Portuguesa em Londres explica porque interrompeu o direto da Sky News

Sean Dempsey / EPA

A portuguesa que interrompeu um direto da Sky News durante um protesto em Londres contra o Brexit, Ana Rocha, está, esta semana, a trabalhar na Escócia por receio de represálias, depois da entrevista emotiva ao canal britânico.

Ao Diário de Notícias, Ana Rocha explicou que durante o dia de quarta-feira, tinha visto “em casa, as notícias de que o Boris pediu à Rainha para suspender o Parlamento e eu fiquei muito chateada porque percebi que ele vai apostar numa saída sem acordo, apesar deles terem dito na campanha que nunca iriam fazer isso.”

A lisboeta que reside em Londres há 20 anos, decidiu sair de casa e ir até à zona de Westminster, onde decorria um protesto contra a decisão governativa, em frente à residência do primeiro-ministro em Downing Street.

“Eu comecei a protestar em frente ao Parlamento. Estive a observar. Não tinha voz porque estava tão emocionada e tão paralisada com a frustração. Fui dar uma volta e vi as pessoas a fazerem uma entrevista. Nem sabia quem eram mas achei que já chegava as pessoas europeias não terem voz”, explicou.

Ana Rocha diz que a interrupção do direto foi “muito abrupta e foi um ímpeto de minutos ou segundos” mas assegura que conseguiu passar a mensagem que lhe “ia na alma”.

A portuguesa foi transferida para a Escócia por receio de represálias. “Quero ficar na Escócia por mais algum tempo a trabalhar porque estou mais segura. Tenho medo de ir no autocarro agora, vou ter medo de andar no metro e de andar na rua”, confessou Ana Rocha à Lusa.

A emigrante que disse ao DN, que sente que os cidadãos comunitários não têm voz. “Já chega de estar calado! Porque é um processo interno inglês? Não é! É um processo em que nós temos que estar todos envolvidos, porque todos trabalhamos para Inglaterra”, disse. A portuguesa assegura ainda que a principal mensagem que quis passar é a de que o regime de atribuição do estatuto de residente permanente “não está a funcionar.”

Ana Rocha diz que iniciou o processo de obtenção desse estatuto via Internet, com o apoio da empresa em que trabalha, mas adianta que foi contactada, há cerca de três semanas, pelo Ministério da Administração Interna a dizer que os seus dados de identificação não estavam corretos.

“Disseram que o meu número de segurança social estava incorreto. Não havia detalhes nenhuns no sistema sobre mim e eu disse que isso era impossível porque eu estou cá há 20 anos, há 20 anos que trabalho“, acrescentou.

O conselho que Ana recebeu foi de que deveria reiniciar todo o processo. “Entrei numa frustração incrível porque estou sempre a trabalhar, não tenho muito tempo disponível, tenho um filho deficiente [que vive em Portugal] e o facto de eles não terem resolvido o problema deixou-me numa situação em que fiquei em pânico total. Não devia ser posta nessa situação porque trabalhei imenso neste país. Eu dei-lhes a minha juventude”, garantiu.

O esquema de registo dos cidadãos comunitários permite que os emigrantes europeus se candidatem à atribuição do estatuto de residente permanente, obrigatório depois do Brexit. O estatuto garante a continuidade do acesso ao mercado de trabalho e de arrendamento, bem como aos serviços sociais, saúde e ao sistema de ensino britânico.

Para obter o “settled status” é preciso provar que se vive no Reino Unido há mais de cinco anos consecutivos e os comprovativos podem ser os descontos para a segurança social ou documentos alternativos, como contratos de trabalho ou de arrendamento, por exemplo. Caso contrário, é atribuído o estatuto provisório até alcançar o prazo mínimo necessário.

Ana Rocha manifestou-se preocupada com a data de saída do Reino Unido da União Europeia: 31 de outubro, temendo não ter tempo para recomeçar e terminar o processo. No entanto, os prazos de candidatura ao “settled status” estão ainda longe de terminar. Se não houver acordo entre Londres e Bruxelas, o último dia é 31 de dezembro de 2020. Se a saída for ordeira, o prazo só acaba a 30 de junho de 2021.

Desde março, mais de um milhão de emigrantes europeus já se candidataram à atribuição do estatuto de residente. O último relatório do Home Office, de 15 de agosto, dá conta de que apenas 0.5% candidatos não obteve nem o título definitivo nem o provisório. As candidaturas devem ser feitas pela Internet, mas também há vários centros de apoio, onde é possível realizar o processo.

Entre a comunidade portuguesa do Reino Unido, estimada em cerca de 400 mil pessoas, mais de 90 mil já obtiveram um dos estatutos disponíveis. Portugal ocupa o quarto lugar na lista de países com mais cidadãos com a sua situação já regularizada.

PARTILHAR

RESPONDER

Açores vão dar incentivo financeiro a quem fizer teste da covid-19 antes de visitar região

O presidente do Governo dos Açores anunciou esta terça-feira que será criado um “incentivo financeiro” para compra de bens ou serviços na região a quem pretender deslocar-se ao arquipélago e fizer o teste de covid-19 …

Venezuela apela à denúncia de pessoas com sotaque estrangeiro no país

O Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), o partido do Governo do Presidente, Nicolás Maduro, apelou na terça-feira aos venezuelanos que informem sobre a presença no país de pessoas com sotaque estrangeiro. O pedido foi feito …

A radiação do seu telemóvel pode estar a matar insetos

Um novo estudo sugere que a radiação dos telemóveis pode ter contribuído para o declínio dramático das populações de insetos na Europa nos últimos anos. A radiação eletromagnética dos telemóveis e as redes Wi-Fi podem ser …

A água é, em simultâneo, dois líquidos num só

O super-resfriamento da água líquida a temperaturas mais baixas do que as alcançadas anteriormente revelou novas evidências de que a água pode existir como dois líquidos diferentes ao mesmo tempo. Uma equipa do Pacific Northwest National Laboratory …

Descoberto novo tipo de planeta no Deserto Neptuniano. Tem um "ano" que dura 19 horas

Uma equipa de cientistas da Universidade do Chile acaba de descobrir um novo tipo de exoplaneta, com um período orbital de 19 horas. Em comunicado, a equipa precisa que o planeta, batizado de LTT 9779 …

Veneno de tarântula pode ser benéfico no tratamento de dores viscerais

Uma equipa de investigadores australianos identificou dois peptídeos do veneno da tarântula, que podem ajudar a aliviar dores em órgãos do sistema digestivo. Há algum tempo que os cientistas investigam a funcionalidade do veneno em doenças, …

Cientistas propõem reciclar beatas de cigarro para fazer tijolos

Os cientistas afirmam que se apenas 2,5% dos tijolos produzidos em todo o mundo, anualmente, incluíssem 1% de beatas, seria possível reciclar todas as pontas de cigarro a nível global. Um grupo de investigadores da Escola …

Taxa de natalidade desce quase um terço em cidade chinesa

As autoridades chinesas reconheceram oficialmente que a taxa de nascimentos em Xinjiang, cidade situada no noroeste da China, desceu quase um terço em 2018, comparada com o ano anterior. De acordo com a CNN, o governo …

Dynetics revela o módulo lunar do programa Artemis (incluindo o interior)

A empresa norte-americana Dynetics revelou, no dia 15 de setembro, um modelo em escala real do módulo lunar especialmente projetado para levar os astronautas da NASA à Lua já em 2024, como parte do programa …

Polícia de Nova Iorque de origem tibetana acusado de espiar ao serviço da China

Um polícia nova-iorquino originário do Tibete foi acusado de espionagem pelas autoridades norte-americanas por, supostamente, ter recolhido para o Governo chinês informações sobre a comunidade tibetana em Nova Iorque. De acordo com a acusação das autoridades …