/

“Retaliação pela Nova Zelândia”. Imagens mostram bombista a entrar em Igreja no Sri Lanka

1

STR / EPA

Subiu para 321 o número de mortes nos atentados do Sri Lanka, no Domingo de Páscoa, numa altura em que foi divulgado um vídeo que mostra um dos alegados bombistas suicidas a entrar numa das Igrejas que foi alvo dos ataques, de mochila às costas, depois de afagar a cabeça de uma criança.

As autoridades do Sri Lanka continuam a investigar a onda de atentados que assolou o país no domingo de Páscoa, com a certeza de que foram organizados com a colaboração de uma rede internacional terrorista.

O grupo terrorista Estado Islâmico já veio reivindicar a autoria dos atentados, numa informação que está a ser divulgada pela imprensa internacional com base na agência de propaganda AMAQ. Não há, contudo, evidências concretas de que tenha sido mesmo responsabilidade do grupo.

Foram divulgadas imagens, captadas pelas câmaras de video-vigilância, que mostram um dos bombistas suicidas que levaram a cabo os vários atentados a entrar na Igreja de St. Sebastian, de mochila às costas, pouco antes de ter deflagrado uma explosão no local.

As imagens mostram o homem a caminhar pela rua, chegando a afagar a cabeça de uma criança, antes de entrar na Igreja repleta de gente, dirigindo-se para a zona perto do altar.

O vídeo original, cujo conteúdo total não foi divulgado, mostra o bombista a deflagrar a bomba no interior da Igreja, conforme destaca a CNN.

Retaliação por ataques a mesquitas em Christchurch

Entretanto, o ministro da Defesa do Sri Lanka, Ruwan Wijewardana, refere que tudo indica que foram extremistas islâmicos que organizaram os atentados como forma de retaliação pelo ataque a duas mesquitas na Nova Zelândia, em Março passado, levado a cabo por um nacionalista neo-zelandês que matou 50 pessoas.

“As investigações preliminares revelaram que o que aconteceu no Sri Lanka foi em retaliação pelo ataque contra muçulmanos em Christchurch”, aponta Wijewardene.

A acção terrorista no Sri Lanka teria como principal intuito provocar grande impacto internacional, como analisa a directora do Centro Internacional para o Estudo do Extremismo Violento, Anne Speckhard, em declarações à CNN.

“Eles querem ter uma grande presença na imprensa, fazer uma grande declaração, eis o que conseguimos fazer, aqui está quanto vos odiamos, eles gostam da reacção, acham que une os muçulmanos em torno da sua causa”, destaca a especialista do órgão independente e apartidário que dá recomendações estratégicas a entidades governamentais e privadas.

Anne Speckhard também destaca que estes ataques coordenados se encaixam perfeitamente na “cartilha do Daesh e da Al Qaeda” e alerta que podem servir de inspiração a outros terroristas, para levarem a cabo atentados semelhantes.

Um dos atentados mais mortíferos desde o 11 de Setembro

O número de mortos nos ataques terroristas subiu para os 310, segundo um novo balanço divulgado esta terça-feira pelas autoridades do Sri Lanka que aponta para “mais de 500” feridos.

Estes números colocam o atentado na lista dos mais mortíferos do mundo desde o 11 de Setembro de 2001, em que morreram 2977 pessoas nos ataques às torres do World Trade Center em Nova Iorque, nos EUA.

Os primeiros funerais das vítimas já começaram a ser feitos num país marcado pelo luto nacional e pelo estado de emergência declarados pelo Governo.

Entretanto, a polícia do Sri Lanka revela que já foram detidas 40 pessoas, todas de nacionalidade cingalesa, no decurso da investigação aos ataques.

Os sete bombistas suicidas que deflagraram as bombas foram também identificados como cidadãos do Sri Lanka.

A CNN aponta ainda que as autoridades norte-americanas terão identificado “um operacional fundamental nos ataques” que terá ligações a “organizações de terrorismo internacional, incluindo o Daesh“. Não são divulgados dados sobre a identidade desta pessoa, mas os EUA estão a tentar apurar o grau de envolvimento deste grupo terrorista, nomeadamente em termos de “planeamento, financiamento, equipamento para fabricar as bombas e se se encontraram directamente com os atacantes do Sri Lanka”, constata a CNN.

  SV, ZAP // Lusa

1 Comment

  1. Uma das razões de vivermos na Era da Estupidez, é a de vivemos também na Era da Desinformação:

    – O DAESH já veio confiormar a reivindicação dos atentados, mas ainda não há confirmação (ficamos todos a perguntar em que consistirá então uma confirmação)…

    – “As autoridades do Sri Lanka têm certeza de que os atentados foram organizados com a colaboração de uma rede internacional terrorista”. Definam “colaboração”…E essa “certeza” vem de onde exactamente?.. Que rede?.. Tanta certeza baseada em tão poucas certezas.

    – “As investigações preliminares revelaram que o que aconteceu no Sri Lanka foi em retaliação pelo ataque contra muçulmanos em Christchurch” – mais uma vez, com base em quê? Com base em ser aquilo que mais vende jornais e mais se alinha com uma narrativa Hollywoodesca em que as pessoas acreditam mais fácilmente? Acho graça, as investigações serem “preliminares”, não se saber quase nada sobre quase nada, duvidar-se das alegadas reivindicações do DAESH. Nada é certo nem definitivo, mas depois, até já se sabe que foi em retaliação aos ataques na Nova Zelândia.

    No meio disto tudo, os EUA já investigaram, já identificaram, já tudo… Mas não revelam nada. Devem estar à espera de ver como é que vão culpar um desgraçado qualquer ao calhas pra parecer que descobrem tudo, quando não descobrem nada. Só não querem é que se saiba nada sobre o terrorismo que eles EUA praticam no mundo inteiro, e se alguém se chibar já sabem… É como aconteceu ao Mannings e ao Assange… Epá deixem lá os EUA serem terroristas à vontade!..

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.