Bolsonaro nega ter chamado covid-19 de “gripezinha”, mas fê-lo pelo menos duas vezes

Joedson Alves / EPA

O Presidente brasileiro negou na quinta-feira ter-se referido à covid-19 como “gripezinha”, afirmando que não há nenhum registo que prove o oposto, apesar de a imprensa ter partilhado pelo menos dois vídeos com esse conteúdo.

“Falei lá atrás que, no meu caso, pelo meu passado de atleta — eu não generalizei — se pegasse a covid-19, não sentiria quase nada. Foi o que eu falei. Então, o pessoal da media falou que eu chamei de ‘gripezinha’ a questão da covid. Não existe um vídeo ou um áudio meu falando dessa forma. E eu falei pelo meu estado atlético, porque eu sempre cuidei do meu corpo. Sempre gostei de praticar desporto”, disse Jair Bolsonaro, na sua transmissão semanal na rede social Facebook.

Contudo, em pelo menos duas ocasiões, o chefe de Estado brasileiro, um dos mais céticos em todo o mundo em relação à gravidade da pandemia, referiu-se publicamente à doença causada pelo novo coronavírus como uma “gripezinha”.

A primeira vez ocorreu em 20 de março deste ano quando, ao conceder uma entrevista no Palácio do Planalto, em Brasília, Bolsonaro afirmou que, depois da facada que sofreu em 2018, durante a sua campanha eleitoral, não seria uma “gripezinha” que o iria derrubar, após comentar a realização de dois testes para deteção da covid-19.

“Depois da facada, não vai ser uma gripezinha que me vai derrubar não, está ok? Se o médico ou o ministro da Saúde me recomendar um novo exame, eu farei. Caso contrário, me comportarei como qualquer um de vocês aqui presentes”, declarou Bolsonaro, depois de ter se submetido a dois testes à covid-19, que resultaram negativo.

Quatro dias mais tarde, num pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão, Bolsonaro pediu o regresso “à normalidade no país” e o fim do “confinamento em massa”, quando a pandemia ainda estava nos seus meses iniciais, acusando ainda a imprensa de espalhar o “pavor” na população.

O chefe de Estado declarou, naquele seu pronunciamento à nação, que se contraísse o novo coronavírus, seria “acometido de uma “gripezinha ou resfriadinho”.

“No meu caso particular, pelo meu histórico de atleta, caso fosse contaminado com o vírus, não precisaria de me preocupar. Nada sentiria ou seria, quando muito, acometido de uma gripezinha ou resfriadinho. (…) Enquanto estou falando, o mundo procura um tratamento para a doença”, afirmou o Presidente do Brasil, na noite de 24 de março.

Em ambas as ocasiões, as declarações de Bolsonaro foram registadas em vídeo pela imprensa local. Após Bolsonaro negar, na quinta-feira, que tenha feito tais referências, vários internautas foram às redes sociais partilhar os vídeos em que o Presidente classificou a covid-19 de “gripezinha”.

Durante a transmissão ao vivo nesta quinta-feira, acompanhado do ministro da Educação, Milton Ribeiro, e do secretário de Alfabetização do Ministério da Educação, Carlos Nadalim, Bolsonaro advogou ainda que um “estudo sério” será divulgado sobre a efetividade do uso de máscaras durante a pandemia, frisando que falta “o último tabu a cair”.

“A questão da máscara, não vou falar muito porque ainda vai ter um estudo sério falando da efetividade da máscara — se protege 100%, 80%, 90%, 10%, 4% ou 1%. Vai chegar esse estudo. Acho que falta apenas o último tabu a cair“, declarou o mandatário.

Brasil já estará na segunda vaga

O Brasil experimenta uma segunda onda de infeções por covid-19, defende Domingos Alves, especialista em modelagem computacional e porta-voz de um grupo de cientistas da Universidades de São Paulo (USP) que analisa informações sobre a pandemia.

“Os dados estão indicando que estamos dentro de uma segunda onda (…) Estamos numa segunda onda e se não houver medidas [das autoridades] esta onda irá crescer” disse Alves em entrevista à Lusa.

