/

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

1

(dr)

Abu Bakr al-Baghdadi, líder do grupo terrorista Estado Islâmico

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados.

Não é sempre que os regimes mirram e deixam uma grande quantidade de documentos para a posteridade. Aconteceu na Alemanha com o Terceiro Reich nazi e sob a República Democrática Alemã. Agora, até certo ponto, temos evidências semelhantes da vida sob o governo do Estado Islâmico.

A rede terrorista ainda existe, com muitos capítulos ativos no Médio Oriente, Ásia e África. Mas elas funcionam como organizações terroristas “normais” e não controlam o território. O califado, na sua antiga encarnação de “organização semi-estatal” em e ao redor de Mosul e Raqqa, já não existe.

Mas através do ISIS Files Project, do Programa sobre Extremismo da Universidade George Washington, aos poucos as diferentes instituições, braços burocráticos e políticas do califado do ISIS estão a ser reconstruidas e analisadas.

Investigadores foram solicitados a examinar os arquivos recuperados e originados da polícia do Estado Islâmico, a shurta, para ver que o que esclarecem sobre a forma como o califado funcionava no terreno, em particular na interação com a população daquela região.

O Estado Islâmico usou a sua organização policial para criar um nível de apoio entre os habitantes do califado, proporcionando-lhes um certo grau de ordem e segurança públicas.

Isto pode soar contraintuitivo, uma vez que o ISIS dirigia um regime de terror e coerção implícita e atrocidades sempre pairavam sobre a cabeça das pessoas. No entanto, antes que o califado fosse proclamado, a liderança do Estado Islâmico publicou um “Documento para a cidade”. Implicava uma espécie de contrato social, em que oferecia “segurança e proteção” aos habitantes, “sem corrupção”.

E, de facto, as esquadras de polícia foram atendidas imediatamente, mais de 3.000 policiais foram contratados e pagos com salários tão altos que o suborno e a corrupção eram quase inexistentes.

Outros instrumentos de justiça do Estado Islâmico, como a hisbah (a polícia moral) e o sistema de tribunais e prisões eram temidos pelas suas pesadas punições e práticas de tortura. A emni — diretoria de alta segurança e inteligência — por sua vez, era temida no exterior e domesticamente pela organização de ataques terroristas.

Ao contrário destes atos de terror descarados, a shurta conseguiu criar uma relação “eficaz” e até “produtiva” com o público. Nos arquivos da shurta foram encontradas centenas de reclamações entregues pela população.

Muitas delas eram sobre assuntos financeiros: sobre devedores que não pagavam as suas dívidas, rendas ou salários que não eram pagos ou dotes retidos. Mas também se relacionavam com questões “morais”: filhos de vizinhos a fumar ou familiares a jogar skat (um jogo de cartas proibido que envolve jogos de azar).

A shurta foi até mesmo invocada pelos pais para aconselhar nos casos em que filhos e filhas se comportavam mal.

O grande número dessas queixas e o seu conteúdo implicava um nível considerável de aceitação, cooperação e até mesmo legitimidade concedida ao califado pela população.

A shurta confiou em parte nas práticas historicamente bem conhecidas de um “estado espião” totalitário.

Investigadores falaram com várias pessoas que explicaram por que estavam dispostas a concordar com isso. Elas disseram que antes do califado ser estabelecido, a vida sob Assad na Síria ou no Iraque pós-Saddam para eles (predominantemente muçulmanos sunitas) era imprevisível e insegura:

“Soldados perambulavam pelas ruas, as nossas filhas estavam a ser violadas, sem mais nem menos. O Estado Islâmico trouxe-nos previsibilidade, até mesmo algum tipo de segurança”

Em contrapartida, tinham de cumprir, é claro, as regras do ISIS. A submissão a essa regra, que não era apenas militar e política, mas também religiosa e moral, era — no curto prazo e no contexto da guerra e da anarquia — o mal menor. Era até lucrativo até certo ponto, pois agora era muito mais fácil saldar dívidas e reclamar efetivamente de rendas e mesadas.

A maioria das reclamações foi resolvida “pacificamente”, através de práticas de reconciliação (incluindo rituais religiosos e leitura de surah do Alcorão) ou através de multas ou pedidos de desculpa.

Numa minoria dos casos, o conflito não poderia ser resolvido pela shurta e seria delegado aos tribunais. Poucos litigantes arriscariam um caso a ser encaminhado para essas autoridades, dada a probabilidade de punição corporal ou pior.

Com o objetivo de resolver conflitos “pacificamente”, através de práticas de reconciliação, a shurta parecia ecoar práticas locais mais antigas, mesmo otomanas-islâmicas, de gestão de conflitos e justiça retributiva.

O ISIS foi capaz de oferecer uma aparência de ordem e justiça dentro das fronteiras do califado. Ao mesmo tempo, as práticas de denúncia indicam divisões sociais mais profundas entre os residentes. A questão de até que ponto a denúncia era ideológica e religiosamente motivada permanece em aberto.

Olhando para as evidências do arquivo da maneira como as pessoas viviam sob o califado, parece que, na ausência de justiça e um Estado de direito eficiente, a shurta era uma força policial moderna, complexa e até eficiente, que funcionou como um instrumento de um sistema brutal, extremista e repressivo de Governo rebelde.

  ZAP // The Conversation

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.