/

Autárquicas: PS segura Almada

Miguel A. Lopes / Lusa

A presidente da Câmara Municipal de Almada, Inês de Medeiros

Aposta da CDU em Maria das Dores Meira, atual autarca de Setúbal que atingiu o limite de mandatos naquele concelho, parece não ter sortido os efeitos desejados.

O Partido Socialista deverá, segundo as primeiras projeções, conseguir segurar a Câmara de Almada, conquistada em 2017 ao PCP. De acordo com as projeções do ICS-ISCTE, utilizadas pela SIC e pelo Expresso, Inês de Medeiros (PS) conseguiu uma votação entre os 38,3 e os 42,3%, já Maria das Dores Meira (CDU) ficará entre os 28,3 e os 32,3%.

As projeções da Universidade Católica para a RTP, por sua vez, atribuem à candidata do PS um resultado entre os 40 e os 45%, com a candidata da CDU a ficar-se por uma votação entre os 30 e os 34%.

No discurso de vitória, Inês de Medeiros mostrou a sua “emoção e alegria” por ter conseguido a reeleição e endereçou cumprimentou “democraticamente todos os candidatos”. “A democracia falou, por isso estamos todos de parabéns“, começou por dizer.

“As minhas palavras vão, naturalmente, para todos os almadenses sem exceção que me acompanharam nos últimos quatro anos e, todos os dias, escolhem Almada, independentemente das suas sensibilidades partidárias. Uma palavra também, naturalmente, a todo o PS de Almada, a todos os voluntários e independentes que se juntaram a esta candidatura. Esta noite é vossa, muito obrigada”, agradeceu.

“Vamos continuar o trabalho com entusiasmo redobrado e conscientes de que estamos a ir por um bom caminho. Almada fez muito durante os últimos quatro anos e pode fazer ainda mais. Hoje Almada é a terra do futuro da Área Metropolitana de Lisboa”, afirmou a presidente da Câmara de Almada.

Tal como António Costa afirmou, nos Açores, na última semana o PS apresentou-se nesta corrida eleitoral como força política a discutir todas as Câmaras, opondo-se em todas elas ou ao PSD ou ao PCP.

Um dos exemplos da situação era precisamente a Câmara de Almada, a qual o PS conquistou ao PCP de forma surpreendente em 2017, sendo um objetivo dos comunistas recuperarem-na neste ato eleitoral.

Na altura, uma das principais justificações apontadas para o resultado foi a coligação que vigorava, a nível nacional, e que unia PCP, PS e BE, através de acordos escritos.

A escolha de Maria das Dores Meira, autarca de Setúbal que atinge o limite de mandatos previstos por lei na Câmara de Setúbal, como candidata a Almada é indicativa da aposta dos comunistas neste município.

  ARM, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.