Ataques de tubarões já mataram 6 pessoas na Austrália. É o valor mais elevado desde 1934

kenbondy / Flickr

Carcharodon carcharias, conhecido pelo nome comum de tubarão-branco

Seis pessoas já morreram estes ano na Austrália vítimas de ataques de tubarões, sendo este o valor mais elevado de ataques fatais não provocados desde 1934.

Os números são avançados pela revista Vice, que dá conta que a sexta vítima mortal foi um surfista de 52 anos, cujo corpo não foi encontrado. A autoridades da Austrália cancelaram as buscas dois dias depois de este ser visto a ser atacado por um tubarão.

O valor de ataques fatais registado este ano é bem superior à média dos últimos 50 anos na Austrália, que estava fixada em 1,02 mortes por ano. O número de mordidas não provocadas ronda as 17, em linha com os valores da última década.

Segundo a revista norte-americana, estes valores mostram que não é o número de ataques, mas antes a sua natureza que está a contribuir para o aumento de mortes.

“Nalguns casos registados neste ano, parece que o tubarão rondou a área mais do que uma vez, o que é um comportamento incomum para grandes tubarões bancos (…) E quando mordem mais do que uma vez, é mais provável que o ataque seja fatal, uma vez que há uma maior perda de sangue”, disse Blake Chapman, uma bióloga marinha que examinou a neuro-ciência dos tubarões no âmbito do seu doutoramento, ao Guardian Australia.

Chapman disse ainda que várias mordidas podem indicar que os predadores estão a começar os humanos como presas, frisando que o clima pode ser outros dos fatores.

O Bureau of Meteorology, uma associação governamental australiana, anunciou recentemente que o evento climático La Niña atingirá a Austrália. Este fenómeno é normalmente associado a temperaturas mais frias na superfície do mar no Pacífico central e águas mais quentes em torno de grande parte das águas no norte do país.

Estas temperaturas das águas influenciam os padrões de certos peixes, como é o caso do salmão, e, por isso, ditam o movimento dos tubarões que deles se alimentam .

Várias vítimas deste ano foram atacadas por grandes tubarões brancos e a especialista admite uma eventual relação entre o fenómeno climático e os incidentes com os animais: “Tendemos a ver pequenos picos de picadas de tubarão durante o La Niña“, disse.

A especialista observa, contudo, que os detalhes e os dados são ainda escassos, o que torna difícil apontar um motivo concreto para justificar porque é que tantas pessoas já morreram no ano corrente em ataques de tubarões na Austrália.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …

Marta Temido antevê dias complicados e alta pressão sobre o SNS (e admite novas medidas)

A ministra da Saúde disse que se vive "um momento muito difícil da evolução da pandemia em Portugal e na Europa" e que "os próximos dias se anteveem complicados e com elevada pressão sobre o …

O maior navio de guerra americano disparou o seu primeiro míssil

O maior navio de guerra norte-americano, o USS Zumwalt, disparou pela primeira vez um míssil. O projétil disparado intercetou com sucesso o alvo de teste. Em 2015, o maior e mais futurista contratorpedeiro da Marinha norte-americana …

Republicanos no Senado preparam-se para um possível "mundo pós-Trump"

Enquanto os republicanos enfrentam um eleição que pode trazer más notícias para o Presidente e o seu partido, alguns começam a se distanciar de Donald Trump, ao mesmo tempo que tentam não atrair a sua …