Associações de afro-descendentes fazem queixa de Portugal à ONU

Vinte e duas associações que representam milhares de afrodescendentes negros em Portugal enviaram uma carta ao Comité das Nações Unidas para a Eliminação da Discriminação Racial a contestar a atuação das autoridades portuguesas no combate ao racismo.

A notícia é divulgada pelo Público, que adianta que as associações criticam o Estado por não as ouvir e por não dialogar com as entidades que lideram o combate ao racismo e à exclusão no terreno.

O documento foi assinado pelo SOS Racismo, Plataforma Gueto, Afrolis, Djass, Associação Caboverdeana de Lisboa, entre outras associações, e inclui uma análise das desigualdades raciais em Portugal que justificam a existência de políticas dirigidas a estas comunidades.

A carta surge depois de uma delegação portuguesa, integrada por representantes de entidades do Estado, ter sido ouvida na semana passada, em Genebra, pelo Comité das Nações Unidas para a Eliminação da Discriminação Racial.

Em 2012, o comité recomendou a Portugal várias medidas, entre elas a criação de medidas especiais para afrodescendentes. A resposta de Portugal foi a de que o país tem uma abordagem “integrada/holística para combater a discriminação racial, baseada na crença de que o fenómeno do racismo é um fenómeno global”.

Silenciamento político do racismo

Segundo Mamadou Ba, do SOS Racismo, o facto de Portugal ter defendido que não são necessárias políticas excecionais de apoio às comunidades mais vulneráveis ao racismo é algo muito grave.

O dirigente associativo destaca que a abordagem do país contraria as próprias recomendações da ONU que no âmbito da “Década dos afrodescendentes”, sugere a adoção de “políticas orientadas para resolver os problemas com que se confrontam os afrodescendentes”.

As associações estão indignadas com a atitude do Estado, que dizem estar a fazer “um silenciamento político do racismo“.

“Com esta iniciativa procuramos ser ouvidos”, afirmou Carla Fernandes, da associação Afrolis, acrescentando que está em causa o “direito à representatividade”.

“São necessárias medidas efetivas para problemas que são nossos e influenciam as nossas vidas enquanto afrodescendentes negros”, diz Ana Fernandes, da Plataforma Gueto.

Ana Fernandes sublinha que na carta enviada à ONU são reveladas algumas situações que “justificam, incontornavelmente, a implementação de medidas específicas e de ação afirmativa”.

Um dos dados apresentados à ONU é sobre a disparidade na taxa de prisões, que é 15 vezes maior no grupo de africanos de países de língua portuguesa do que entre portugueses. Além disso, há dados sobre as dificuldades enfrentadas por negros e negras em conseguirem exercer profissões qualificadas e viverem em territórios segregados.

Alunos dos PALOP reprovam três vezes mais no 1º ciclo

Para o dirigente da SOS Racismo, Mamadou Ba, a taxa de insucesso escolar e o trajeto escolar revelam níveis de discriminação no acesso à educação.

Para as associações, entre as medidas necessárias está a implementação da recolha de dados étnico-raciais para que se possa compreender melhor o universo de pessoas e definir políticas públicas para as minorias.

Entre os dados utilizados na denúncia à ONU está o estudo “Afrodescendentes no sistema educativo português“, coordenado pela socióloga Cristina Roldão, do Instituto Universitário de Lisboa, e divulgado em abril deste ano.

De acordo com a pesquisa, os alunos com nacionalidade dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa reprovam três vezes mais no 1º ciclo e têm o dobro das taxas de reprovação no 2º e 3º ciclos e no ensino secundário, destaca o Público.

As taxas de encaminhamento de alunos afrodescendentes para cursos profissionais atinge quase os 80%, o dobro dos portugueses.

Na carta enviada à ONU, as associações dizem que “há uma quase total ausência de afrodescendentes negros nos lugares de produção e reprodução de conhecimento, como professores e cientistas”.

O desempenho de Portugal quanto à discriminação racial está a ser avaliado pelo Comité das Nações Unidas para a Eliminação da Discriminação Racial e os resultados serão divulgados no dia 9 de dezembro.

