/

Biden adia publicação de arquivos sobre assassinato de John F. Kennedy

Walt Cisco, Dallas Morning News

O presidente dos EUA, Jphn F. Kennedy, foi assassinado em Dallas, no Texas, a 22 de novembro de 1963.

A Casa Branca informou esta sexta-feira que irá adiar a publicação de documentos confidenciais relacionados com o assassinato do presidente dos Estados Unidos John F. Kennedy.

O atual presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou em comunicado que os arquivos restantes “não serão divulgados completamente ao público” até 15 de dezembro de 2022, quase 60 anos depois do assassinato de Kennedy em Dallas, no Texas, em 1963.

Em 2018, o antecessor do atual presidente, Donald Trump, publicou milhares de arquivos secretos sobre o crime, mas decidiu manter o sigilo sobre outros, por motivos de segurança nacional.

A Casa Branca afirmou ainda que a pandemia atrasou o ritmo de trabalho do serviço de arquivos para rever os documentos, conhecidos como “Ficheiros Kennedy“, o que significa que o governo precisa de mais tempo.

Biden explica também no comunicado que a demora é “necessária para proteger contra danos identificáveis a defesa militar, as operações de inteligência, a aplicação da lei ou a conduta das relações exteriores” e que isto “supera o interesse público na divulgação imediata”.

O assassinato do presidente aos 46 anos foi “uma profunda tragédia nacional que continua a ressoar na história dos Estados Unidos e na memória de tantos americanos que viveram aquele dia terrível”, destacou o comunicado.

Uma investigação de 10 meses coordenada pelo então presidente do Supremo Tribunal dos EUA, Earl Warren, concluiu que Lee Harvey Oswald, um ex-marine que havia morado na União Soviética, atuava sozinho quando disparou contra Kennedy.

Mas as investigações da comissão foram criticadas e consideradas incompletas. Uma comissão do Congresso concluiu mais tarde que Kennedy foi “provavelmente assassinado em resultado de uma conspiração”.

A lei americana exige que todos os arquivos governamentais sobre o assassinato sejam divulgados “para permitir que a população esteja completamente informada”.

  ZAP // AFP

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE