“Auditores não são polícias”. PwC descarta responsabilidades no capital inicial do Novo Banco

Manuel de Almeida / Lusa

A audição conjunta de dois responsáveis da PwC na comissão de inquérito ao Novo Banco começou esta sexta-feira à porta fechada devido a questões de segredo profissional, mas o banco autorizou-os a falar publicamente e esta passou a ser aberta.

José Manuel Bernardo, da PwC, recusou esta sexta-feira quaisquer responsabilidades da auditora na definição do capital inicial do Novo Banco, explicando que o seu trabalho “foi de validação dos ativos e passivos que foram transferidos” para o banco de transição.

O deputado do PCP Duarte Alves recordou as declarações, nesta mesma comissão de inquérito, do antigo presidente do Banco Espírito Santo (BES) e do Novo Banco Vítor Bento, que referiu que o capital inicial do banco de transição que nasceu do colapso do BES, 4,9 mil milhões de euros, “estava demasiado à pele” em termos do cumprimento dos rácios prudenciais.

Assim, o deputado comunista perguntou a José Manuel Bernardo se “esta exigência de mais capital por parte de Vítor Bento contradiz aquilo que são as conclusões da PwC que foram publicadas posteriormente”, referindo-se à avaliação feita pela consultora aos ativos do Novo Banco, publicada em dezembro de 2014.

“Não, não contradiz e estamos a falar de duas coisas totalmente distintas. O nosso trabalho foi de validação dos ativos e passivos que foram transferidos para o Novo Banco“, começou por responder.

O sócio da PwC explicou que este foi um trabalho feito com recurso “aos procedimentos de auditoria habituais, que apenas não teve resultado na emissão de uma certificação legal de contas” por não terem sido analisadas todas componentes todas do balanço e por não serem “umas contas completas”.

“O nosso trabalho é um trabalho de análise factual daquela valorização que nada diz se o capital é suficiente ou se é insuficiente“, assegurou.

Por outro lado, o auditor admitiu que a folga de capital que o banco teve no arranque deixava a gestão limitada. “Se tivermos em conta os rácios mínimos, havia folga de mais de 1%. Isso condicionaria o banco no futuro. Ter mais ou menos capital condiciona a gestão”, disse.

Mais à frente, questionado pelo deputado do PS Miguel Matos sobre a questão das imparidades, José Manuel Bernardo “clarificou que as contas, em primeira instância, são preparadas pelas administrações das instituições”, sendo “sujeitas a um processo de aprovação, quer pelos órgãos de fiscalização, quer pelos seus acionistas”.

“Numa linguagem mais corriqueira, se me permite, parece haver uma ideia de que os auditores são uns polícias. Os auditores não são polícias“, defendeu.

Os auditores, na perspetiva do responsável da PwC, “têm um mandato muito concreto” que é “emitir uma certificação legal de contas, com base num conjunto de normas profissionais que têm que seguir e que foram seguidas” no caso do Novo Banco.

“As imparidades são o que são, estão espelhadas nos relatórios e contas, os relatórios e contas são públicos. Basta agarrar os relatórios e contas até hoje e verificar quais foram as imparidades registadas em cada um dos exercícios para se extraírem estas conclusões que, de facto, até 2017, a conclusão do nosso mandato, as imparidades que foram feitas não foram inferiores às imparidades que foram feitas nos exercícios de 2018 e 2019 agregadas”, assegurou.

José Bernardo também rejeitou a ideia de que o Novo Banco tenha registado mais imparidades no crédito após 2017. “De 2014 a 2017, em termos de imparidades, a quantia é muito substancial e arrisco dizer, sem grandes bases, foram superiores às imparidades que foram feitas de 2017 para a frente”.

Em relação ao disparo das imparidades em 2017, José Bernardo mencionou uma “série de fatores” que levaram a reconhecer perdas com empréstimos a grandes clientes, incluindo a Sogema (Moniz da Maia) que “teve derrocada” com um projeto de floresta que ardeu, a MSF que abandonou obras que tinha em vários países, e o Grupo Lena, cuja atividade na Venezuela implicou revisão dos negócios em vários bancos.

  ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

RESPONDER

Novo estudo mostra de que forma a covid-19 pode danificar as células cerebrais

O estudo é a primeiro a demonstrar de que forma o vírus SARS-CoV-2 pode atingir diretamente as células do cérebro. Os investigadores descobriram que as células vasculares que compõem a barreira hematoencefálica podem ser destruídas pelo …

E se o Orçamento chumbar? Costa não se demite - e o Governo ainda pode aprovar “diplomas fundamentais”

O primeiro-ministro já esclareceu que não tenciona demitir-se em caso de chumbo do Orçamento do Estado 2022, mas a sua governação ficará limitada. Na possibilidade de haver um chumbo do Orçamento do Estado, Marcelo Rebelo de …

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro

YouTube suspende conta de Bolsonaro por desinformação

Presidente do Brasil é já reincidente na divulgação de notícias falsas sobre a pandemia (tendo já sido alertado antes), pelo que a plataforma avançou de imediato para a suspensão dos seus canais oficiais. O Youtube suspendeu …

Conselho de Ministros acabou em silêncio. Governo só fala esta terça-feira, no Parlamento

Conselho de Ministros extraordinário convocado por António Costa após ser conhecido o sentido de voto do PCP relativamente ao Orçamento do Estado para 2022 durou mais de duas horas, mas terminou sem declarações oficiais. O primeiro-ministro …

Descobertos antigos vestígios de vida envoltos em rubi com 2,5 mil milhões de anos

Um equipa de investigadores da Universidade de Waterloo descobriu resíduo de carbono que já foi uma vida antiga. Estava envolto num rubi com 2,5 mil milhões de anos. Ao analisar algumas das pedras preciosas coloridas mais …

O Sistema Solar pode estar cercado por um túnel magnético

O Sistema Solar pode estar rodeado por um túnel magnético. Cientistas sugerem que as estruturas brilhantes, em lados opostos do céu, estejam interligadas à nossa volta, a 350 anos-luz de distância. Jennifer West, investigadora do Instituto …

O volátil, inóspito e sufocante Vénus pode afinal ter oceanos de água debaixo da crosta

Devido à elevada temperatura da atmosfera de Vénus, caso a crosta se abrisse, os oceanos de água transformar-se-iam imediatamente em vapor. Conhecido por ser um planeta com uma atmosfera quente e sufocante de dióxido de carbono …

Mais de mil ovelhas e cabras tomaram conta das ruas de Madrid (por um bom motivo)

Mais de mil ovelhas e cabras encheram as ruas de Madrid, este domingo, a propósito do tradicional Festival da Transumância, que foi cancelado no ano passado devido à pandemia da covid-19. De acordo com a agência …

Crise de abastecimento provoca escassez de camisolas de Natal

Na próxima época natalícia, os Estados Unidos podem enfrentar uma escassez de Ugly Sweaters, causada pela crise mundial dos transportes marítimos. As Ugly Sweaters são as típicas camisolas de Natal - por norma, coloridas e com …

Erupção de La Palma. Cães salvos por um grupo misterioso

Um grupo misterioso - que se auto-denomina A-Team - afirma ter resgatado vários animais "presos" devido à erupção do vulcão Cumbre Vieja em La Palma, nas Canárias. De acordo com o jornal britânico The Guardian, as …