Assassino em fuga durante 37 anos tornou-se escritor de romances policiais de sucesso

O antigo militante comunista italiano Cesare Battisti, procurado por quatro homicídios durante os anos 1970 e capturado no sábado na Bolívia, chegou esta segunda-feira a Roma.

Segundo as autoridades, o fugitivo de 64 anos foi extraditado depois de ter sido detido na cidade de Santa Cruz de La Sierra numa operação policial internacional.

Após uma fuga da prisão em Itália, Battisti viveu vários anos no Brasil mas desapareceu novamente depois de um mandado de prisão ter sido emitido no mês passado.

O ministro italiano do Interior, Matteo Salvini, confirmou que Battisti foi entregue às autoridades italianas e que um avião fretado tinha partido da Bolívia. “O avião com Cesare Battisti acabou de descolar em direção a Itália. Estou orgulhoso e comovido”, escreveu no Twitter.

Battisti foi preso por uma equipa especial da Interpol no sábado, por volta das 17h00 locais (21h em Lisboa) numa rua de Santa Cruz de La Sierra. Estava sozinho e usava óculos escuros e uma barba falsa, de acordo com o jornal italiano Corriere della Sera. Battisti não resistiu nem tentou escapar, segundo as autoridades.

O avião tinha descolado de Vira Viru, em Santa Cruz de La Sierra, a 850 quilómetros da capital da Bolívia, La Paz. Matteo Salvini estava à espera de Cesare Battisti no aeroporto e transmitiu em direto, através das redes sociais, a chegada a Roma.

Logo que aterrou, Cesare Battisti foi levado para a prisão de Rebibbia, onde ficará preso no circuito de alta segurança reservado a terroristas. Nos primeiros seis meses ficará em isolamento diurno.

Fugitivo tornou-se escritor de sucesso

Em 1979, Battisti foi condenado por pertencer a um grupo de extrema-esquerda ilegalizado em Itália, os Proletários Armados pelo Comunismo. Dois anos depois, escapou da prisão.

Mais tarde, viria a ser condenado na sua ausência por responsabilidade direta ou indireta em quatro homicídios. Em 1993, foi condenado à prisão perpétua pelos assassinatos, entre 1977 e 1979, de quatro pessoas: dois polícias, um açougueiro e um joalheiro. Em dois deles, foi condenado como autor do homicídio. Nos outros, como organizador.

Battisti admite ter feito parte dos PAC mas nega responsabilidade nos homicídios. Depois de se evadir da prisão italiana, fugiu para o México. A partir de 1990, viveu em França, onde o então Presidente François Mitterrand recusou a extradição. Em França, tornou-se um escritor famoso e publicou romances policiais nos quais analisava a sua experiência na luta armada.

O italiano chegou ao Brasil em 2004. Em novembro de 2009, o plenário do Supremo Tribunal Federal autorizou a extradição pedida por Itália. No entanto, no último dia do seu mandato, a 31 de dezembro de 2010, o então Presidente Lula da Silva negou a extradição e autorizou Battisti a permanecer no Brasil.

No mês passado, voltou a desaparecer depois de um mandado de prisão ter sido emitido.

Segundo o El País, Cesare Battisti conta que passou a sua vida a trabalhar como escritor e jornalista e que não é “o monstro” que o Governo italiano descreve.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

"Não ficaria surpreendido com um regresso de Ronaldo ao Real Madrid"

O internacional português José Fonte revelou que não ficaria surpreendido com um eventual regresso de Cristiano Ronaldo ao Real Madrid. "Sei que o [Cristiano Ronaldo] ama Madrid, isso é certo. É claro que adora o …

Robôs substituem estudantes em cerimónia de graduação no Japão

Impedidos de estarem na sua cerimónia de graduação por causa do novo coronavírus, estudantes japoneses marcaram presença com a ajuda de robôs. Com as universidades fechadas devido à pandemia de covid-19, muitos foram os estudantes universitários …

Governo flexibiliza prescrição eletrónica de medicamentos

Esta quinta-feira, foi publicado em Diário da República o decreto-lei que cria o regime excecional de prescrição eletrónica de medicamentos durante o estado de emergência. O Governo criou um regime excecional de prescrição eletrónica de …

Médicos imigrantes impedidos de ajudar a combater o coronavírus nos EUA

Devido às regras dos vistos, muitos médicos imigrantes estão a ser proibidos de ajudar a combater a pandemia de covid-19 fora do hospital em que trabalham. Os Estados Unidos continuam a sentir em força as consequências …

Espanha insiste em emissão conjunta de dívida europeia "a médio prazo"

A ministra da Economia espanhola diz que o acordo alcançado pelo Eurogrupo "fazia falta", mas insiste que haja emissão conjunta de dívida europeia "a médio prazo". O Parlamento espanhol aprovou, entretanto, a renovação do estado …

Hyundai apresenta conceito de novo elétrico conduzido com joysticks

A Hyundai apresentou o conceito para um novo veículo, chamado Prophecy. O carro elétrico não é guiado pelo tradicional volante, mas sim por dois joysticks. As feiras automóveis estão todas interrompidas devido à pandemia de covid-19, …

Hospital da Cruz Vermelha excluído da rede de combate à pandemia

O Hospital da Cruz Vermelha não vai integrar a "rede covid", criada em resposta à pandemia do novo coronavírus, anunciou esta quinta-feira o executivo, realçando que esta decisão é tomada porque, face à situação atual, …

Coronavírus. Luvas de látex são perigosas quando não utilizadas corretamente

Quase como acontece com as máscaras, caso não sejam utilizadas corretamente, as luvas descartáveis de látex podem ser perigosas, ajudando a disseminar mais facilmente o vírus. A pandemia de covid-19 despertou grande interesse de como as …

Bloco de Esquerda "não vai aceitar austeridade" no pós-pandemia

A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda diz que "não vai aceitar austeridade" em 2021, após a pandemia da covid-19, e garantiu que, pelo seu partido, "não faltará maioria" para ajudar Portugal a sair de …

Em Canonica d'Adda, homens e mulheres têm dias diferentes para ir às compras

A presidente da câmara de uma pequena cidade da Lombardia, Canonica d'Adda, em Itália, decidiu que homens e mulheres terão dias diferentes para fazer compras, visando limitar a multidão nas lojas e lutar contra a …