Bastonário alerta que já há hospitais a fazer medicina de catástrofe (e pede testes rápidos a quem está nas mesas de voto)

José Coelho / Lusa

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães

Esta quinta-feira, no Parlamento, Miguel Guimarães alertou para o facto de já haver hospitais a fazer medicina de catástrofe em Portugal, segundo testemunhos de profissionais de saúde.

Em resposta aos deputados, no Parlamento, o Bastonário da Ordem dos Médicos referiu que existem, em Portugal, hospitais a fazer medicina de catástrofe.

“Existem neste momento hospitais do país em que a medicina de catástrofe já está a ser feita”, afirmou Miguel Guimarães durante uma audição na comissão eventual para o acompanhamento da aplicação das medidas de resposta à pandemia da doença covid-19 e do processo de recuperação económica e social.

“Este é o testemunho dos médicos e dos outros profissionais de saúde sobre o que está a acontecer no terreno”, acrescentou, na audição conjunta por videoconferência com a bastonária do Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco.

O bastonário relatou aos deputados o que está a acontecer nos hospitais devido ao aumento exponencial de doentes. “São as ambulâncias à porta com doentes graves para entrarem que não têm sequer espaço para entrar, é a falta de profissionais de saúde para ver mais doentes ao mesmo tempo”, mas, afirmou, “é impossível o médico estar a ver três ou quatro doentes ao mesmo tempo”.

“Tem que se ter cuidado para não se cometer erros, tem que se tomar decisões sobre internamentos, se o doente fica internado ou não, se é transferido para outro hospital. Também tem de se tomar decisões sobre os cuidados intensivos, porque as camas de facto são escassas, e hoje há cerca de 700 doentes internado com covid-19″, disse.

Miguel Guimarães lembrou ainda que “há um conjunto enorme de doentes com doenças graves prioritárias sem ser covid-19 que também precisam também de cuidados intensivos”.

“Há decisões a tomar relativamente a tratamentos alternativos que se possam fazer”, como em vez de usar um ventilador invasivo, usar um ventilador não invasivo ou usar oxigénio de alto fluxo, sendo que “muitas vezes não é o tratamento ideal para os doentes, mas as pessoas que estão no terreno fazem tudo, tentam cumprir as regras todas”, frisou.

Questionado sobre os hospitais de campanha, Miguel Guimarães disse que podem servir para tratar doentes com doenças menos graves ou que não podem estar em casa, o que pode ser uma ajuda para aliviar a pressão sobre os internamentos hospitalares.

“Os hospitais já estão a deixar internados apenas os doentes mais graves, ou seja, doentes que eram internados em abril, neste momento não estão a ser internados e ficam a ser acompanhados no seu domicílio”, referiu.

Na audição, a bastonária da Ordem dos Enfermeiros alertou para o estado de exaustão dos profissionais, afirmando que “há enfermeiros a trabalhar há 30 dias seguidos sem uma única folga e que não conseguem ter tempo para comer”.

“Os enfermeiros não fazem milagres e não chegam para toda a gente, nem eles nem os assistentes operacionais, que são também muito importantes para nós porque são estas duas classes profissionais essencialmente, com respeito por todas as outras, que estão em grande esforço”, disse Ana Rita Cavaco.

A OE teve de tomar “uma decisão difícil”, de emitir “um documento que sirva de atenuante de responsabilidade civil disciplinar e criminal” para o que está a acontecer no âmbito do combate à pandemia, “porque cinco enfermeiros não chegam para 100 pessoas numa urgência e há que ter alguma coisa que os proteja”.

A bastonária disse ainda que a OE tem estado a fazer um levantamento dos enfermeiros disponíveis no mercado a pedido do próprio Governo, mas já comunicou que “não existem enfermeiros disponíveis no mercado para contratar”.

Testes rápidos a quem está nas mesas de voto

Miguel Guimarães defendeu ainda que os 140 mil cidadãos que vão estar nas mesas de voto nas eleições presidenciais, no domingo, deviam fazer testes rápidos à covid-19 para garantir uma proteção adicional.

“Em termos de eleições presidenciais vamos ter uma situação complexa porque se cada candidato a presidente tiver o seu representante, e tem direito a isso, no dia de eleições quer dizer que vamos ter quase 140 mil cidadãos nas mesas, para além das pessoas que vão votar um milhão, dois milhões”, disse Miguel Guimarães no Parlamento.

Por outro lado, adiantou, existe o problema de “grandes aglomerados de pessoas” que neste momento constituem de facto um foco de preocupação, disse.

“Mesmo que as pessoas estejam protegidas, ou aparentemente protegidas, porque infelizmente muita gente continua a não usar a máscara de forma adequada e isso é de facto um problema, portanto nós achamos, que seria interessante fazer testes rápidos aos 140 mil cidadãos que vão estar nas mesas para de alguma forma garantir que as pessoas não estejam infetadas e possa haver uma proteção adicional para quem vai trabalhar o dia inteiro”, defendeu.

Miguel Guimarães defendeu ainda ser fundamental aumentar a capacidade de testagem: “neste momento (…) temos uma positividade nos testes de 17,7%, ou seja, somos um país a nível mundial com mais positividade nos testes”. Esta situação significa que é preciso “testar mais para identificar mais rapidamente as pessoas infetadas, isolá-las” para quebrar as cadeias de transmissão.

Nesse sentido, reiterou, “é fundamental” utilizar em massa os testes rápidos e que podem ser usados também em situações específicas de risco como é o caso das escolas, dos lares e em muitas outras situações.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Ex-CEO da Groundforce admite hipótese de comprar a empresa

O ex-CEO da Groundforce, afastado do cargo em abril por "violação grave dos deveres de lealdade", não exclui a hipótese de vir a comprar a empresa de handling. Em declarações ao jornal online ECO, Paulo Neto …

Viatura onde seguia Eduardo Cabrita atropela uma pessoa na A6

Esta sexta-feira, um homem morreu após ter sido atropelado pelo automóvel em que seguia o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, num acidente na autoestrada A6. Numa nota enviada às redações, o Ministério da Administração Interna …

Portugal com mais 1.298 casos e quatro mortes

Esta sexta-feira, Portugal registou 1.298 novos casos e quatro mortes na sequência da infeção por covid-19. Segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), foram registados, nas últimas 24 horas, mais 1.298 casos e …

Parlamento aprova prorrogação das moratórias bancárias até final do ano

O alargamento aplica-se aos "particulares e para as empresas que desenvolvem a sua atividade em setores especialmente afetados pela pandemia de covid-19". O Parlamento aprovou, esta sexta-feira ,a prorrogação e alargamento das moratórias bancárias, que terminavam …

Tribunal belga obriga AstraZeneca a entregar 50 mihões de doses de vacina à UE

A AstraZeneca vai ter que entregar 50 milhões de doses da vacina para a covid-19 à União Europeia. A entrega deve ser efetuada até 27 de setembro. A justiça belga ordenou, esta sexta-feira, à farmacêutica …

"Dois terços dos problemas estão na Área Metropolitana de Lisboa", justifica Costa

O primeiro-ministro, António Costa, justificou esta sexta-feira a necessidade de tomar medidas localizadas em Lisboa para evitar que o agravamento da situação epidemiológica se alastre.  Em Bruges, na Bélgica, à margem da sessão de encerramento do …

CDS critica “enorme infelicidade” do Presidente e "comunicação desastrosa" do Governo

O CDS-PP criticou hoje as declarações do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, quando disse que no que depender dele não haverá "volta atrás" no desconfinamento, considerando-as de “uma enorme infelicidade”, lamentando também a …

Astronautas entraram pela primeira vez na nova estação espacial chinesa

Três astronautas chineses começaram, esta sexta-feira, a fazer da nova estação espacial da China o seu lar, um dia depois de ali terem chegado, num lançamento bem-sucedido, que marcou um novo avanço no ambicioso programa …

Homicida de Bruno Candé tinha plena consciência dos seus atos. MP quer 22 anos de prisão

Evaristo Marinho, o homicida de Bruno Candé, tinha plena consciência dos seus atos quando cometeu o crime, lê-se no relatório do Instituto Nacional de Medicina Legal. O Ministério Público quer 22 anos de prisão. O Ministério …

Pandemia deixa dezenas de bebés por registar, o que pode "potenciar o tráfico humano"

O encerramento do balcão "Nascer Cidadão", durante a fase mais crítica da pandemia, impediu o registo de bebés nascidos nessa altura. Citando fontes do Hospital de Faro, a rádio TSF avança que as campainhas de alarme …