Associações de afro-descendentes fazem queixa de Portugal à ONU

Vinte e duas associações que representam milhares de afrodescendentes negros em Portugal enviaram uma carta ao Comité das Nações Unidas para a Eliminação da Discriminação Racial a contestar a atuação das autoridades portuguesas no combate ao racismo.

A notícia é divulgada pelo Público, que adianta que as associações criticam o Estado por não as ouvir e por não dialogar com as entidades que lideram o combate ao racismo e à exclusão no terreno.

O documento foi assinado pelo SOS Racismo, Plataforma Gueto, Afrolis, Djass, Associação Caboverdeana de Lisboa, entre outras associações, e inclui uma análise das desigualdades raciais em Portugal que justificam a existência de políticas dirigidas a estas comunidades.

A carta surge depois de uma delegação portuguesa, integrada por representantes de entidades do Estado, ter sido ouvida na semana passada, em Genebra, pelo Comité das Nações Unidas para a Eliminação da Discriminação Racial.

Em 2012, o comité recomendou a Portugal várias medidas, entre elas a criação de medidas especiais para afrodescendentes. A resposta de Portugal foi a de que o país tem uma abordagem “integrada/holística para combater a discriminação racial, baseada na crença de que o fenómeno do racismo é um fenómeno global”.

Silenciamento político do racismo

Segundo Mamadou Ba, do SOS Racismo, o facto de Portugal ter defendido que não são necessárias políticas excecionais de apoio às comunidades mais vulneráveis ao racismo é algo muito grave.

O dirigente associativo destaca que a abordagem do país contraria as próprias recomendações da ONU que no âmbito da “Década dos afrodescendentes”, sugere a adoção de “políticas orientadas para resolver os problemas com que se confrontam os afrodescendentes”.

As associações estão indignadas com a atitude do Estado, que dizem estar a fazer “um silenciamento político do racismo“.

“Com esta iniciativa procuramos ser ouvidos”, afirmou Carla Fernandes, da associação Afrolis, acrescentando que está em causa o “direito à representatividade”.

“São necessárias medidas efetivas para problemas que são nossos e influenciam as nossas vidas enquanto afrodescendentes negros”, diz Ana Fernandes, da Plataforma Gueto.

Ana Fernandes sublinha que na carta enviada à ONU são reveladas algumas situações que “justificam, incontornavelmente, a implementação de medidas específicas e de ação afirmativa”.

Um dos dados apresentados à ONU é sobre a disparidade na taxa de prisões, que é 15 vezes maior no grupo de africanos de países de língua portuguesa do que entre portugueses. Além disso, há dados sobre as dificuldades enfrentadas por negros e negras em conseguirem exercer profissões qualificadas e viverem em territórios segregados.

Alunos dos PALOP reprovam três vezes mais no 1º ciclo

Para o dirigente da SOS Racismo, Mamadou Ba, a taxa de insucesso escolar e o trajeto escolar revelam níveis de discriminação no acesso à educação.

Para as associações, entre as medidas necessárias está a implementação da recolha de dados étnico-raciais para que se possa compreender melhor o universo de pessoas e definir políticas públicas para as minorias.

Entre os dados utilizados na denúncia à ONU está o estudo “Afrodescendentes no sistema educativo português“, coordenado pela socióloga Cristina Roldão, do Instituto Universitário de Lisboa, e divulgado em abril deste ano.

De acordo com a pesquisa, os alunos com nacionalidade dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa reprovam três vezes mais no 1º ciclo e têm o dobro das taxas de reprovação no 2º e 3º ciclos e no ensino secundário, destaca o Público.

As taxas de encaminhamento de alunos afrodescendentes para cursos profissionais atinge quase os 80%, o dobro dos portugueses.

Na carta enviada à ONU, as associações dizem que “há uma quase total ausência de afrodescendentes negros nos lugares de produção e reprodução de conhecimento, como professores e cientistas”.

O desempenho de Portugal quanto à discriminação racial está a ser avaliado pelo Comité das Nações Unidas para a Eliminação da Discriminação Racial e os resultados serão divulgados no dia 9 de dezembro.

