Aprovado prolongamento do estado de emergência. PSD votou a favor (com “farpas” à mistura)

António Cotrim / Lusa

A Assembleia da República renovou esta sexta-feira, com os votos favoráveis do PS, PSD e da deputada não inscrita Cristina Rodrigues, o estado de emergência para permitir medidas de contenção da covid-19.

Votaram contra PCP, PEV, Chega e Iniciativa Liberal. Abstiveram-se Bloco de Esquerda, PAN, CDS e a deputada não inscrita Joacine Katar Moreira.

O decreto agora aprovado renova o estado de emergência por 15 dias, mas sinaliza já outro prolongamento, até 7 de janeiro, permitindo assim ao Governo adotar medidas abrangendo o Natal e Ano Novo.

PS e PSD voltaram a manifestar-se a favor do projeto de decreto presidencial para prorrogação do estado de emergência, agora até ao próximo dia 23, embora os sociais-democratas tenham feito críticas à atuação do Governo.

Estas posições das duas maiores bancadas parlamentares – ambas em defesa dos resultados das medidas tomadas para a contenção da covid-19, com o país em estado de emergência – foram transmitidas pela vice-presidente da bancada socialista, Constança Urbano de Sousa, e pela deputada do PSD Mónica Quintela.

Pela parte da bancada do PS, a antiga ministra Constança Urbano de Sousa defendeu que as medidas duras adotadas ao abrigo do estado de emergência “contribuíram para melhorar os indicadores da evolução da epidemia, em especial o risco de transmissão da doença, que regista uma tendência de descida”.

“Apesar de os dados serem mais animadores, a vacina estar mais próxima e já termos, desde quinta-feira, um plano de vacinação, não nos deixemos iludir. A situação pandémica é ainda grave e não podemos agora baixar a guarda e deitar tudo a perder, pois todos os dias continuam, infelizmente, a morrer pessoas vítimas deste vírus terrível”.

Constança Urbano de Sousa referiu depois que, “mesmo que a Agência Europeia do Medicamento autorize este mês uma vacina eficaz e segura, o processo de vacinação de toda uma população ou grande parte dela é muito complexo, faseado e nunca poderá ser realizado em poucas semanas ou poucos meses”.

“Vamos, assim, continuar a precisar de medidas de segurança e de restringir os nossos contactos ao estritamente necessário, para vencer esta pandemia. Também por isso precisamos de renovar o estado de emergência, para permitir ao Governo manter e adotar medidas que contribuam para evitar a propagação do vírus, salvar vidas e ao mesmo tempo não matar a nossa economia, à semelhança do que os outros países europeus estão a fazer”, frisou a vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS.

Governo passou o verão como a cigarra, diz o PSD

Já pela parte do PSD, Mónica Quintela disse que o seu partido, “com o sentido de Estado”, manterá “uma postura de colaboração, tendo como primeiro e último escopo, sempre, o interesse nacional”.

Não nos pautamos por conveniências circunstanciais e aproveitamentos das manifestas e múltiplas falhas que o Governo tem tido, porque esse tipo de condutas, em plena situação de calamidade pública, é prejudicial aos interesses dos portugueses”, frisou.

No entanto, a deputada e advogada de Coimbra criticou logo a seguir o Governo por ter “passado o verão como a cigarra, sem cuidar de preparar, como era a sua obrigação, a segunda vaga”.

“Assim como censuramos a falta de articulação entre os ministérios da Segurança Social e da Saúde e que tem sido a causa do flagelo que tem assolado os lares onde residem tantos idosos. E não consigo calar a inaceitável falta de assistência dos doentes não covid-19 no Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, afirmou Mónica Quintela

Neste ponto, a deputada social-democrata advertiu mesmo que a atual “necessidade premente de salvar vidas não se compadece com cedências a preconceitos ideológicos de ex e ainda parceiros do Governo e demanda o recurso aos setores privado e social, em conjugação de esforços com o SNS”.

Continuando na critica construtiva, fica também o vivo reparo à falta das prometidas vacinas da gripe que a ministra da Saúde [Marta Temido] afirmou que não iriam faltar e cujo resultado está à vista. O Governo não foi prudente nem previdente porque era mais que óbvio que, por causa da pandemia, a esmagadora maioria da população ia precisar da vacina”, acrescentou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Tudo na mesma e a malta pergunta para que serve o estado de emergência e o uso compulsivo da máscara se tudo continua na mesma.
    Aliás a vacina vai ser administrada calmamente durante todo o próximo ano e nem obrigatória vai ser portanto a malta pergunta afinal é grave ou não é grave? Mesmo depois de implementada a vacina a máscara e os confinamentos vão continuar e portanto tudo na mesma.
    Estamos perante um novo modo de vida que veio para ficar e que mais não serve do que alimentar esse grande lobby chamado Covid-19 ao serviço das grandes empresas do mundo da saúde!

RESPONDER

Viatura onde seguia Eduardo Cabrita atropela uma pessoa na A6

Esta sexta-feira, um homem morreu após ter sido atropelado pelo automóvel em que seguia o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, num acidente na autoestrada A6. Numa nota enviada às redações, o Ministério da Administração Interna …

Portugal com mais 1.298 casos e quatro mortes

Esta sexta-feira, Portugal registou 1.298 novos casos e quatro mortes na sequência da infeção por covid-19. Segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), foram registados, nas últimas 24 horas, mais 1.298 casos e …

Parlamento aprova prorrogação das moratórias bancárias até final do ano

O alargamento aplica-se aos "particulares e para as empresas que desenvolvem a sua atividade em setores especialmente afetados pela pandemia de covid-19". O Parlamento aprovou, esta sexta-feira ,a prorrogação e alargamento das moratórias bancárias, que terminavam …

Tribunal belga obriga AstraZeneca a entregar 50 mihões de doses de vacina à UE

A AstraZeneca vai ter que entregar 50 milhões de doses da vacina para a covid-19 à União Europeia. A entrega deve ser efetuada até 27 de setembro. A justiça belga ordenou, esta sexta-feira, à farmacêutica …

"Dois terços dos problemas estão na Área Metropolitana de Lisboa", justifica Costa

O primeiro-ministro, António Costa, justificou esta sexta-feira a necessidade de tomar medidas localizadas em Lisboa para evitar que o agravamento da situação epidemiológica se alastre.  Em Bruges, na Bélgica, à margem da sessão de encerramento do …

CDS critica “enorme infelicidade” do Presidente e "comunicação desastrosa" do Governo

O CDS-PP criticou hoje as declarações do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, quando disse que no que depender dele não haverá "volta atrás" no desconfinamento, considerando-as de “uma enorme infelicidade”, lamentando também a …

Astronautas entraram pela primeira vez na nova estação espacial chinesa

Três astronautas chineses começaram, esta sexta-feira, a fazer da nova estação espacial da China o seu lar, um dia depois de ali terem chegado, num lançamento bem-sucedido, que marcou um novo avanço no ambicioso programa …

Homicida de Bruno Candé tinha plena consciência dos seus atos. MP quer 22 anos de prisão

Evaristo Marinho, o homicida de Bruno Candé, tinha plena consciência dos seus atos quando cometeu o crime, lê-se no relatório do Instituto Nacional de Medicina Legal. O Ministério Público quer 22 anos de prisão. O Ministério …

Pandemia deixa dezenas de bebés por registar, o que pode "potenciar o tráfico humano"

O encerramento do balcão "Nascer Cidadão", durante a fase mais crítica da pandemia, impediu o registo de bebés nascidos nessa altura. Citando fontes do Hospital de Faro, a rádio TSF avança que as campainhas de alarme …

Auditoria revela 52 casos de envio de dados na CML. Medina lamenta "prática inadequada" (e faz uma demissão)

A auditoria interna pedida por Fernando Medina conclui que a Câmara Municipal de Lisboa enviou dados pessoais de manifestantes a embaixadas 52 vezes, desde que entrou em vigor o Regime Geral de Proteção de Dados …