Aumenta pressão para cessar-fogo após novos bombardeamentos em Gaza

Mohammed Saber / EPA

A comunidade internacional apela a que haja um cessar-fogo, mas continuam os ataques dos dois lados sem que se vislumbre um sinal de tréguas.

Segundo a Al Jazeera, registaram-se dezenas de bombardeamentos israelitas contra Gaza já esta terça-feira, mesmo depois de o Presidente dos Estados Unidos ter apelado a um cessar-fogo numa conversa por telefone com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu.

Além disso, foi aberta uma nova frente de conflito, depois de, esta segunda-feira à noite, três rockets terem sido disparados do sul do Líbano para Israel, provocando uma retaliação israelita.

“Três rockets do tipo Grad foram lançados do setor das quintas de Shebaa”, disse à agência France-Presse fonte militar libanesa. Os projéteis israelitas foram então disparados na direção do Líbano, acrescentou.

De acordo com o jornal online Observador, que cita o jornal Times of Israel, verificou-se um intervalo de seis horas durante a última noite sem que fosse lançado qualquer rocket por parte do Hamas, num sinal de que um cessar-fogo pode estar iminente. No entanto, esta manhã, os militantes palestinianos voltaram ao ataque.

Neste momento, no enclave palestiniano, já se conta a morte de cerca de 200 pessoas, incluindo 59 menores e 39 mulheres, bem como mais de 1300 feridos. Do lado israelita foram contabilizadas 10 mortes, entre elas a de dois menores.

De acordo com o jornal Público, começam a ouvir-se vários apelos para um cessar-fogo imediato. O Presidente francês, Emmanuel Macron, disse que ia conversar com o Presidente egípcio e o rei da Jordânia para chegar a uma proposta concreta.

Uma nova reunião de emergência, à porta fechada, do Conselho de Segurança da ONU sobre o conflito israelo-palestiniano foi marcada para esta terça-feira.

“Os civis inocentes continuam a ser mortos e feridos. Repetimos: cessar-fogo. Fim das hostilidades agora”, escreveu a missão da Noruega na sua conta do Twitter.

Juntamente com a Tunísia e a China, a Noruega está na origem da mobilização do conselho, durante a semana passada, sem ter conseguido até agora a adoção de uma declaração conjunta, devido a uma recusa por parte dos Estados Unidos.

Segundo a agência noticiosa egípcia MENA, o Governo egípcio pôs em marcha um plano ordenado pelo Presidente Abdelfatah al Sisi para transferir e tratar em hospitais, nas províncias do norte do Sinai, Ismailiya (nordeste) e na capital, os palestinianos feridos.

Tal como recorda o semanário Expresso, os hospitais de Gaza já estavam sob pressão antes da escalada de violência, devido à pandemia da covid-19. Agora, têm de lutar nas duas frentes, numa altura em que faltam medicamentos e combustível para os geradores que alimentam estas unidades de saúde.

O porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza, Ashraf Al-Qidra, já pediu “apoio mais urgente das instituições internacionais e de assistência”, pedindo mais medicamentos e ambulâncias.

De acordo com o jornal The Guardian, o único laboratório de testes à covid-19 situado em Gaza foi destruído pelos ataques aéreos israelitas.

Organizações palestinianas convocam greve geral

Partidos, sindicatos e entidades civis palestinianos convocaram para esta terça-feira uma greve geral em Israel e nos territórios ocupados de Jerusalém Oriental e Cisjordânia, para protestar contra “o ataque israelita a Gaza” e os despejos de famílias palestinianas.

“Empresas, escolas, universidades e escritórios nos territórios ocupados” estão convocados para encerrarem portas na sequência do apelo do partido nacionalista Fatah – liderado pelo Presidente da Autoridade Nacional Palestiniana, Mahmoud Abbas, – para uma greve”, avançou a agência de notícias oficial palestiniana Wafa.

As organizações sindicais de advogados, de docentes, o Comité Superior de Transportes Públicos, o movimento de representação de reclusos e outras organizações emitiram declarações de apoio ao protesto.

Por sua vez, o Alto Comité para Acompanhamento Árabe de Israel, que representa os israelitas-árabes de origem palestiniana (cerca de 20% da população israelita) também se juntou à greve.

Recorde-se que esta comunidade tem sido alvo de linchamentos e ataques por parte de extremistas judeus durante a última semana, em diferentes partes do país.

“Jornalistas não devem ser impedidos de fazer o seu trabalho”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, está a encarar com muita preocupação os ataques que visaram nos últimos dias a comunicação social presente em Gaza, nomeadamente a destruição das instalações da agência Associated Press.

“O secretário-geral ficou muito perturbado ao ver a destruição do edifício. É evidente que os jornalistas que operam em Gaza devem poder fazê-lo sem receio de assédio e de destruição dos seus escritórios”, disse o porta-voz Stephane Dujarric, numa conferência de imprensa.

O porta-voz afirmou não dispor de informações adicionais sobre o incidente, mas frisou ser “muito importante esclarecer” os factos e “o que aconteceu exatamente”.