O especialista explicou que o Brasil regista uma tendência sustentada de alta no número das infeções e lembrou que a taxa de reprodução (Rt) da covid-19, usada para calcular quantas pessoas são contaminadas por alguém infetado, tem subido desde outubro.

“Em 6 de outubro quatro estados do Brasil tinham uma taxa de infeção (Rt) maior do que 1. No dia 27 de outubro passaram a ser 15 estados e no dia 16 de novembro eram 21 estados. Destes 21 estados, 16 deles tinham esta taxa de infeção acima de 1 há mais de 14 dias”, frisou. Quando o índice está acima de 1, a previsão é de aumento de casos já que cada infetado contamina pelo menos mais uma pessoa.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo maior número de mortos (mais de 6,2 milhões de casos e 171.460 óbitos), depois dos Estados Unidos.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Há uma nova explicação para o facto de bebés amamentados terem sistemas imunitários mais saudáveis

Um novo estudo realizado por investigadores da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, descobriu que o leite materno promove o crescimento de importantes células imunitárias que ajudam a controlar eventuais inflamações. De acordo com o site …

PS diz que Marcelo deve vitória aos socialistas (e cobra-lhe apoio em tempos difíceis)

"A democracia venceu na primeira volta e o extremismo de direita foi derrotado". É desta forma que o presidente do PS, Carlos César, comenta os resultados das eleições presidenciais ganhas por Marcelo Rebelo de Sousa, …

"Liberdade para a Dinamarca". Novos incidentes em manifestação contra restrições

Uma manifestação contra as restrições impostas para conter a pandemia, organizada por um grupo radical, em Copenhaga, originou novos incidentes na noite de sábado e resultou em cinco detenções, relataram a polícia e os meios …

Pela primeira vez, um restaurante vegan ganha uma estrela Michelin em França

Um restaurante de comida totalmente vegan em França foi o primeiro do país a receber a desejada estrela Michelin. Localiza-se perto de Bordéus. A concessão da estrela ao ONA (Origine Non-Animale) é mais uma evidência de …

Onze mineiros resgatados com vida de uma mina de ouro na China

Onze mineiros presos há duas semanas dentro de uma mina de ouro na China, devido a uma explosão, foram hoje trazidos em segurança para a superfície, informou a televisão estatal chinesa. No dia 10 de janeiro, …

Multimilionário oferece 1 milhão em prémios por evidências de vida após a morte

Um empresário de Las Vegas, nos Estados Unidos, está a oferecer um milhão de dólares em prémios em troca de evidências de que existe vida após a morte. O investidor imobiliário e empresário espacial Robert Bigelow, …

Marcelo reeleito com 55% a 62% dos votos. Ana Gomes em segundo lugar

Marcelo Rebelo de Sousa foi reeleito para um segundo mandato como Presidente da República, após vencer as eleições deste domingo com 55% a 62% dos votos.  Segundo as primeiras projeções, Ana Gomes deverá ficar em …

Itália vai processar Pfizer e AstraZeneca devido a atrasos nas vacinas. UE pede "transparência"

A Itália vai processar a Pfizer Inc e a AstraZeneca devido aos atrasos na entrega das vacinas contra a covid-19 e para garantir os fornecimentos – não para obter compensações, disse neste domingo o ministro …

Declínio cognitivo relacionado com a idade pode ser reversível

Cientistas conseguiram reverter em ratos o declínio cognitivo causado pelo envelhecimento. O objetivo dos investigadores é que as farmacêuticas baseiem-se neste estudo para criar um composto que possa ser administrado em humanos. As células específicas do …

Afluência às urnas é menor (mas há mais votantes). Abstenção deverá ficar entre os 56 e 60%

A afluência às urnas às 16:00 nas presidenciais de hoje em Portugal, 35,4%, é a segunda mais baixa desde as eleições de 2006, ano em que este número passou a ser divulgado pela administração eleitoral. Esta …