabela WTA e …

Wayne Rooney: lesionar o seu jogador e rodeado de mulheres

Jason Knight só deverá voltar a jogar no final de outubro, por causa de uma disputa de bola com o seu treinador. O ano 2021, pelo menos para já, não vai ficar na lista dos melhores …

Teoria dos dentes do "quebra-nozes" de Paranthropus desmentida

Um novo estudo vem deitar por terra a teoria do "homem quebra-nozes", que sugeria que o Paranthropus tinha enormes dentes posteriores para mastigar sementes e nozes. O Paranthropus ("Paralelo ao Homem") é um género extinto de …

Novo Banco podia ter ganho 150 milhões a executar empresas de Vieira

O Novo Banco podia ter encaixado 150 milhões de euros ao executar as garantias das empresas de Luís Filipe Vieira, mas teria perdas e riscos significativos. A auditoria pedida pelo Fundo de Resolução chegou esta segunda-feira …