Autoridade para as Condições do Trabalho está em risco de ficar sem limpeza e vigilância

Steve Rhodes / Flickr

-

A Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) corre o risco de ficar sem dinheiro para a limpeza e vigilância das instalações, o que poderá levar ao encerramento de delegações, se entretanto a tutela não reforçar o seu orçamento.

De acordo com fonte do Conselho Consultivo da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), os contratos da ACT com serviços de limpeza e de vigilância terminam em abril e não existe verba orçamentada para renovar os mesmos.

“Se entretanto a tutela não concordar com o reforço do orçamento da ACT, podem ter de ser encerradas delegações da ACT por falta de condições, nomeadamente de trabalho, porque ninguém pode trabalhar num local onde falta a limpeza”, disse a mesma fonte à agência Lusa.

Segundo o elemento do Conselho Consultivo da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), o responsável máximo da ACT enviou, a 28 de janeiro, um ofício ao diretor-geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento do Ministério do Emprego a pedir alterações e o reforço do respetivo orçamento para este ano.

No documento, o inspetor-geral do trabalho, Pedro Pimenta Braz, lembrou que tinha oportunamente comunicado ao Gabinete de Estratégia e Planeamento do MSESS, ao Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, ao Gabinete do Secretário de Estado do Emprego e à Secretaria-Geral do MSESS, que as verbas atribuídas pelo Orçamento da Segurança Social, de 20.020.267,00 euros, pelo Orçamento de Estado, de 5.907.000,00 euros, e a previsão de arrecadação da receita (inicialmente no montante de 3.000.000,00 euros e depois de 6.522.105,73), eram “manifestamente insuficientes para assegurar o funcionamento da ACT e a prossecução da sua missão”.

De acordo com um dos documentos enviados por Pimenta Braz à tutela, “o valor global do ‘plafond’ atribuído à ACT” não permite “fazer face aos encargos contratualmente assumidos perante terceiros”, nomeadamente os relativos à vigilância e limpeza das instalações, nem permite acomodar despesas de funcionamento como o combustível e a reparação de viaturas, material de escritório ou consumíveis informáticos.

A mesma fonte do Conselho Consultivo da ACT disse à Lusa que a maioria das viaturas da inspeção-geral do trabalho estão inoperacionais, por terem muitos anos e uso, e que foi enviado há cerca de um ano um pedido de renovação da frota à tutela mas que não obteve ainda resposta.

A representação internacional da ACT, a formação dos seus funcionários e a formação de técnicos de saúde e segurança no trabalho deixaram também de ter cabimento orçamental.

Além da redução orçamental, Pimenta Braz alegou, no ofício enviado a Carlos Pereira da Silva, a dificuldade em conseguir obter a receita prevista na segunda versão do orçamento da ACT (6.522.105,73 euros), tendo em conta o aumento da litigância e do recurso aos tribunais, o aumento do número de arguidos declarados insolventes e a redução da atividade inspetiva resultante da falta de meios humanos e materiais.

A Lusa questionou a ACT sobre se já obteve resposta da tutela e se, de facto, havia o risco de encerramento de delegações, mão, até ao momento, não obteve resposta.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …