Três anti-histamínicos mostram eficácia a inibir infeção pelo coronavírus

Mohamed Hossam / EPA

Três medicamentos anti-histamínicos mostraram alguma eficácia a inibir a infeção de células pelo novo coronavírus responsável pela covid-19, segundo os resultados preliminares de um estudo da Universidade da Florida divulgado na sexta-feira.

As descobertas sobre os efeitos de um grupo de anti-histamínicos existentes no mercado foram alcançadas ao analisar amostras em laboratório e numa análise detalhada de quase 250 mil registos médicos de pacientes da Califórnia, explica uma nota da Universidade de Saúde da Florida.

Os resultados preliminares revelam que o uso da hidroxizina, da difenidramina e da azelastina está associado a “uma probabilidade reduzida de dar positivo no teste ao SARS-CoV-2, o vírus responsável pela covid-19″, frisou o imunologista e professor daquela instituição, David Ostrov.

“Depois, descobrimos que estes medicamentos específicos mostravam atividade antiviral direta contra o SARS-CoV-2 em laboratório”, acrescentou.

Os dados do estudo, que tem como investigadora principal Leah Reznikov, professora da Universidade da Florida, podem apoiar o lançamento de um ensaio clínico aleatório e controlado para determinar se o uso de anti-histamínicos específicos “pode tratar ou mesmo prevenir a covid-19 em humanos“, diz o comunicado.

“O facto de estes medicamentos inibirem realmente o vírus em laboratório não significa necessariamente que o inibam ativamente em pessoas, mas podem fazê-lo”, disse Ostrov, sublinhando que não foi estabelecida uma “relação de causa e efeito formal”, o que explica a necessidade de investigações adicionais.

O trabalho dos investigadores centrou-se na enzima conversora de angiotensina (ACE2), uma proteína e “porta de entrada” que o vírus usa para invadir as células humanas, e na análise de quase um quarto de milhão de pacientes da Califórnia.

Descobriram que as pessoas com 61 ou mais anos que tinham tomado certos anti-histamínicos tinham menores probabilidades de ter resultado positivo no teste ao novo coronavírus do que aquelas que não tomavam os medicamentos.

Mais tarde, descobriram que a hidroxizina, a difenidramina e a azelastina “revelaram efeitos antivirais diretos e estatisticamente significativos” sobre o SARS-Cov-2.

Segundo Reznikov, os dados sugerem que estes três anti-histamínicos podem interromper as interações do vírus com a ACE2 ou unir-se a outra proteína que interfira com a replicação viral.

Os investigadores sublinharam, no entanto, a importância das pessoas não se automedicarem com estes anti-histamínicos como medida de prevenção ou tratamento da covid-19 e que qualquer tipo de utilização diferente da indicada na bula deve ser consultada junto do médico.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Rúben Amorim renova contrato com o Sporting até junho de 2024

O treinador Rúben Amorim prolongou por mais uma época o contrato com o Sporting, até 30 de junho de 2024, anunciou esta quinta-feira o clube. O treinador de 36 anos sucedeu em 5 de março de …

Estatísticas no futebol: "Os coletes até evitam lesões"

O presente e o futuro dos números, na perspetiva de Hernâni Ribeiro. Em Portugal ainda não há uma utilização massiva dos dados estatísticos no futebol. Daqui a 10 ou 15 anos, cada clube vai ter alguém …

Empresário brasileiro nega ter tido acesso ao avião apreendido com 500 quilos de cocaína

O empresário brasileiro Rowles Magalhães Silva negou ter tido acesso à chave do avião privado apreendido em Salvador, Brasil, com mais de 500 quilogramas de cocaína a bordo e que tinha como destino o aeródromo …

UE quer 78% da população empregada até 2030. 35% dos trabalhadores pretendem mudar de emprego no próximo ano

Um estudo publicado recentemente mostra que 35% dos trabalhadores pretendem mudar de emprego no próximo ano. A Comissão Europeia vai propor uma meta de ter 78% da população da União Europeia (UE) empregada até 2030. De …

Príncipe Filipe “melhorou ligeiramente”, mas já há protocolo em caso de óbito real

Numa altura em que está prestes a completar 100 anos de idade, o marido da Rainha Isabel II encontra-se internado desde 16 de Fevereiro. Esta semana o duque de Edimburgo foi transferido de hospital devido …

Pedrógão Grande. Associação de Vítimas diz que relatório confirma que nada mudou na floresta

O relatório da comissão eventual de inquérito parlamentar sobre Pedrógão Grande confirma as preocupações da Associação de Vítimas relativamente à falta de ação na floresta da região. “[O relatório] confirma a evidência que já tínhamos de …

Nova Zelândia atingida por sismo de 7,2 na escala de Richter

Um sismo de magnitude 7,2 na escala de Richter abalou, esta quinta-feira, a costa nordeste da Nova Zelândia. A proteção civil emitiu um alerta de tsunami, pedindo aos habitantes que se afastassem da costa, que …

Partido de extrema-direita alemão AfD colocado sob vigilância

A Alternativa para a Alemanha (AfD), partido de extrema-direita alemão, foi colocado sob vigilância a 25 de fevereiro pelo serviço de segurança interna do país, revelou na quarta-feira o Süddeutsche Zeitung. De acordo com o Expresso, …

Caso BES está parado há 8 meses (por causa de uma tradução para francês)

O caso BES está parado há oito meses. O atraso deve-se a uma tradução para francês das quatro mil páginas do processo, necessária para notificar três arguidos suíços. De acordo com o Jornal de Notícias, que …

Lopetegui continua interessado em Corona

O treinador dos espanhóis do Sevilha, Julen Lopetegui, continua interessado na contratação de Tecatito Corona, que alinha pelo FC Porto.  De acordo com o jornal La Razón, o treinador espanhol continua interessado na contratação do jogador mexicano …