/

Na Birmânia, os militares estão a impedir os doentes com covid-19 de receber oxigénio

Kaung Zaw Hein / EPA

Após golpe de fevereiro, instâncias militares tomaram conta das unidades hospitalares e das vacinas que tinham como destino a população mais debilitada. Iniciativa Covax suspendeu envio de vacinas devido à ausência de informações sobre a campanha de inoculação.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A mãos com uma crise política sem precedentes — está a ser governada por uma Junta militar depois do golpe de fevereiro — a Birmânia lida também com o agravamento da pandemia face a uma gestão que pode ser classificada, no mínimo, como controversa.

Recentemente, a junta militar decidiu que as clínicas privadas e as organizações não governamentais do país estão proibidas de fornecer oxigénio aos doentes com covid-19 que dele precisam.

Segundo o The New York Times, os militares chegam mesmo a disparar sobre as pessoas que procuram encher os tanques de oxigénio para familiares doentes.

A justificação para tal decisão não é oficial, mas os órgãos de comunicação social apontam que terá como objetivo garantir que há oxigénio nos hospitais militares, ou nos mais de 50 hospitais sob ocupação militar desde o início do golpe, e abandonados pelos médicos em greve por se negarem a trabalhar sob ordens da Junta.

Neste contexto, aponta o Público, a população deixou de recorrer aos hospitais, pelo que os tratamentos de inúmeras doenças, como o cancro, foram interrompidos. Segundo a Organização Mundial de Saúde, a situação na Birmânia é “uma emergência de saúde”.

A contribuir para o agravamento da situação estão os poucos testes ou rastreios realizados. Mesmo assim, os números apontam que entre um quarto e um terço dos testes feitos têm resultado positivo, o que, de acordo com o Washington Post, aponta para uma “epidemia vasta”.

A vacinação está também atrasada, já que, após o golpe de fevereiro, os militares apoderaram-se de grande parte das vacinas contra a covid-19 que o governo adquiriu à Índia, cerca de 3,5 milhões de doses.

Como resultado da falta de informações e dados sobre o avanço do processo de inoculação, a iniciativa Covax suspendeu o envio de 5,5 milhões de doses que deveriam ter sido encaminhadas em março.

  ARM, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.