Arábia Saudita vende prédio onde Jamal Khashoggi foi assassinado

A Arábia Saudita vendeu o edifício onde foi assassinado e desmembrado o jornalista Jamal Khashoggi. O prédio do Consulado, em Istambul, foi comprado há mais de um mês por menos de um terço do seu valor.

Segundo o jornal turco Habertürk, citado pelo Diário de Notícias, o edifício onde o jornalista saudita Jamal Khashoggi foi interrogado, torturado e assassinado foi vendido.

A Arábia Saudita decidiu vender o imóvel que albergava o consulado do país em Istambul, na Turquia, e pretende mudar os serviços diplomáticos para um novo local, perto do consulado dos Estados Unidos.

O edifício onde o jornalista foi assassinado acabou por ser vendido a um comprador desconhecido por um terço do seu valor.

Supostamente, as autoridades sauditas precisavam da aprovação do Ministério das Relações Exteriores da Turquia antes de prosseguir com a venda da propriedade. No entanto, um dos funcionários do Ministério adiantou ao Middle East Eye que a Turquia não tinha informações para confirmar o negócio.

De acordo com o DN, a decisão de transferir a delegação diplomática da Arábia Saudita para um novo prédio, situado no distrito de Sariyer, poderá estar relacionada com a possibilidade de existirem mais microfones espalhados pelo edifício.

O jornal turco refere ainda que, após o assassinato de Khashoggi, Riade enviou uma equipa para eliminar dispositivos de espionagem no prédio, mas a tarefa não terá sido concluída com sucesso. Nesse sentido, foi recomendada a mudança de instalações.

A venda do imóvel terá sido feita de forma “silenciosa”, durante o mês de agosto. Especialistas jurídicos, consultados pelo jornal Habertürk, referem, no entanto, que o prédio “ainda é um local de crime” e que as autoridades turcas podem ordenar o encerramento do edifício para que a investigação possa prosseguir.

Um relatório de Agnes Callamard, investigadora especial das Nações Unidas, adianta que o jornalista foi vítima de “uma execução deliberada, premeditada” e que o príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, devia ser alvo de sanções até conseguir provar que não teve qualquer responsabilidade.

O reino saudita tem negado o envolvimento do príncipe, alegando que a morte de Khashoggi resultou de uma operação não sancionada pelas autoridades e que Bin Salman não sabia de nada.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Concorrência condena MEO a pagar 84 milhões por combinar preços com a NOWO

A Autoridade da Concorrência (AdC) aplicou uma coima de 84 milhões de euros à MEO por combinar preços e repartir mercados com a operadora NOWO nos serviços de comunicações móveis e fixas. “A Autoridade da Concorrência …

PEV quer reverter privatização dos CTT. PS admite todos os cenários

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) defendeu hoje, no parlamento, a “reversão da nacionalização” dos CTT, e ouviu o PS admitir “todos os cenários”. Numa declaração política no parlamento, o deputado José Luís Ferreira afirmou que, …

Voltar à normalidade "não está longe, mas não é já", avisa Pfizer

O administrador executivo da Pfizer, Albert Bourla, apelou na quarta-feira para que os governos de todo o mundo não reabram as suas economias demasiado depressa devido ao otimismo gerado pelas vacinas de covid-19. Bourla, de 59 …

Biden quer retomar acordo nuclear com o Irão, embora reconheça que será "difícil"

O vencedor das eleições presidenciais norte-americanas, Joe Biden, pretende retomar o acordo nuclear com Irão antes mesmo de novas negociações, assumiu o democrata numa entrevista ao New York Times. Joe Biden afirmou, durante a campanha eleitoral, …

Processo de reprivaticação da Efacec atrasado devido à discussão do OE2021

Apesar de as avaliações no âmbito do processo de nacionalização e futura reprivatização da Efacec já estarem concluídas, o processo esteve condicionado pela discussão do Orçamento de Estado para 2021 (OE2021). De acordo com o Jornal …

Costa sobre vacinação: “Há uma luz ao fundo do túnel, mas o túnel é muito comprido e penoso”

O primeiro-ministro, António Costa, advertiu esta quinta-feira que o processo de vacinação terá imponderabilidades externas a Portugal, sendo também complexo ao nível interno, com as dificuldades a aumentarem quanto maior for o universo de cidadãos …

Alterações climáticas podem colapsar os sistemas de saúde, alertam especialistas

O quinto relatório anual da Lancet sobre saúde e clima revelou que todos os países enfrentam ameaças à saúde humana, "que se multiplicam e se intensificam" à medida que as alterações climáticas originam novas pandemias …

Obama, Bush e Clinton vão vacinar-se publicamente para encorajar os norte-americanos

Os ex-presidentes dos EUA Barack Obama, George W. Bush e Bill Clinton disseram que estão prontos para serem vacinados publicamente contra a covid-19, a fim de encorajar os seus concidadãos a fazer o mesmo. Obama disse …

Retenção na fonte mensal reduzida em cerca de 2%. Salários terão um "ligeiro aumento"

As retenções na fonte em 2021 sobre salários de trabalho dependente vão reduzir-se em cerca de 2% face às praticadas este ano e irão permitir um “ligeiro aumento” do rendimento líquido mensal, segundo simulações da …

Em março já deverá haver imunização “suficientemente grande” da população

O epidemiologista Manuel do Carmo Gomes defendeu esta quinta-feira que “se tudo correr normalmente” com a vacinação contra a covid-19, no final de março haverá uma imunização “suficientemente grande” na população para evitar “grandes aumentos …