As sapatilhas Sanjo estão de volta

SanjoOriginal / Facebook

-

A Sanjo, líder nas vendas de ténis em Portugal até à década de 70, anunciou esta terça-feira que retomou a produção nacional e que vai vender na Amazon a nova colecção.

“Passámos de uma empresa que importava o seu produto, para passar a produzi-lo a 100% em Portugal e a exportá-lo para o mundo, o que faz com que a empresa contribua para a economia nacional de uma forma positiva”, afirmou o gerente Paulo Fernandes, em declarações à agência Lusa.

Trinta anos depois de a histórica fábrica de São João da Madeira, propriedade do grupo líder na produção de chapéus no país, ter praticamente deixado de produzir as sapatilhas Sanjo, com o fim das restrições nacionais às importações de produtos a partir do início dos anos 80, a marca retoma a sua produção nacional.

A retoma da produção nacional, mais do que um objectivo desde 2010, começou a ser uma necessidade sentida, uma vez que o mercado asiático da produção de calçado deixou de satisfazer as exigências, com as empresas a terem de enfrentar a concorrência e saberem ser competitivas ao mesmo tempo.

“Quando queríamos produzir uma nova cor para acompanhar as tendências da moda, só era possível com a produção de quantidades elevadas e depois o retorno das vendas não acompanhava o volume produzido. Depois deparávamo-nos com o problema do tempo do transporte, porque estávamos dependentes do tempo, do embarque ou do alfandegamento”, explicou Paulo Fernandes.

SanjoOriginal / Facebook

-

“O tempo desde fazer a encomenda até receber a mercadoria demora entre quatro e seis meses”, lembrou.

A saída da Ásia é também justificada com a opção de manter o modelo histórico da marca, que voltou a fazer parte das tendências da moda, correspondendo aos mercados mais exigentes.

Para “cumprir todas as normas europeias de construção de calçado respeitando o meio ambiente e para que nenhum país tenha qualquer restrição de importação da marca Sanjo, tivemos de encontrar máquinas e adaptá-las” com tecnologia de produção inovadora, a maior dificuldade para os investidores nos últimos dois anos.

A empresa, que em 2009 comprou a marca com 80 anos, investiu meio milhão de euros para meter a laborar, na Venda do Pinheiro, concelho de Mafra, uma pequena unidade de produção, que permitiu criar 14 postos de trabalho directos e mais de 60 indirectos.

A empresa optou por comprar a matéria-prima a unidades fabris nacionais especializadas no corte e costura e na produção de palmilhas, solas ou atacadores.

Na fábrica, trabalham 14 pessoas que se dedicam a trabalhos de finalização do calçado ao longo da linha de montagem, com capacidade para produzir 150 mil pares de sapatos por ano, mas que está a produzir à medida das necessidades de consumo.

A empresa já está a exportar a produção, sendo França, Alemanha e Inglaterra os principais mercados.

“Temos muito orgulho em sermos portugueses, mas pela dimensão do país e pelo investimento que fizemos, temos forçosamente de direccionar mais de 50% da produção para exportação dentro de dois anos como uma forma de estar no mercado e aumentar vendas”, adiantou Paulo Fernandes.

Com ténis a custar entre 50 e 60 euros, a primeira produção nacional chega ao mercado com 10 modelos diferentes e cerca de 60 padrões de cores não só no modelo histórico, mas em novos modelos, fabricados a partir de matérias-primas como a pele ou a camurça, e vai estar sempre a produzir novidades, “para acompanhar as novas tendências da moda que chegam constantemente ao mercado e abranger todas as faixas etárias”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Procura mundial de petróleo pode alcançar o seu nível mais baixo numa década por causa do coronavírus

O surto de coronavírus afetará de forma "significativa" a procura global por petróleo, podendo esta atingir o seu nível de procura mais baixo numa década, alerta a Agência Internacional de Energia (IEA). Com a desaceleração da …

Vitória SC 1-2 Porto | “Dragão” cola-se à liderança

A Liga NOS está ao rubro. O FC Porto foi a Guimarães vencer o Vitória SC por 2-1 e está a apenas um ponto da liderança do campeonato, na sequência da derrota do Benfica no …

Ventura não faz "fretes". Chega não viabilizará Governo do PSD se não houver cedências

Para governar com a direita, o PSD precisa do recém-eleito Chega. No entanto, há características que separam os partidos: enquanto que os sociais-democratas se querem estabelecer ao centro, André Ventura estabelece linhas vermelhas e não …

Egito atinge 100 milhões de habitantes (mas não há grandes motivos para celebrar)

A população do Egito atingiu os 100 milhões de habitantes, tornando-se no país árabe mais populoso e o terceiro em África atrás da Etiópia e da Nigéria, anunciaram ontem as autoridades. O calculador eletrónico instalado no …

Coronavírus: Há mais dois casos suspeitos em Portugal

Há mais dois casos suspeitos de infeção por coronavírus em Portugal. Os doentes, que vieram da China, já foram encaminhados para o Hospital Curry Cabral, em Lisboa, e para o Hospital de São João, no …

Morreu o ator Tozé Martinho

O ator António José Bastos de Oliveira Martinho, mais conhecido como Tozé Martinho, morreu este domingo aos 72 anos. Tozé Martinho morreu este domingo, aos 72 anos. O ator foi levado para o Hospital de Cascais, …

NASA já tem um preço para a próxima alunagem

O responsável pelos voos tripulados da NASA, Doug Loverro, revelou esta semana que a agência espacial vai precisar de  35 mil milhões de dólares nos próximos quatro anos para conseguir voltar a pisar a Lua …

Covid-19: FMI admite que crescimento mundial desça para 3,1% este ano

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional admitiu este domingo que a previsão de 3,3% para o crescimento da economia mundial possa descer 0,1 ou 0,2 pontos percentuais devido à propagação do coronavírus. "Por enquanto, a nossa …

Próximo Orçamento tem de começar a ser apresentado em abril (mas Centeno não o fará)

As novas regras de desenho de orçamentos vão ser novamente adiadas, avança este domingo o semanário Expresso. A equipa das Finanças já está concentrada no próximo Orçamento do Estado. No entanto, apesar de haver uma lei …

Exército do Canadá quer saia da farda mais curta para atrair mulheres

Para aumentar o alistamento de mulheres, o exército do Canadá está a considerar fazer alterações à farda, encurtando as saias, e referir-se às medalhas como "bling", palavra em inglês usada para se referir acessórios caros …