Associação das Vítimas de Pedrógão Grande teme que tragédia se repita

António Cotrim / Lusa

A presidente da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande disse esta quarta-feira que não “vive descansada” por temer que se volte a repetir a tragédia de 17 de junho de 2017, que provocou 66 vítimas mortais.

“Não vivo descansada a cada dia que passa porque sei que, eventualmente, poderá existir outro 17 de junho na minha vida ou de outras pessoas”, disse Dina Duarte na comissão eventual de Inquérito Parlamentar à atuação do Estado na atribuição de apoios na sequência dos incêndios de 2017 na zona do Pinhal Interior, na Assembleia da República.

O incêndio que deflagrou a 17 de junho de 2017 em Pedrógão Grande alastrou aos concelhos vizinhos, com maior intensidade em Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, e provocou 66 mortos e 254 feridos, destruindo meio milhar de casas e 50 empresas.

Ouvida na tarde desta quarta-feira a requerimento dos grupos parlamentares do PS e do CDS-PP, a dirigente defendeu uma mudança de mentalidades, através da educação, para se começar a alterar o tipo de floresta em Portugal, nomeadamente a monocultura.

Segundo Dina Duarte, “temos de pensar diferente, uma solução diferente em termos florestais, porque não vivo numa floresta, vivo numa monocultura, que não me dá segurança nenhuma, nem a mim nem aos meus vizinhos”.

“É difícil deixar de ter eucalipto porque não temos capacidade económica para arrancar as cepas e porque não há capacidade económica do Estado para arrancar as cepas que estão à beira das estradas, dentro dos 10 ou dos 20 metros para cada lado”, frisou em resposta ao deputado João Almeida do CDS-PP.

A presidente da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande considera que mudar mentalidades “é muito difícil”, mas que esse é o caminho para se abandonar “uma imensa monocultura, que não dá segurança nenhuma”.

Há pessoas que perderam familiares [no incêndio de 17 de junho de 2017] e continuam a plantar eucaliptos perto de casa”, lamentou Dina Duarte, dizendo-se triste por perceber que “as mentalidades não mudaram” e que estão todos à espera “que venha outro incêndio, porque vai voltar a acontecer”.

“Para mim é muito triste viver numa zona ou num país em que se pensa que todos os anos tem de haver um incêndio”, acrescentou a dirigente, criticando o inconformismo que acabou por se estabelecer após a tragédia de junho de 2017.

Salientando que tem existido “algum trabalho” na limpeza de bermas e faixas de proteção, a presidente da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande questiona se é “solução andar-se permanentemente a limpar”.

Dina Duarte interroga-se se existe capacidade económica de um país como Portugal para limpar “todas as bermas de todas as estradas” e se é solução um privado “limpar três, quatro vezes o mesmo terreno e continuar a tê-lo sujo” e sujeito a arder se houver um incêndio.

Tem-se limpo alguma coisa. Em junho limparam e, em setembro, três ou quatro meses volvidos, precisa de ser limpo outra vez”, sublinhou a dirigente associativa, que, na audição parlamentar, também se mostrou abalada pelas suspeições levantadas a propósito da reconstrução das habitações no território afetado.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O vulcão em erupção na Islândia está agora à venda

O vulcão no sudoeste da Islândia, na Península de Reykjanes, que entrou em erupção no final de março, está agora à venda (e já há várias propostas em cima da mesa). De acordo com o jornal …

Após críticas, Cravinho garante que cartões de Antigo Combatente já estão a ser enviados

O Ministro da Defesa garantiu hoje que os cartões de Antigo Combatente já estão a ser produzidos e alguns já foram distribuídos aos beneficiários, assegurando que o processo vai continuar. João Gomes Cravinho abordou o tema …

Palácio onde Churchill nasceu muda nome do "Quarto Indiano" (para afastar polémica sobre ligações coloniais)

O Palácio de Blenheim mudou o nome da sua “Sala Indiana” para evitar polémica sobre ligações coloniais numa nova exposição sobre Winston Churchill. Uma exposição intitulada "O Grande Britânico" no local de nascimento do líder do …

militares a cantar hino do Sporting na parada

Exército investiga vídeo de militares a cantar hino do Sporting na parada

O vídeo que mostra recrutas de um quartel do Funchal, na Madeira, a entoar cânticos de apoio ao Sporting durante uma parada militar está a ser investigado pelo Exército. O episódio terá acontecido depois de …

Autoridade Marítima diz que multas nas praias ainda não podem ser aplicadas

A Autoridade Marítima Nacional explicou hoje que a fiscalização das praias se vai pautar pela sensibilização para o cumprimento das medidas de prevenção da covid-19, indicando que as coimas por incumprimento só podem ser aplicadas …

Trabalhadores das cantinas e refeitórios em greve na 2.ª feira por aumentos salariais

Os trabalhadores das cantinas, refeitórios, fábricas de refeições e bares concessionados vão estar em greve na segunda-feira, por aumentos salariais, segundo a Federação dos Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (FESAHT). Além …

469 novos casos, 7 mortes e 386 recuperados em Portugal nas últimas 24 horas

Portugal registou, nas últimas 24 horas, sete mortes atribuídas à covid-19 e 469 novos casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, segundo o boletim epidemiológico da Direção Geral da Saúde. O número de internamentos continua a descer. …

Limpeza, segurança e discrição. O Monte de Saint Michael procura um "rei" para o seu castelo

O Monte de Saint Michael, uma fortificação histórica na Cornualha, está a procura de um "rei". O trabalho inclui a responsabilidade pela segurança e proteção do castelo.  Abriram as inscrições para um "oficial do castelo" residente …

China cancela subidas ao Evereste por receio de casos vindos do Nepal

A China cancelou as permissões de escalar o Monte Evereste do seu lado do pico mais alto do mundo devido ao receio de importar casos de covid-19 do vizinho Nepal, noticiou a imprensa estatal. O encerramento …

Marcelo e Ferro repudiam identificação “inaceitável” de deputada em notícia da Lusa

O Presidente da República e o presidente da Assembleia da República condenaram a “lamentável notícia” da Lusa na qual se identificava a deputada do PS, Romualda Fernandes, de modo “a todos os títulos inaceitável”. A …