ZAP

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. Curioso, essas associações não se preocupam com a descriminação racial nos países de origem. Onde pessoas diferentes são tão ou mais descriminadas que os afro-descendentes em Portugal. Tanto querem igualdade que andam sempre a evidenciar as diferenças…

  2. Exactamente José Santos!
    Parece que só os “brancos” é que são racistas.
    Um dia destes há quotas reservadas a certas e determinadas raças/etnias!!!
    Facto é que nos EUA estatisticamente os negros são uma percentagem elevadíssima da população prisional (penso que cerca de 80%), sendo responsáveis por algo como 90% dos crimes violentos!!!
    E depois admiram-se da extrema direita ganhar votos.
    Trabalhar para subir na vida? O que isso? Exigem-se direitos e se não derem são racistas!
    Infelizmente é assim que no ocidente se funciona.

  3. Quem lida com os africanos no dia a dia nas salas de aula verifica que o indice de retenção das aprendizagens é bem mais baixo do que na generalidade da população. Os interesses desta população prendem-se com o “comer”, “dormir”, “dançar” e criar “confusão” e “conflitos”.
    Depois os racistas são o brancos.
    Tenham paciência ! Apanhem o avião e vão embora daqui.

  4. Sr PJ de onde tirou esta estatística dos crimes nos EUA? Vá ler publicações sérias e deixa de ver filmes.
    Há dias ouvi um comentário em que alguém dizia que quanto mais analfabeto/analfabruto (pessoas como o senhor) maior a mania de dar opiniões sobre coisas que não conhecem.

    Ao Sr. Kaffa nem vou dar ao luxo de fazer comentários sobre o que escreveu.

    • Tome lá:
      http://www.amren.com/the-color-of-crime/
      Cito aqui algumas conclusões:
      “Blacks have notably high crime rates”
      “a black was six times more likely than a non­black to commit murder, and 12 times more likely to murder someone of another race than to be murdered by someone of another race”
      Poderá encontrar muitas coisas online sobre o assunto.
      Ah e já agora, tenho família e amigos nos EUA…sei do que falo.

  5. Pois, já estava a demorar muito para chegar a Portugal os SJWs, daqui a nada estamos a ouvir gritar em Lisboa “BLM!!!”

    Tenham paciência, “ação afirmativa” nem têm criatividade para inventarem, copiam logo o termo dos Americanos…
    Basicamente esta gente que igualdade de resultados e não de igualdade, o que quer dizer que deixamos de ter uma méritocracia, onde ganham os melhores, e passamos a ter uma sociedade desenhada, onde por exemplo X vagas numa faculdade têm obrigatoriamente de ser preenchidas por afrodescendentes só por serem negros e mais nada.

    Também fala ela em “direito à representatividade” basicamente está a pedir por cadeiras no parlamento ocupadas por afrodescendentes só por serem negros e mais nada… Aposto que o BE já está a correr seca e meca a procura de alguém só para o “virtue signaling.”

  6. Os filhos e netos de portugueses que emigraram para a europa nos anos 60 e setenta,portugueses esses morando em bairros da lata,«bidonvilles»,trabalhando no duro e porco, clandestinos sem direitos(Hoje chamariam em «escravatura»), esses filhos também tinham as mais altas taxas de reprovações no ensino e na formação, porque falavam mal francês e em casa o ambiente cultural era muito básico e sem livros, sem jornais,etc.Viviam isolados em comunidades de portugueses,resistiam á assimilação.
    Depois assim a segunda geração só arranjaram empregos na construção civil, e como descarregadores,porteiras,em limpezas,desentupir esgotos,etc.
    Mas a actual terceira geração já está totalmente assimilada e tem plena integração escolar e social.
    Portanto é natural em portugal a dificuldade de integração de bastantes afro-descendentes de gente que veio para portugal nos fins dos anos 60 e em especial dos palop desde os anos setenta- oitenta,concentrando-se na linha de sintra.Mas casos de sucesso são cada vez mais.
    Mas sendo que essa gente mais nova é menos de meio por cento da população portuguesa, não podem ser muitos os casos de sucesso,por exemplo é natural que numa escola apenas um em cada 200 professores seja afro-descendente!
    Quanto á carreira politica vivemos em democracia,começamos pelos clubes de bairro e depois concorremos para as juntas de freguesia,para ganhar mérito politico!
    Mas se for reservado lugar na ar para os afrodescendentes,então e as outras comunidades?De notar que a cor da pele hoje não exclui socialmente:veja-se os indianos e os chineses…
    Portugal não é como os usa!
    Acabe-se com as queixinhas e certa demagogia!!!

