“O que vou fazer? Estou no escuro.” Portuguesa interrompe direto da Sky News para falar sobre o Brexit

Sean Dempsey / EPA

“Dei a minha juventude ao Reino Unido.” Uma imigrante portuguesa interrompeu uma entrevista em direto da Sky News, para falar sobre o conturbado processo do Brexit. O discurso, descrito como “apaixonado” pelo canal de televisão, está a dividir opiniões.

Acontecia em Londres um protesto contra a suspensão do Parlamento britânico quando uma mulher portuguesa interrompeu a entrevista de uma jovem à Sky News, para protestar sobre a forma como os cidadãos da União Europeia (UE) estão a ser tratados no Reino Unido.

“Tu tens uma voz, mas eu sou portuguesa e trabalhei aqui durante 20 anos e não tenho voz. O processo de pedido de residência não está a funcionar. Protesto porque eu preciso de uma voz. Trabalhei e dei a minha juventude a este país”, disse a jovem portuguesa.

A imigrante, não identificada, conta que trabalhou no Reino Unido durante mais de 20 anos a tomar conta de crianças e idosos, mas que agora, a dois meses da data limite para a saída do país da UE, o seu processo de regularização entrou num impasse, dado que uma das informações necessárias para terminar o pedido não está correta e os serviços britânicos afirmam que a imigrante terá de começar tudo de novo.

“Dei a minha juventude a este país. Estou muito grata por aquilo que me ensinaram, mas devia ser integrada em todo este processo. Não posso simplesmente ser chutada daqui para fora. Eu construí coisas para vocês, tomei conta dos vossos filhos e tratei dos idosos deste país. Agora expulsam-me com o quê? Com o quê? Sinto-me muito magoada com o que fizeram com Inglaterra. Eu vim para aqui e juntei-me à força de trabalho e estou muito orgulhosa”, disse, visivelmente revoltada.

A mulher conta que lhe disseram que o seu número da segurança social “não bate certo” e que, por isso, o processo tem de voltar ao início. “O que vou fazer? Como é que vou ficar aqui? Quais são os meus direitos? Estou no escuro, tal como muitas pessoas que já deixaram Londres e que estava na mesma decisão. Porque é que este parlamento não eleito nos fez isto?”

Segundo o Público, as reações nas redes sociais dividem-se. Se por um lado há quem se sinta solidário com a situação, também há quem acuse a Sky News de ter encenado a interrupção. Há também quem diga que a mulher foi para aquele país trabalhar “porque quis” e que teve três anos para se legalizar, mas só agora é que se está a preocupar.

Desde 2015, os cidadãos europeus precisam de apresentar uma prova de residência permanente no Reino Unido para conseguirem a nacionalidade britânica, um procedimento que, nos últimos dois anos, aumentou significativamente.

O settled status, estatuto de residente permanente, é atribuído àqueles com cinco anos consecutivos a viver no Reino Unido. Por sua vez, os que estão há menos de cinco anos no país terão um título provisório (pre-settled status) até completarem o tempo necessário.

Este direito tem de ser solicitado e concedido pelas autoridades britânicas, sendo o procedimento gratuito e feito exclusivamente através da Internet.

Liliana Malainho LM, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Não sei se o erro foi desta senhora, por ter deixado o tempo correr, ou se é dos serviços britânicos ou da embaixada portuguesa. Não estou no lugar dela e não tenho o direito de me pronunciar sobre este caso. No entanto, do que ela disse, uma coisa salta à vista por errada. O Parlamento foi eleito. Poderá ter confundido o Parlamento com o Governo, talvez. Outra coisa é a queixa de não ter voz. Referir-se-á ao facto de não poder votar? Os estrangeiros nunca votam. Ingleses, por exemplo, também não votam em Portugal. A única maneira de o fazer é adquirindo a nacionalidade do país de acolhimento, o que ela não fez, evidentemente. Desejo-lhe boa sorte, tal como a todos os que têm contribuído com a sua força de trabalho e com os seus conhecimentos para o progresso do RU!

    • Repare Z, é errado dizer que o Parlamento por inteiro não foi eleito. Mas nem o Boris nem a equipa que ele escolheu como aquela Priti Putel que pariu, foram eleitos. A House of Lords também nunca é eleita e representa metade do Parlamento. Por isso mais de metade do Parlamento actual não foi de facto eleito. Isto para não falar que a maioria conservadora práticamente que já se perdeu com tantas deserções dos deputados Tories.

