Associação das Vítimas de Pedrógão Grande teme que tragédia se repita

António Cotrim / Lusa

A presidente da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande disse esta quarta-feira que não “vive descansada” por temer que se volte a repetir a tragédia de 17 de junho de 2017, que provocou 66 vítimas mortais.

“Não vivo descansada a cada dia que passa porque sei que, eventualmente, poderá existir outro 17 de junho na minha vida ou de outras pessoas”, disse Dina Duarte na comissão eventual de Inquérito Parlamentar à atuação do Estado na atribuição de apoios na sequência dos incêndios de 2017 na zona do Pinhal Interior, na Assembleia da República.

O incêndio que deflagrou a 17 de junho de 2017 em Pedrógão Grande alastrou aos concelhos vizinhos, com maior intensidade em Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, e provocou 66 mortos e 254 feridos, destruindo meio milhar de casas e 50 empresas.

Ouvida na tarde desta quarta-feira a requerimento dos grupos parlamentares do PS e do CDS-PP, a dirigente defendeu uma mudança de mentalidades, através da educação, para se começar a alterar o tipo de floresta em Portugal, nomeadamente a monocultura.

Segundo Dina Duarte, “temos de pensar diferente, uma solução diferente em termos florestais, porque não vivo numa floresta, vivo numa monocultura, que não me dá segurança nenhuma, nem a mim nem aos meus vizinhos”.

“É difícil deixar de ter eucalipto porque não temos capacidade económica para arrancar as cepas e porque não há capacidade económica do Estado para arrancar as cepas que estão à beira das estradas, dentro dos 10 ou dos 20 metros para cada lado”, frisou em resposta ao deputado João Almeida do CDS-PP.

A presidente da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande considera que mudar mentalidades “é muito difícil”, mas que esse é o caminho para se abandonar “uma imensa monocultura, que não dá segurança nenhuma”.

Há pessoas que perderam familiares [no incêndio de 17 de junho de 2017] e continuam a plantar eucaliptos perto de casa”, lamentou Dina Duarte, dizendo-se triste por perceber que “as mentalidades não mudaram” e que estão todos à espera “que venha outro incêndio, porque vai voltar a acontecer”.

“Para mim é muito triste viver numa zona ou num país em que se pensa que todos os anos tem de haver um incêndio”, acrescentou a dirigente, criticando o inconformismo que acabou por se estabelecer após a tragédia de junho de 2017.

Salientando que tem existido “algum trabalho” na limpeza de bermas e faixas de proteção, a presidente da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande questiona se é “solução andar-se permanentemente a limpar”.

Dina Duarte interroga-se se existe capacidade económica de um país como Portugal para limpar “todas as bermas de todas as estradas” e se é solução um privado “limpar três, quatro vezes o mesmo terreno e continuar a tê-lo sujo” e sujeito a arder se houver um incêndio.

Tem-se limpo alguma coisa. Em junho limparam e, em setembro, três ou quatro meses volvidos, precisa de ser limpo outra vez”, sublinhou a dirigente associativa, que, na audição parlamentar, também se mostrou abalada pelas suspeições levantadas a propósito da reconstrução das habitações no território afetado.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting 2-1 Santa Clara | Super-Coates volta a ser herói

Arrancado a ferros… à campeão? O Sporting esteve a poucos segundos de registar o terceiro empate em casa, perante um Santa Clara que não foi em nada inferior aos “leões” e até conseguiu ser superior em …

Os gatos demonstram ser menos leais do que os cães (mas pode haver uma razão)

Ainda existe um estereótipo sobre a diferença entre cães e gatos. Normalmente as pessoas associam os cães a animais amorosos e leais, enquanto os gatos são tidos como distantes e indiferentes. Um novo estudo pode …

O mistério do "lago dos esqueletos" na Índia intriga cientistas há décadas

O Roopkund, localizado na parte indiana dos Himalaias, é um lago glacial com centenas de ossos humanos. E ninguém sabe como foram lá parar. Em 1942, um guarda florestal revelou ao mundo a existência deste lago …

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …