Arábia Saudita está a construir um reator nuclear (e há quem esteja muito preocupado)

Los Alamos National Laboratory / NASA

Nos arredores de Riad, a Arábia Saudita está a construir um pequeno reator de pesquisa nuclear para a produção de energia. Embora seja um projeto pacífico, alguns especialistas estão preocupados devido à rivalidade que o país mantém com o Irão, que já possui tecnologia para auxiliar na construção de uma bomba.

O reator nuclear projetado pela Argentina produzirá apenas kilowatts de energia, uma pequena fração do que a Arábia Saudita precisa. Mas, segundo um artigo da NPR divulgado na segunda-feira, este é um sinal do que está por vir. O projeto inclui a produção de gigawatts de energia, para serem usadas em eletricidade e em dessalinização.

Os Estados Unidos (EUA) e outros países, como a Coreia do Sul e a China, estão a avançar nos planos para ajudar o programa nuclear civil da Arábia Saudita.

“A grande questão é se temos controle suficiente para confiar na Arábia Saudita, já que o país tem sido bem claro sobre as suas intenções caso as coisas corram mal com o Irão“, disse Sharon Squassoni, especialista nuclear e professora da Universidade George Washington, nos EUA.

Atualmente, a Arábia Saudita gera eletricidade com combustíveis fósseis. De acordo com Sharon Squassoni, há cerca de uma década o país começou a criar um plano ambicioso para um programa de energia nuclear — que continuou mesmo após o desastre de 2011, na central nuclear de Fukushima, no Japão.

“A maioria dos países estava a afastar-se da energia nuclear, mas a Arábia Saudita decidiu que este é o seu plano de longo prazo”, explicou a professora.

A especialista diz estar preocupada com o contínuo interesse da Arábia Saudita em energia nuclear, dado o seu alto custo e a facilidade com que o país pode adotar fontes de energia renovável, como a solar.

Mas o interesse pode fazer muito mais sentido quando consideramos a rivalidade com o Irão. Como referiu a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), o programa nuclear deste país teve no passado contornos militares. Hoje em dia, mantém infraestruturas que podem ser usadas para enriquecer urânio. Dependendo do nível de enriquecimento, esse material pode ser usado como combustível para reatores nucleares ou para criar os núcleos de bombas nucleares.

Desde 2015 que a AIEA monitoriza de perto as infraestruturas nucleares do Irão, no âmbito de um acordo internacional que congela o programa de enriquecimento de urânio de Teerão, em troca do alívio das sanções.

Mas a capacidade nuclear do Irão deixa a Arábia Saudita nervosa, lê-se no artigo da NPR. No ano passado, o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman alertou, no programa da CBS “60 Minutes”, que se o Irão tivesse uma bomba nuclear, a Arábia Saudita também teria. “Sem dúvida, se o Irão desenvolver uma bomba nuclear, seguiremos o exemplo o mais rapidamente possível”, afirmou.

Autoridades sauditas indicam que o novo reator de pesquisa em construção não tem nada a ver com bombas nucleares. Numa declaração à Bloomberg News, no mês passado, o Ministério de Energia, Indústria e Recursos Minerais da Arábia Saudita frisou que o objetivo do reator era “estritamente pacífico”.

“O projeto está em total conformidade com a AIEA e a estrutura internacional que rege a energia nuclear e seu uso pacífico”, apontava o comunicado.

Do ponto de vista técnico, o novo reator é demasiado pequeno e para ser útil na produção de bombas, considera Aaron Stein, diretor do programa para o Oriente Médio do Foreign Policy Research Institute, na Filadélfia (EUA). “Não é algo em que um país apostaria para lançar um programa de armamento nuclear”, explicou.

De fato, nem mesmo grandes centrais nucleares civis podem ser usadas para fabricar armas. No entanto, a Arábia Saudita não se manifestou sobre a pretensão de ter as suas próprias infraestruturas nucleares, além de centrais elétricas.