      Não é verdade que os estrangeiros nunca votam. Apenas não votam nas eleições principais (general elections). No resto podem votar e eles até estão sempre a pedir que votem. Mas eu acho que ela não se refere a isso quando diz que não tem voz. Refere-se aos media não darem cobertura suficiente ou nenhuma à opinião das comunidades de emigrantes no Reino Unido. As televisões estão sempre apenas a pedir opiniões de pessoas nascidas no RU e a verdade é que a percentagem de população emigrante do RU assim como o seu contributo para o PIB, são enormes. É um absurdo não envolverem mais as comunidades de emigrantes nos debates… E nunca o fazem!

  2. Vamos ser honestos, a senhora era mais uma de tantas cuidadoras informais que não declaram um tostãozinho e sempre preferiram fazer de conta que não existiam. Agora, para a Inglaterra pós exit, vai continuar a não existir.
    Sempre poderá vir trabalhar para Portugal como cuidadora que foi o que segundo a própria, aquilo que sempre fez na Inglaterra.
    Só que não… aqui tem que ter um trabalho de doutora e/ou engenheira com pelo menos 1250 euros de salário.

RESPONDER

Pela primeira vez, a idade da reforma pode cair (e a culpa é da pandemia)

A idade da reforma é determinada pela esperança média de vida. No entanto, a pandemia e o consequente aumento da mortalidade podem fazer cair esse indicador, levando a um recuo histórico na idade da reforma. Até …

Onde estão os antigos "donos disto tudo" no desporto?

Sporting parece estar em ano de regresso ao topo do futebol. Mas outros clubes dominadores, ou desapareceram, ou andam discretos. "Felizmente não subimos à I Divisão", admite o presidente do HC Sintra. "Donos disto tudo" pode …

Após chumbo ao aeroporto do Montijo, Governo quer mudar a Lei para tirar poder aos municípios

O chumbo ao aeroporto do Montijo, depois de os municípios da Moita e do Seixal terem reprovado o projecto, não demove o Governo da empreitada. Em cima da mesa estão três soluções e a intenção …

Vacina da Janssen deverá ser aprovada na Europa a 11 de março. Imunizante só requer uma toma

A Agência Europeia do Medicamento convocou uma reunião extraordinária para concluir a avaliação da vacina à covid-19 da multinacional Janssen, com vista a colocá-la rapidamente no mercado. Neste sentido, espera-se que haja mais uma vacina contra …

Medina leva nega. Bloco, PCP e PAN querem concorrer sozinhos em Lisboa

O anúncio de que Carlos Moedas vai encabeçar a candidatura PSD/CDS à Câmara Municipal de Lisboa uniu a direita, mas não mudou a estratégia da esquerda. O Bloco, o PCP e o PAN querem concorrer …

Coates alcançou feito sem paralelo na Europa

Coates não comete uma única falta há mais de um mês, embora tenha sido totalista de minutos nesse período. É o único jogador das principais ligas europeias a consegui-lo. Provavelmente já não se lembra da última …

"Nunca batem certo". Madeira contesta dados do boletim da DGS

As autoridades regionais madeirenses afirmam que "os números fidedignos são os dados reportados, diariamente, pela Direção Regional de Saúde". A Direção Regional da Saúde (DRS) da Madeira contestou, esta terça-feira, os dados reportados nos boletins da …

I Liga pondera reduzir número de equipas a partir de 2022/2023

O desportivo Record avança esta quarta-feira que a Liga de Clube pondera reduzir o número de equipas em competição na I Liga já a partir da época de 2022/2023. Em cima da mesa está a redução …

Sob risco de expulsão, Fidesz de Orbán deixa bancada do Partido Popular Europeu pelo próprio pé

O partido Fidesz, liderado pelo primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán, vai deixar a bancada do Partido Popular Europeu no Parlamento Europeu. De acordo com a agência Reuters, o partido Fidesz, que governa a Hungria, anunciou esta quarta-feira …

Varandas move mundos e fundos por João Mário, que ganha dobro do teto salarial

Frederico Varandas está disposto a investir na contratação em definitivo de João Mário. O médio do Inter ganha quase o dobro do teto salarial em Alvalade. "João Mário é para ficar", lê-se esta quarta-feira na capa …