“Amor Não é Turismo”: Casais separados na pandemia criam movimento global

Jim Hollander / EPA

O movimento global junta casais e famílias separados pela pandemia, que contam as suas histórias e lutam para rever as pessoas amadas de quem estão distantes por causa das limitações às viagens.

A crise causada pela pandemia de covid-19 afetou todo o planeta e transformou-se numa barreira extra para casais formados por pessoas que estão em países diferentes e cujo contacto ficou limitado com o fecho das fronteiras.

“Sem amor, não somos nada”, resumiu Erika Tamires Costa, 29 anos, que faz parte de grupos criados nas redes sociais dentro de um movimento global chamado Love is not Tourism (Amor não é Turismo), nos quais casais e famílias separadas pela pandemia contam as suas histórias e lutam para rever as pessoas amadas de quem estão distantes.

A brasileira contou à Lusa que conheceu o português José Lourenço no ano passado no trabalho, apaixonou-se e, em seis meses, já moravam juntos em São Paulo.

Em fevereiro foi pedida em casamento e deveria estar hoje com a aliança no dedo a viver na cidade do Porto. Mas sua história de amor foi interrompida pela pandemia e o noivo, que viaja com frequência, regressou de um compromisso profissional em Cabo Verde para Portugal, em março, sem conseguir depois viajar para o Brasil.

“Antes da pandemia a gente tinha um relacionamento muito tranquilo, muito divertido (…) No dia 3 de fevereiro ele me pediu em casamento, começámos a nos organizar para casar no dia 23 de maio, mas ele trabalha muito, teve que viajar e nesta altura as fronteiras se fecharam”, contou Erika.

A brasileira tentou viajar para Portugal em abril, mas não pode embarcar no avião porque não é casada e não reside no país, que deverá conhecer pela primeira vez quando as fronteiras reabrirem. “É difícil porque a distância é fria (…) você sente uma dor muito forte, muito grande, não tem como explicar o que é uma saudade, que é uma coisa que você sabe que está lá, mas não sabe quando vai poder ver, quando vai poder abraçar.”

Outra apaixonada que viu seus planos irem por água abaixo é a brasileira Bárbara Lopes de Melo, 23 anos, que namora um francês, a viver em Espanha. Além da saudade, Bárbara explicou que o mais difícil é viver sem garantias de que as incertezas criadas pela distância sejam superadas em breve.

“Sempre fui uma pessoa de fazer muitos planos, gosto de ter tudo bem planeado e a pandemia me tirou isto (….) O que mais de afetou foram os planos que tinha com ele, de nos vermos mais, de encontrar a família dele na Franca e de ele vir aqui para o Brasil. Tudo isto foi tirado de mim num segundo”, lamentou.

A jovem também contou que descobriu o movimento o Amor não é Turismo em pesquisas na internet e que se sentiu acolhida ao conhecer pessoas com problemas semelhantes aos seus.

“Eu encontrei o grupo em pesquisas na internet. Você fica angustiado de não ver quem ama, naquela busca, procurando soluções, entrando em contacto com consulado espanhol e consulado francês. Acabei encontrando o grupo na internet de casais que estão passando pela mesma situação que eu”, relatou.

Helenice de Azevedo Lopes, de 70 anos, conheceu o noivo italiano com quem vive uma história de amor desde 2018, durante uma viagem à Itália. O casal encontrou-se ao longo do tempo em várias partes do mundo, incluindo os EUA e Malta, até terem decidido morar juntos em Itália no ano passado, depois de Helenice ter aceitado o pedido de casamento.

A brasileira regressou, em fevereiro, ao seu país de origem, para fazer uma cirurgia e acabou por ficar retida por causa do fecho das fronteiras. “Mesmo com quase 70 nos me apaixonei como uma adolescente. Quando decidi que tínhamos uma compatibilidade muito grande fui para a Itália”, recordou Helenice Lopes.

E lamentou: “infelizmente fechou tudo e não pude mais voltar. Tenho tudo lá. Aqui eu estou na casa da minha filha, do meu filho, da minha irmã, mas não é a minha casa. Minha casa é do lado dele”.

Em declarações à Lusa, Helenice explicou que conheceu o movimento Amor não é Turismo por intermédio de seu genro: “Este grupo que eu entrei está me dando um apoio tremendo. Tem muitas jovens, meninas que têm idade para serem minhas filhas (…) eu me senti muito mais encorajada, mas o que preciso é que realmente abram as fronteiras porque está muito difícil”.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 680 mil mortos e infetou mais de 17,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Boavista 2-0 Porto | “Manita” em 45 minutos demolidores

Goleada do “dragão” no Bessa. No dérbi portuense entre Boavista e FC Porto, os campeões nacionais sentiram dificuldades na primeira parte, não conseguiram sequer enquadrar qualquer um dos seus remates, mas na segunda parte tudo …

Magawa, o rato que deteta minas, ganhou uma medalha de ouro

Magawa, um rato gigante africano, foi treinado para descobrir minas terrestres e tem estado ao serviço no Camboja. O animal foi agora proclamado herói e premiado por salvar vidas naquele país. A instituição de caridade britânica …

Cientistas descobrem nova espécie de crustáceo no lugar mais quente da Terra

Uma equipa de cientistas descobriu uma nova espécie de crustáceo de água doce durante uma expedição ao deserto de Lute, no Irão, também conhecido como o lugar mais quente do planeta. Hossein Rajaei, do Museu Estadual …

Furacão Sally fragmentou parte de uma ilha da Florida em três

A passagem do furacão Sally fragmentou parte de uma ilha na costa da Florida, no Estados Unidos, criando assim três pequenas porções de terra. Na prática, tal como explica o portal USA Today, o furação abriu …

Benfica 2-0 Moreirense | “Águia” vence e convence cónegos

Após ter perdido e empatado nas duas últimas recepções ao Moreirense, o Benfica voltou a vencer o emblema de Moreira de Cónegos na Luz. Este sábado, em duelo relativo à segunda jornada do campeonato, as “águias” …

"Surpreendente e fascinante". Descoberta pela primeira vez uma aurora sobre um cometa

A nave Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) detetou uma aurora boreal sobre o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko (67P / C-G). Em comunicado, os cientistas envolvidos na deteção frisam que esta é a primeira vez quem …

Austrália não quer que turistas caminhem na famosa rocha sagrada Uluru (nem no Google Maps)

A Austrália pediu ao Google que remova do seu serviço Maps fotografias tiradas do topo de Uluru, o monólito aborígine sagrado que os visitantes estão proibidos de escalar desde o ano passado. De acordo com a …

NASA vai procurar aquíferos nos desertos com tecnologia já usada em Marte

Uma parceria entre a NASA e a Fundação Qatar tem como objetivo procurar as cada vez mais escassas águas que estão enterradas nos desertos do Saara e da Península Arábica. Este processo deverá ser desenvolvido …

Os aeroportos mudam o nome das pistas (e a culpa é dos pólos magnéticos da Terra)

O pólo norte magnético pode mover-se até 64 quilómetros por ano. Isto pode ser um problema para os pilotos de aviões. A pista 17L/35R, no Aeroporto Internacional de Austin-Bergstrom, no estado norte-americano do Texas, não terá …

Rússia quer ultrapassar Tom Cruise e ser a primeira a gravar um filme no Espaço

O ator Tom Cruise quer rodar um filme no Espaço, mas a Rússia quer ser a primeira, de acordo com um comunicado da agência espacial Roscosmos. Os Estados Unidos e a Rússia são, novamente, os protagonistas …