Embora essas infraestruturas podem ser legais – já que são usadas para enriquecer urânio para produção de eletricidade – Aaron Stein realça que uma decisão saudita de avançar nesse sentido “faria soar os alarmes a toda a região”.

A Administração Trump tem procurado um acordo de cooperação nuclear com a Arábia Saudita. Sharon Squassoni nota que tal acordo deve ser cuidadosamente elaborado. A especialista espera que os EUA obtenham garantias de que a Arábia Saudita não vai procurar tecnologia civil que lhe permita tornar-se uma potência nuclear.

A Embaixada da Arábia Saudita em Washington (EUA) não respondeu a um pedido da NPR para comentários sobre este tema.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Lixo espacial cadente iluminou os céus na Austrália

Na sexta-feira passada, pedaços de lixo espacial de um foguetão russo iluminaram os céus na Austrália. Os especialistas dividem-se na possibilidade de bocados dele caírem na Terra. Na sexta-feira passada, num final de tarde como tantos …

Cientistas criaram uma borracha que até rasga (mas concerta-se sozinha)

Investigadores da Universidade Flinders, na Austrália, desenvolveram um novo tipo de borracha que consegue regenerar sozinha. A equipa de investigadores da universidade australiana criou um novo tipo de borracha e um catalisador que, em conjunto, podem …

Dez anos depois, voltou a ser avistado um guepardo do noroeste africano

Naturalistas na Argélia filmaram um guepardo do noroeste africano, uma subespécie listada na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) como estando em "perigo crítico", pela primeira vez em dez anos. De acordo …

NASA dedica novo telescópio a Nancy Grace Roman, a "mãe" do Hubble

A NASA renomeou o telescópio Wide Field Infrared Probing Telescope (WFIRST) em homenagem a Nancy Grace Roman, a mãe do Hubble. A NASA batizou o seu telescópio espacial de última geração, atualmente em desenvolvimento, - o …

Guitarrista dos Queen teve um ataque cardíaco que o deixou às portas da morte

Brian May, guitarrista dos Queen, sofreu um ataque cardíaco que o deixou às portas da morte, anunciou o próprio músico, de 72 anos. May partilhou um vídeo no Instagram no qual conta todo o episódio. Tudo …

"Missão Tianwen". China planeia lançar sonda para Marte em julho

A China planeia lançar uma sonda e um pequeno robô de controlo remoto para Marte, em julho, na sua primeira missão ao Planeta Vermelho, anunciou esta segunda-feira a agência responsável pelo projeto. "O nosso objetivo era …

Bairros de lata são incubadoras de covid-19, mas ninguém ajuda os milhões que lá vivem

Bairros de lata, como as favelas, são consideradas incubadores de covid-19. No entanto, pouca atenção lhes tem sido dada na resposta à pandemia. Tendo devastado algumas das cidades mais ricas do mundo, a pandemia do novo …

Morreu Saturn, o jacaré que sobreviveu a um bombardeamento da II Guerra (e que se diz que pertenceu a Hitler)

Saturn, um jacaré norte-americano de 84 anos, morreu esta sexta-feira no jardim zoológico de Moscovo, na Rússia, anunciou a instituição na sua conta de Facebook, dando conta que o animal morreu de velhice. O réptil …

Antiviral Remdesivir pode ser eficaz no combate à covid-19

O antiviral Remdesivir é eficaz contra a covid-19 caso seja administrado antes dos pacientes necessitarem de ventilação mecânica, indica um ensaio internacional com este medicamento, coordenado pelo Hospital Can Ruti, em Badalona, Barcelona, Espanha. Segundo um …

Há uma misteriosa ilha em Nova Iorque que quase ninguém pode visitar (e está abandonada)

A menos de 1,6 quilómetros de Manhattan, em Nova Iorque, localiza-se uma misteriosa ilha abandonada há mais de meio século. É preciso ter autorização do New York City Department of Parks and Recreation para visitar …