ZAP

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. Curioso, essas associações não se preocupam com a descriminação racial nos países de origem. Onde pessoas diferentes são tão ou mais descriminadas que os afro-descendentes em Portugal. Tanto querem igualdade que andam sempre a evidenciar as diferenças…

  2. Exactamente José Santos!
    Parece que só os “brancos” é que são racistas.
    Um dia destes há quotas reservadas a certas e determinadas raças/etnias!!!
    Facto é que nos EUA estatisticamente os negros são uma percentagem elevadíssima da população prisional (penso que cerca de 80%), sendo responsáveis por algo como 90% dos crimes violentos!!!
    E depois admiram-se da extrema direita ganhar votos.
    Trabalhar para subir na vida? O que isso? Exigem-se direitos e se não derem são racistas!
    Infelizmente é assim que no ocidente se funciona.

  3. Quem lida com os africanos no dia a dia nas salas de aula verifica que o indice de retenção das aprendizagens é bem mais baixo do que na generalidade da população. Os interesses desta população prendem-se com o “comer”, “dormir”, “dançar” e criar “confusão” e “conflitos”.
    Depois os racistas são o brancos.
    Tenham paciência ! Apanhem o avião e vão embora daqui.

  4. Sr PJ de onde tirou esta estatística dos crimes nos EUA? Vá ler publicações sérias e deixa de ver filmes.
    Há dias ouvi um comentário em que alguém dizia que quanto mais analfabeto/analfabruto (pessoas como o senhor) maior a mania de dar opiniões sobre coisas que não conhecem.

    Ao Sr. Kaffa nem vou dar ao luxo de fazer comentários sobre o que escreveu.

    • Tome lá:
      http://www.amren.com/the-color-of-crime/
      Cito aqui algumas conclusões:
      “Blacks have notably high crime rates”
      “a black was six times more likely than a non­black to commit murder, and 12 times more likely to murder someone of another race than to be murdered by someone of another race”
      Poderá encontrar muitas coisas online sobre o assunto.
      Ah e já agora, tenho família e amigos nos EUA…sei do que falo.

  5. Pois, já estava a demorar muito para chegar a Portugal os SJWs, daqui a nada estamos a ouvir gritar em Lisboa “BLM!!!”

    Tenham paciência, “ação afirmativa” nem têm criatividade para inventarem, copiam logo o termo dos Americanos…
    Basicamente esta gente que igualdade de resultados e não de igualdade, o que quer dizer que deixamos de ter uma méritocracia, onde ganham os melhores, e passamos a ter uma sociedade desenhada, onde por exemplo X vagas numa faculdade têm obrigatoriamente de ser preenchidas por afrodescendentes só por serem negros e mais nada.

    Também fala ela em “direito à representatividade” basicamente está a pedir por cadeiras no parlamento ocupadas por afrodescendentes só por serem negros e mais nada… Aposto que o BE já está a correr seca e meca a procura de alguém só para o “virtue signaling.”

  6. Os filhos e netos de portugueses que emigraram para a europa nos anos 60 e setenta,portugueses esses morando em bairros da lata,«bidonvilles»,trabalhando no duro e porco, clandestinos sem direitos(Hoje chamariam em «escravatura»), esses filhos também tinham as mais altas taxas de reprovações no ensino e na formação, porque falavam mal francês e em casa o ambiente cultural era muito básico e sem livros, sem jornais,etc.Viviam isolados em comunidades de portugueses,resistiam á assimilação.
    Depois assim a segunda geração só arranjaram empregos na construção civil, e como descarregadores,porteiras,em limpezas,desentupir esgotos,etc.
    Mas a actual terceira geração já está totalmente assimilada e tem plena integração escolar e social.
    Portanto é natural em portugal a dificuldade de integração de bastantes afro-descendentes de gente que veio para portugal nos fins dos anos 60 e em especial dos palop desde os anos setenta- oitenta,concentrando-se na linha de sintra.Mas casos de sucesso são cada vez mais.
    Mas sendo que essa gente mais nova é menos de meio por cento da população portuguesa, não podem ser muitos os casos de sucesso,por exemplo é natural que numa escola apenas um em cada 200 professores seja afro-descendente!
    Quanto á carreira politica vivemos em democracia,começamos pelos clubes de bairro e depois concorremos para as juntas de freguesia,para ganhar mérito politico!
    Mas se for reservado lugar na ar para os afrodescendentes,então e as outras comunidades?De notar que a cor da pele hoje não exclui socialmente:veja-se os indianos e os chineses…
    Portugal não é como os usa!
    Acabe-se com as queixinhas e certa demagogia!!!