    • O exemplo que dá é bem ilustrativo e bem podem os “maltratados” pôr mãos a obra e fazer pela vida como todos fazemos. “direito à representatividade”?, não!, não há direitos sem obrigações.. só no trabalho está o sucesso. Trabalhem que eu também.

  7. Segundo uma notícia (“Todos os homens portugueses e espanhóis foram exterminados há 4500 anos”) aqui apresentada ontem, a culpa não será dos portugueses! Portanto, como estes já foram exterminados, queixem-se dos verdadeiros culpados, ok? 😀

Responder a PJ Cancelar resposta

Cientistas descobriram o ponto fraco dos tardígrados

Os tardígrados, também chamados ursos de água, são conhecidos pela sua resistência. Mas um novo estudo revela agora que estes pequenos organismos também têm um ponto fraco: exposição de longo prazo a altas temperaturas. Em 2018, …

Detetadas "partículas fantasmagóricas" que o Modelo Padrão não pode explicar

O observatório IceCube, localizado no Pólo Sul, revelou que a Antena Antena Antártida de Impulso Transitivo (ANITA) detetou alguns "sinais muito estranhos" que "não pode ser explicados" pelo Modelo Padrão da Física. O projeto ANITA, …

Descoberto primeiro asteróide que se move apenas dentro da órbita de Vénus

Uma rede de telescópios robóticos operados à distância observou um asteróide que, além de ser o asteróide mais próximo do Sol, é também o primeiro asteróide descoberto que se move completamente dentro da órbita de …

Mark Zuckerberg tem medo do TikTok (e já se sabe porquê)

Mark Zuckerberg já deixou claro, mais do que uma vez, que não gosta do TikTok. No entanto, agora sabemos o que está por trás desta hostilidade pelo rival: a aplicação está a crescer muito, mesmo …

A empresa mãe da Google já vale um bilião de dólares

Esta quinta-feira, a Alphabet, empresa mãe da Google, conseguiu uma cotação na bolsa de 1 bilião de dólares, cerca de 900 mil milhões de euros. A Alphabet tornou-se, esta quinta-feira, a quarta empresa norte-americana a conseguir …

Cientistas criam "cimento vivo" capaz de se "curar"

Uma equipa de cientistas dos Estados Unidos criou um "cimento vivo" juntando areia e bactérias num material de construção capaz de se auto-reproduzir, de absorver dióxido de carbono e manter a resistência. "Já usamos materiais biológicos …

Sporting 0-2 Benfica | Águia vence dérbi e foge na frente

O Benfica foi o grande vencedor do dérbi lisboeta. Na visita ao Sporting, os “encarnados” marcaram dois golos sem resposta, ambos na segunda parte, por Rafa Silva, entrado no decorrer da segunda parte, após ter …

Um em cada seis homens é vítima de abuso sexual antes dos 18 anos

Um em cada seis homens é vítima de abuso sexual antes dos 18 anos e podem levam décadas até pedir ajuda, por nem sempre aceitarem e entenderem que sofreram violência sexual. Na maior parte dos …

"Messiah", da Netflix, reacende controvérsia sobre os limites da liberdade de expressão

A série Messiah, disponível na plataforma de streaming Netflix, acende a controvérsia em torno dos limites da liberdade de expressão e da criatividade no mundo das artes e do entretenimento. Messiah, uma série produzida por Michael …

Quadro encontrado por jardineiro era mesmo a obra desaparecida de Klimt

Em 1997, Retrato de uma Senhora desapareceu da Galeria de Arte Moderna Ricci Oddi, em Piacenza. Em dezembro, o quadro foi descoberto. Estava escondido numa parede da instituição. O quadro encontrado em dezembro, escondido na reentrância …