/

Boris Johnson anuncia três níveis de alerta e aperta restrições em Inglaterra

Jessica Taylor / (h) UK Parliament

O primeiro-ministro britânico anunciou, esta segunda-feira, no Parlamento, um novo sistema de três níveis de alerta para Inglaterra de acordo com o valor das infeções.

O agravamento da situação epidémica no Reino Unido, sobretudo no norte de Inglaterra, levou o primeiro-ministro, Boris Johnson, a anunciar, hoje, o encerramento de pubs, bares, ginásios e outros espaços de lazer na zona de Liverpool.

A cidade será a primeira a ser colocada no grau mais grave de um novo sistema de três níveis de restrições para Inglaterra de acordo com o valor das infeções, que deverá entrar em vigor na quinta-feira.

Segundo o jornal online Observador, o grupo com “nível de alerta muito alto”, onde se inclui Liverpool, haverá proibição de ajuntamentos em espaços fechados ou jardins fechados para pessoas que não pertençam ao mesmo agregado familiar e encerramento dos bares.

Nas zonas que se encontrem no “nível alto”, para evitar a transmissão do vírus entre agregados familiares ou entre grupos que convivem exclusivamente entre si, como as turmas de alunos, fica proibido os encontros de agregados familiares dentro de espaços fechados, mas mantém-se a “regra de 6” para os espaços exteriores.

De acordo com o jornal digital, a “regra de 6” consiste no número máximo de pessoas que podem estar juntas se não pertencerem ao mesmo agregado familiar.

Por último, no chamado “nível médio”, aplicam-se restrições como a regra referida acima ou o encerramento dos restaurantes, bares e outros estabelecimentos do setor às 22h00.

“Eu sei que isto é difícil”, admitiu no Parlamento o primeiro-ministro britânico, que pediu a colaboração dos autarcas locais para aplicarem estas medidas “difíceis, mas necessárias” em troca de apoio para meios de fiscalização e reforço dos sistemas locais de teste e rastreamento.

“Trabalhem connosco nestas medidas difíceis, mas necessárias, nestas áreas classificadas de alto risco e em troca daremos mais apoio à realização de testes e seguimento dos casos, mais financiamento para implementação das medidas e o sistema de apoio ao emprego”, disse o chefe do Executivo.

O primeiro-ministro britânico rejeitou um novo confinamento total e colocou de lado a hipótese encerrar novamente escolas, universidades e o retalho.

Entretanto, três hospitais de campanha, em Manchester, Sunderland e Harrogate, no norte de Inglaterra, foram postos, hoje, em modo de espera para poderem abrir e receber pacientes com covid-19 nas próximas semanas.

As três unidades fazem parte de uma rede de hospitais denominados ‘Nightingale’, instalados em edifícios como centros de exposições e conferências por todo o Reino Unido no início da primeira vaga da pandemia, na primavera, para serem usados no caso de o serviço nacional de saúde britânico [NHS] ficar sobrecarregado.

O Reino Unido registou 13.972 novas infeções e 50 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, informou o ministério da Saúde britânico.

O total acumulado desde o início da pandemia no Reino Unido é agora de 617.688 casos de infeção confirmados e de 42.875 óbitos registados num período de 28 dias após as vítimas terem recebido um teste positivo.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.