    • O exemplo que dá é bem ilustrativo e bem podem os “maltratados” pôr mãos a obra e fazer pela vida como todos fazemos. “direito à representatividade”?, não!, não há direitos sem obrigações.. só no trabalho está o sucesso. Trabalhem que eu também.

  7. Segundo uma notícia (“Todos os homens portugueses e espanhóis foram exterminados há 4500 anos”) aqui apresentada ontem, a culpa não será dos portugueses! Portanto, como estes já foram exterminados, queixem-se dos verdadeiros culpados, ok? 😀

"Árvores dinossauro". Bombeiros australianos conseguiram salvar floresta pré-histórica

Os bombeiros australianos conseguiram salvar dos incêndios uma floresta com árvores pré-históricas localizada no sudeste do país, anunciou o Governo. Em causa estão árvores da espécie Wollemia nobilis, vulgarmente conhecidas como Pinheiro de Wollemi, que se …

Príncipe Harry e Meghan renunciam aos títulos da realeza

O Palácio de Buckingham anunciou, este sábado, um acordo em que o príncipe Harry e a sua mulher renunciaram aos respetivos títulos, abandonando os deveres enquanto membros seniores da família real do Reino Unido e …

Polaris Slingshot chega ao mercado com um sistema de transmissão inovador

A nova versão do Polaris Slingshot vem equipado com um sistema de transmissão que mescla a condução do manual com o conforto do automático. Para quem não conhece o Polaris Slingshot, apresentado pela primeira vez em …

Turistas estão a invadir Hallstatt, a aldeia austríaca que terá inspirado "Frozen"

Considerado Património Mundial pela UNESCO desde 1997, Hallstatt, na Áustria, possui apenas 778 moradores e tem uma sequência de casas em estilo alpino. Em 2010, antes do lançamento do primeiro filme da Disney, "Frozen", a cidade …

Teerão vai enviar caixa negra do avião abatido para a Ucrânia

O Irão vai enviar para a Ucrânia as gravações da caixa negra do avião ucraniano que abateu acidentalmente, na semana passada, para que sejam sujeitas a análises adicionais. Hassan Rezaeifer, chefe de investigações de acidentes do …

António Folha já não é treinador do Portimonense

O treinador apresentou a demissão do comando técnico do Portimonense, este sábado, depois de perder na deslocação ao lanterna-vermelha Desportivo das Aves, por 3-0. "Antes de me fazerem qualquer pergunta sobre o jogo, queria transmitir que …

Há pombos cowboys em Las Vegas (e voluntários estão a tentar salvá-los)

Por alguma razão, alguém decidiu colar chapéus vermelhos minúsculos de cowboy em pombos de Las Vegas, nos Estados Unidos. Agora, a equipa do Lofty Hopes Pigeon Rescue está a tentar salvá-los. Há uma missão para resgatar …

Youtube encaminha milhões de utilizadores para desinformação climática

Os algoritmos do YouTube estão a encaminhar milhões de utilizadores de vídeos de empresas para a desinformação sobre as alterações climáticas, através de serviços de publicidade online, de acordo com uma investigação da comunidade virtual …

Paulo Gomes é o novo presidente do Vitória de Setúbal

O ex-vice-presidente, líder da lista D, foi eleito presidente do Vitória de Setúbal para o mandato 2020-2023, com um total de 875 votos. Paulo Gomes, de 50 anos, foi o mais votado das cinco listas candidatas, …

O mercado online de leite materno está a crescer (mas pode ser mau para os bebés)

https://vimeo.com/385229063 Para os pais que querem que o seu filho beba leite materno, mas que não conseguem produzi-lo, a possibilidade de o poder comprar na Internet pode parecer uma boa solução. No entanto, este mercado não …