Questionado sobre informações publicadas pela organização Repórteres sem Fronteiras que indicam que um total de 23 escritórios de media internacionais e locais foram já destruídos, Stephane Dujarric declarou que essa situação também deve ser investigada. “Nada deve ser feito para impedir os jornalistas de fazerem o seu trabalho”, reforçou.

Até ao momento, os confrontos já obrigaram ao deslocamento forçado de cerca de 38 mil palestinianos e já provocaram mais de 2500 desalojados.

Chefes da diplomacia da UE em debate

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) reúnem-se esta terça-feira, por videoconferência, para debater a escalada de violência na Faixa de Gaza. Esta reunião de emergência, convocada pelo chefe da diplomacia europeia, arranca pelas 14h00 em Bruxelas (13h00 em Lisboa).

O debate deve-se à “escalada em curso entre Israel e a Palestina e ao número inaceitável de vítimas civis”, anunciou o Alto Representante para a Política Externa, Josep Borrell, durante o fim de semana.

Segundo Borrell, nesta reunião realizada à distância, os ministros europeus da tutela vão “coordenar e discutir a maneira como a UE pode contribuir para pôr fim à violência atual”.

Os 27 países têm frequentemente dificuldades em encontrar uma posição comum sobre o conflito israelo-palestiniano, com países como a Alemanha, a Áustria ou a Eslovénia a apoiarem firmemente o direito de Israel a defender-se, enquanto outros exortam o Estado hebreu a demonstrar contenção.

Controlada pelo movimento radical islâmico Hamas desde 2007, a Faixa de Gaza é um enclave palestiniano sob bloqueio israelita há mais de uma década e onde vivem cerca de dois milhões de pessoas.

Os atuais combates, considerados os mais graves desde 2014, começaram a 10 de maio após semanas de tensões entre israelitas e palestinianos em Jerusalém Oriental, que culminaram com confrontos na Esplanada das Mesquitas, o terceiro lugar sagrado do Islão junto ao local mais sagrado do judaísmo.

Palestinianos entraram em confrontos com a polícia em resposta às operações policiais israelitas durante o Ramadão e à ameaça de despejo de dezenas de famílias palestinianas por colonos judeus.

O conflito israelo-palestiniano remonta à fundação do Estado de Israel, cuja independência foi proclamada em 14 de maio de 1948.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Estátuas usadas num jardim eram, afinal, relíquias egípcias com milhares de anos

Duas estátuas de pedra, usadas durante muito tempo como simples decoração de jardim, foram vendidas por cerca de 230 mil euros, depois de se ter chegado à conclusão que eram, afinal, relíquias egípcias com milhares …

Pandora Papers são "embaraço também para Portugal". Caso vai ser analisado pelo Fisco

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais garantiu que, tal como já aconteceu noutros casos deste género, os Pandora Papers vão ser analisados pela Autoridade Tributária. No início de outubro, uma nova investigação do Consórcio Internacional …

Gonçalo Esteves, Sporting

"Gonçalo Esteves é o futuro do Sporting". Adeptos rendidos ao ex-portista de 17 anos

O lateral-direito Gonçalo Esteves, de apenas 17 anos, estreou-se na equipa principal do Sporting, no jogo da Taça de Portugal contra o Belenenses, e o treinador Ruben Amorim diz que é "o futuro" do clube. …

Portugal regista mais 10 mortes e 612 novos casos de covid-19

Portugal registou, este sábado, mais 10 mortes e 612 casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 612 novos …

Toda a herança de Rendeiro foi para o "rei dos táxis". MP investiga presidente da ANTRAL e o filho motorista

O Ministério Público está a investigar o ex-motorista de João Rendeiro e o seu pai, o presidente da ANTRAL, a maior associação de táxis portuguesa. Em causa estão suspeitas de lavagem de dinheiro quando se …

Depois do polémico golo de Mbappé, UEFA pondera mudar regra do fora de jogo

A UEFA defendeu uma reformulação da regra do fora de jogo, depois do polémico golo de Kylian Mbappé que, no último domingo, deu a vitória a França na final da Liga das Nações. Apesar da polémica, …

Nova deputada do PSD condenada por falsificação de documento

A nova deputada do PSD, que toma posse na Assembleia da República na próxima terça-feira, já foi condenada por falsificação de documento há dois anos. Segundo avança o Jornal de Notícias, Eugénia Duarte vai substituir Carla …

Presidente avisou partidos sobre cenário de eleições antecipadas: "Se tiver de ser, é"

Em caso de chumbo do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), o Presidente da República prefere não perder tempo e "matar o mal pela raiz". Findas as audiências com os partidos no Palácio de Belém, a …

"A maior descida de sempre". Galamba sublinha redução dos preços da luz para empresas e famílias

As tarifas de electricidade propostas pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) para 2022 representam uma descida nos preços da ordem dos 3,4%. O Secretário de Estado Adjunto e da Energia, João Galamba, fala de …

Administração Biden vai reativar programa anti-imigração de Trump

A Administração Biden anunciou, esta sexta-feira, que vai reativar a política anti-imigração nas fronteiras da era Trump, que forçou milhares de requerentes de asilo a aguardarem a conclusão dos seus processos no México, muitas vezes …