/

Boas notícias para o Norte. Todos os distritos da região diminuíram novos casos de covid-19

António Pedro Santos / Lusa

Todos os distritos abrangidos pela ARS-Norte diminuíram os novos casos de infeção entre as semanas de 19 a 25 de novembro e de 26 de novembro a 2 de dezembro.

Segundo, o relatório da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-N), que semanalmente reporta a evolução epidemiológica nos concelhos da região, o distrito de Braga foi o que registou maior diminuição de casos no período (45%), seguido de Viana do Castelo (42%), Braga (38%), Aveiro (31%), Porto (30%), Viseu (23%) e Vila Real (9%).

O distrito de Braga passou de 536 novos casos, entre 19 e 25 de novembro, para 297 casos, entre 26 de novembro e 2 de dezembro, enquanto em Viana de Castelo o registo de novos casos diminuiu de 828 para 484, em Braga recuou de 7623 para 4725, em Aveiro de 2144 para 1473, no Porto de 10739 para 7553, em Viseu de 312 para 241 e em Vila Real de 1133 para 1026.

Numa análise por concelhos, apenas se verificou um crescimento no número de casos em S. João da Madeira (distrito de Aveiro, com mais 12%), Esposende (distrito de Braga, com mais 31%), Peso da Régua e Santa Marta de Penaguião (distrito de Vila Real, com mais 12% e 78%, respetivamente), e Lamego e Resende (distrito de Viseu, com uma subida de 20% e 22%, respetivamente).

De acordo com o relatório, Chaves foi o concelho a Norte que na última semana em análise apresentou a maior incidência de novos casos por 100 mil habitantes (1118,4 casos), seguido de Mondim de Basto (979 casos), da Trofa (877,2 casos) e de Esposende (772,4 casos).

Considerando a incidência de novos casos nas últimas duas semanas (14 dias) por 100 mil habitantes, indicador para o qual o valor de 240 serve como referência para a aplicação de medidas restritivas aos concelhos, destacam-se também, com os valores mais elevados, os concelhos de Chaves, Mondim de Basto e Trofa (com, respetivamente, 2216,4 casos, 2029,9 casos e 1900,2 casos).

Neste indicador, a média da região Norte fixa-se agora nos 1.096,3 casos.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.