/

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos três anos. Segundo a Fundação Australiana dos Coalas, citada pela CNN, as principais causas foram a seca, os incêndios florestais e a desflorestação.

A organização pediu com urgência ao Governo que proteja mais o habitat destes animais, depois de a população de coalas ter diminuído para menos de 58.000 este ano. “Os declínios são bastante dramáticos”, disse a presidente da fundação, Deborah Tabart.

A representante defende que o país precisa de uma nova lei que proteja os coalas. “Penso que é imperativo agir agora. Sei que pode parecer que esta é uma história interminável de morte e destruição, mas os números estão certos. E, provavelmente, até serão piores.”

De acordo com a cadeia britânica, não houve qualquer tendência de subida dos números em nenhum local na Austrália. Só uma das áreas incluídas no estudo tem ainda mais de 5000 coalas estimados – algumas regiões têm cinco ou dez animais estimados.

O declínio da população de coalas em Nova Gales do Sul acelerou, provavelmente, depois de grandes extensões de floresta terem sido devastadas em incêndios no final de 2019 e no início de 2020. Alguns desses locais, no entanto, já não tinham coalas.

“As nossas maiores preocupações são locais como o Oeste de Nova Gales do Sul, onde a seca dos últimos dez anos está a ter este efeito cumulativo – sistemas fluviais completamente secos durante anos e [árvores da espécie] Eucalyptus camaldulensis, que são a força vital dos coalas, mortas”, disse Tabart.

Em junho, o Governo australiano pediu uma consulta pública a um plano nacional de recuperação de Nova Gales do Sul, Queensland e ao Território da Capital Australiana à volta de Canberra. Além disso, questionou se o estatuto de proteção de espécie ameaçada dos coalas deveria ser mudado de “vulnerável” para “em perigo”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.