Associação das Vítimas de Pedrógão Grande teme que tragédia se repita

António Cotrim / Lusa

A presidente da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande disse esta quarta-feira que não “vive descansada” por temer que se volte a repetir a tragédia de 17 de junho de 2017, que provocou 66 vítimas mortais.

“Não vivo descansada a cada dia que passa porque sei que, eventualmente, poderá existir outro 17 de junho na minha vida ou de outras pessoas”, disse Dina Duarte na comissão eventual de Inquérito Parlamentar à atuação do Estado na atribuição de apoios na sequência dos incêndios de 2017 na zona do Pinhal Interior, na Assembleia da República.

O incêndio que deflagrou a 17 de junho de 2017 em Pedrógão Grande alastrou aos concelhos vizinhos, com maior intensidade em Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, e provocou 66 mortos e 254 feridos, destruindo meio milhar de casas e 50 empresas.

Ouvida na tarde desta quarta-feira a requerimento dos grupos parlamentares do PS e do CDS-PP, a dirigente defendeu uma mudança de mentalidades, através da educação, para se começar a alterar o tipo de floresta em Portugal, nomeadamente a monocultura.

Segundo Dina Duarte, “temos de pensar diferente, uma solução diferente em termos florestais, porque não vivo numa floresta, vivo numa monocultura, que não me dá segurança nenhuma, nem a mim nem aos meus vizinhos”.

“É difícil deixar de ter eucalipto porque não temos capacidade económica para arrancar as cepas e porque não há capacidade económica do Estado para arrancar as cepas que estão à beira das estradas, dentro dos 10 ou dos 20 metros para cada lado”, frisou em resposta ao deputado João Almeida do CDS-PP.

A presidente da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande considera que mudar mentalidades “é muito difícil”, mas que esse é o caminho para se abandonar “uma imensa monocultura, que não dá segurança nenhuma”.

Há pessoas que perderam familiares [no incêndio de 17 de junho de 2017] e continuam a plantar eucaliptos perto de casa”, lamentou Dina Duarte, dizendo-se triste por perceber que “as mentalidades não mudaram” e que estão todos à espera “que venha outro incêndio, porque vai voltar a acontecer”.

“Para mim é muito triste viver numa zona ou num país em que se pensa que todos os anos tem de haver um incêndio”, acrescentou a dirigente, criticando o inconformismo que acabou por se estabelecer após a tragédia de junho de 2017.

Salientando que tem existido “algum trabalho” na limpeza de bermas e faixas de proteção, a presidente da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande questiona se é “solução andar-se permanentemente a limpar”.

Dina Duarte interroga-se se existe capacidade económica de um país como Portugal para limpar “todas as bermas de todas as estradas” e se é solução um privado “limpar três, quatro vezes o mesmo terreno e continuar a tê-lo sujo” e sujeito a arder se houver um incêndio.

Tem-se limpo alguma coisa. Em junho limparam e, em setembro, três ou quatro meses volvidos, precisa de ser limpo outra vez”, sublinhou a dirigente associativa, que, na audição parlamentar, também se mostrou abalada pelas suspeições levantadas a propósito da reconstrução das habitações no território afetado.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Vacina da gripe disponível para mais grupos. Farmácias temem não ter stock suficiente

A vacina da gripe está, a partir desta segunda-feira, disponível para mais grupos populacionais com o início da segunda fase da campanha, que estende a vacinação a pessoas com 65 ou mais anos e pessoas …

Franceses em protesto para homenagear professor decapitado. Autoridades procuram radicais islâmicos

Milhares de pessoas reuniram-se no domingo no centro de Paris numa demonstração de repúdio pela decapitação do professor que mostrou aos seus alunos desenhos do Profeta Maomé. Os manifestantes da Praça da República ergueram cartazes onde …

Proud Boys acreditam na vitória de Trump: "Vamos Ganhar". Voto antecipado começa hoje na Florida

O líder do grupo Proud Boys disse à Lusa, durante uma manifestação em Miami, que Donald Trump vai vencer as eleições presidenciais norte-americanas, e rejeitou a acusação de que é dirigente de uma organização extremista. …

Projeto desenvolve testes rápidos de baixo custo para detetar imunidade

Um consórcio de universidades e uma empresa querem desenvolver "testes rápidos e de baixo custo" para detetar a resposta imunitária ao vírus SARS-CoV-2. O projecto TecniCov, que "obteve um financiamento de 450 mil euros da Agência …

"Medo constante". Human Rights Watch denuncia tortura na Coreia do Norte

Uma organização não-governamental denunciou esta segunda-feira que o sistema norte-coreano de detenção pré-julgamento e de investigação é cruel e arbitrário, com ex-detidos a descreverem tortura sistemática, corrupção e trabalhos forçados não-remunerado. No relatório de 88 páginas, …

"Cibermáfia". Rede de criminosos "lavou" milhões de euros em Bancos portugueses

Uma rede de criminosos com origem na Europa de Leste montou um esquema de lavagem de dinheiro roubado em ataques informáticos através de Bancos de países como Portugal. Esta "cibermáfia", como é apelidada pelo Jornal de …

Diplomatas chineses e taiwaneses entram em confronto físico nas ilhas Fiji

Diplomatas da China e funcionários do Governo de Taiwan entraram em confronto físico durante uma receção nas ilhas Fiji, que marcou o dia nacional de Taiwan, ilustrando a crescente tensão entre Pequim e Taipé. A luta …

Mais 1.949 infetados, 17 mortes e 966 recuperados. Portugal passa barreira dos 100 mil casos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 1.949 casos de covid-19, 17 mortes associadas à doença e 966 recuperados, de acordo com o boletim da Direção-Geral da Saúde publicado esta segunda-feira. O número total de infeções …

Lagarde defende que o fundo de recuperação se torne permanente (e admite mais estímulos)

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, defendeu, em entrevista ao Le Monde, que o Fundo de Recuperação se torne uma ferramenta permanente. Em entrevista ao jornal francês Le Monde, citada pela Bloomberg, Christine …

Reino Unido acusa Bruxelas de não querer acordo pós-Brexit

O Reino Unido acusa Bruxelas de não querer iniciar um projeto de acordo pós-Brexit, mas espera que União Europeia "mude de posição". O Governo britânico acusa Bruxelas de não querer intensificar os contactos com o Reino …