/

Banco do Japão diz que são precisas mais medidas para evitar “segunda Grande Recessão”

O conselho de política monetária do BoJ decidiu aumentar a capacidade de comprar títulos estaduais e corporativos perante uma situação económica que descreveu como de “crescente severidade”.

O Banco do Japão considera necessário adotar mais medidas económicas e melhor coordenadas para evitar uma “segunda Grande Recessão” devido ao impacto da pandemia da Covid-19, segundo a ata do seu último encontro publicado esta segunda-feira.

Na reunião realizada em 27 de abril, o conselho de política monetária do Banco do Japão (BoJ) decidiu expandir o seu programa de estímulo monetário diante de uma situação económica que descreveu como de “crescente severidade”.

O BoJ anunciou no final da reunião que aumentaria a capacidade de comprar títulos estaduais e corporativos, entre outras medidas, e a possibilidade de tomar ações adicionais para revitalizar a terceira maior economia do mundo.

A ata publicada esta segunda-feira reflete a enorme incerteza do banco central japonês em relação à evolução da economia nacional e global e indica que, em ambos os casos, “a situação aparentemente continuará séria por algum tempo”.

Embora o BoJ espere que as medidas de estímulo adotadas no Japão e em escala global “comecem a dissipar o impacto da Covid-19”, também alerta para perspetivas de “extrema incerteza”. Nesse contexto, o conselho de política monetária do BoJ pede maior cooperação entre os bancos centrais e os governos das principais economias mundiais, de acordo com a ata publicada pela entidade.

As autoridades políticas devem agir decisivamente para evitar uma segunda Grande Depressão”, salientou o BoJ antes de enfatizar a necessidade de “maior cooperação” entre as medidas aplicadas pelos governos e autoridades monetárias.

O banco central japonês também destacou que sua prioridade na atual fase de contração da procura e da atividade industrial é “apoiar o financiamento das empresas para que estas possam manter os negócios e os funcionários”, e apontou para a possibilidade de tomar medidas que ofereçam liquidez ao setor privado.

Para além das mais recentes decisões do BoJ, o Governo liderado por Shinzo Abe criou um pacote económico de emergência sem precedentes que inclui o prestação de ajuda direta a cidadãos e empresas.

As previsões publicadas pelo BoJ na sua última reunião mensal indicam que o Produto Interno Bruto do Japão vai contrair entre 3 e 5% em termos reais no atual ano fiscal, que começou a 1 de abril e termina no final de março de 2021.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE