Em pleno pico da pandemia e pela quarta vez, Bolsonaro muda ministro da Saúde

O Presidente brasileiro fez, esta segunda-feira, no momento mais crítico da pandemia, uma nova mudança de ministro da Saúde, anunciando para o cargo o cardiologista Marcelo Queiroga, em substituição do general Eduardo Pazuello.

O anúncio foi feito, esta segunda-feira, poucas horas depois de Marcelo Queiroga se ter reunido com o chefe de Estado, em Brasília.

“Foi decidido agora à tarde a indicação do médico, doutor Marcelo Queiroga, para o Ministério da Saúde. É presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia. A conversa foi excelente, já o conhecia há alguns anos, então não é uma pessoa da qual tomei conhecimento há poucos dias”, disse Jair Bolsonaro, em declarações a apoiantes e à imprensa local.

“Tem tudo, no meu entender, para fazer um bom trabalho, dando prosseguimento em tudo o que Eduardo Pazuello fez até hoje”, acrescentou o Presidente brasileiro, junto ao Palácio da Alvorada, a sua residência oficial.

Ainda segundo o chefe de Estado, a nomeação de Queiroga será publicada na edição desta terça-feira do Diário Oficial da União.

O cardiologista será, assim, o quarto ministro da Saúde desde a chegada da covid-19 ao Brasil, há pouco mais de um ano, e assumirá funções naquele que é o momento mais crítico da pandemia no país sul-americano.

O Brasil, que totaliza 11.519.609 casos e 279.286 mortes devido à covid-19, tem vários hospitais em colapso e novas estirpes do vírus em circulação, o que levou governadores e prefeitos a decretar medidas restritivas de isolamento social, ao contrário do que defende Bolsonaro.

Também esta segunda-feira, a cardiologista Ludhmila Hajjar disse que foi convidada pelo Presidente para assumir o Ministério da Saúde, mas que rejeitou o cargo por falta de “convergência técnica”.

Em entrevista à GloboNews, a médica admitiu que se reuniu com Bolsonaro e outros membros do Governo no último domingo, e que lhe foi proposto substituir Pazuello.

Contudo, a cardiologista frisou que o seu perfil não se enquadrava no que o Governo procurava. “A minha qualificação, os meus planos e os meus objetivos seguem uma linha, que eu acho que é distinta do Governo atual. Então, só me cabe respeitar e agradecer a oportunidade”, disse Hajjar, que defende medidas de isolamento social para travar a disseminação do vírus, ao contrário de Bolsonaro, que apelou publicamente para que a população brasileira saia à rua em prol da economia.

Apesar das divergências, a cardiologista admitiu que esperava que o Presidente estivesse disposto a mudar as suas posições em relação ao combate à pandemia ao convidá-la para a reunião.

“Talvez tenha sido ingenuidade minha, esperança como cidadã brasileira, até porque imaginei: se o Presidente me chamou para conversar, está interessado em mudar, até porque sou uma pessoa conhecida. Eu realmente acreditei na mudança de paradigma.”

O Presidente “manifestou que está muito preocupado com as mortes e é por isso que está a pensar em fazer algumas modificações na área da Saúde, mas exatamente o quê e quais são essas mudanças que não consegui retirar da reunião”, salientou, acrescentando que as prioridades do Governo são a economia e os impactos sociais da covid-19.

Depois de o seu nome ter começado a circular na imprensa como uma potencial substituta de Pazuello, a médica revelou que tem sido alvo de ataques e até de ameaças de morte.

Segundo Hajjar, o seu contacto telefónico foi publicado nas redes sociais e ocorreram três tentativas de invasão ao hotel onde está hospedada em Brasília, o que a deixou “assustada”, mas que o Presidente relativizou, tendo afirmado que “faz parte”.

A cardiologista lançou ainda críticas à condução do Governo Federal no combate à pandemia, advogando que o Executivo errou ao subestimar a doença e que será necessário uma “virada de entendimento”. Disse também que faltou um “discurso único” e que o país está agora a pagar o preço pelo atraso na compra das vacinas.

General do Exército, Eduardo Pazuello tomou posse, em setembro, como ministro da Saúde, após quatro meses a liderar interinamente a tutela. Pazuello tornou-se o terceiro ministro da Saúde de Bolsonaro, após os médicos Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich saírem do cargo devido a divergências com o chefe de Estado.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

“Incompetência e arrogância”. Cabrita está (novamente) debaixo de fogo. Partidos pedem a sua demissão

Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, está mais uma vez no centro da polémica. Depois de ter avançado com uma requisição civil para que mais de 20 imigrantes fossem transportados para o Zmar, durante a …

Fernando José é o candidato do PS a Setúbal. Ana Catarina Mendes concorre à Assembleia Municipal

O deputado e vereador socialista Fernando José é o cabeça de lista do PS às próximas eleições autárquicas para a Câmara de Setúbal e Ana Catarina Mendes à Assembleia Municipal, revelou fonte oficial do Partido …

Portugal na zona de queda dos restos do foguetão chinês

O foguete de Longa Marcha chinês que foi lançado a 29 de abril, e agora está a preocupar o mundo. As previsões é que a reentrada na atmosfera se dê até ao próximo dia 9 …

CIP propõe "almofada" pública de 8.000 milhões para resolver moratórias

A Confederação Empresarial de Portugal (CIP) propôs ao Governo criar uma "almofada" de garantias públicas no valor de oito mil milhões de euros para dar poder às empresas e levar a banca a renegociar os …

Reino Unido. Variante indiana é “preocupante“ e já infetou idosos vacinados

No Reino Unido, já foram encontradas 48 cadeias de transmissão da variante indiana e sabe-se que há transmissão comunitária. A Public Health England classifica esta variante como “preocupante”. A direção geral de saúde de Inglaterra (PHE …

Petição para cancelar Jogos Olímpicos conta já com 200 mil assinaturas

Uma petição 'online' a pedir o cancelamento dos Jogos Olímpicos Tóquio2020 devido à pandemia da covid-19 ultrapassou esta sexta-feira as 200 mil assinaturas, avançou a agência Lusa. A campanha, lançada na quarta-feira pelo advogado e ativista …

“Não queremos estragar a nossa joia da coroa“. Governo pode limitar acesso da Peneda-Gerês

O Secretário de Estado da Conservação da Natureza concorda com os autarcas, sobre o impacto positivo do turismo para as populações, mas nota que o sucesso do PNPG não pode pôr em causa os valores …

Fome e seca levam milhares de angolanos a fugirem para a Namíbia

A fome provocada pela seca extrema na província de Cunene, no sul de Angola, está a levar milhares de pessoas a fugir para a Namíbia. "A estiagem provocou a rutura de 'stocks' alimentares das comunidades e …

Governo britânico confirma Portugal na “lista verde” de viagens. Preço das viagens disparou

Portugal vai estar na “lista verde” de países considerados seguros para viajar e isentos de quarentena na chegada a Inglaterra a partir de 17 de maio, anunciou hoje o ministro dos Transportes britânico, Grant Shapps. Portugal …

Nova Zelândia vai proteger fiorde emblemático de turismo de massas

O Governo da Nova Zelândia anunciou que vai proteger do turismo de massas a paisagem natural do icónico fiorde Milford Sound-Piopiotahi, património mundial na ilha do Sul. O turismo em Milford Sound-Piopiotahi, considerado um dos principais …