Americanos compram Vilamoura “a preço de saldo”

O Diário de Notícias avança esta terça-feira que a empresa espanhola que detinha e geria o complexo turístico, a Lusort (detida pelo Catalunya Bank), foi vendida por 200 milhões de euros aos fundos Lone Star.

Segundo o jornal, a empresa era proprietária dos ativos imobiliários já existentes em Vilamoura e de dois mil hectares de terrenos ainda por construir, tendo também a gestão da marina.

Um negócio classificado pelo jornal como “a preço de saldo”, uma vez que os 200 milhões de euros representam um valor três vezes inferior ao que valia há cinco anos, antes do agravamento da crise.

De acordo com o DN, esta foi a maior operação em Portugal de venda de terrenos nos últimos sete anos e o maior negócio de investimento no imobiliário nos últimos oito anos.

“Fundo americano em Vilamoura traz confiança ao mercado”

O empresário André Jordan, que desenvolveu o projeto turístico de expansão de Vilamoura, considera que a compra dos ativos por parte de um fundo norte-americano vai trazer um importante sinal de confiança ao mercado.

Em declarações à agência Lusa, o empresário que promoveu a expansão de Vilamoura lembrou que, quando vendeu o empreendimento, fez o maior negócio da história do imobiliário em Portugal, num total de 500 milhões de euros, mas que hoje as condições são diferentes.

“Na altura, vendi a Lusotur por 380 milhões de euros e, depois, vendi a Lusotur Golfes por 120 milhões de euros”, afirmou, acrescentando que os ativos agora vendidos já não são os mesmos, além de que houve “ajustamentos no mercado”, devido à crise.

A entrada da Lone Star é o maior investimento desde a crise“, referiu.

Para André Jordan, o negócio agora formalizado representa “um voto de confiança” que pode ser muito importante para novos investimentos estrangeiros, mas também para o mercado a retalho.

“Agora vai ser preciso um longo trabalho de relançamento de Vilamoura”, estimou. O empresário contou que já teve oportunidade de conversar com os investidores e que estes vão “investir muito” em marketing e promoção: “Ninguém investe 200 milhões para perder”.

André Jordan classificou o negócio como positivo, referindo que a venda não foi concretizada antes porque não havia comprador.

“É um sinal muito positivo. Penso que o investimento representa um sinal de confiança de um dos grandes fundos americanos”, sublinhou, acrescentando que não se trata da compra de vistos Gold, mas de terrenos para investimento futuro.

“É um fator estimulante para o mercado, gera confiança nos investidores e nos próprios compradores. Isso aconteceu com os nossos investimentos no mercado”, lembrou.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Quinta do Lazareto rende 13 milhões à Sonangol

A alienação da Quinta do Lazareto, um dos ativos imobiliários que a Sonangol pôs à venda em Portugal, rendeu à petrolífera angolana 13 milhões de euros, 45% acima da expetativa inicial, segundo uma administradora da …

Professores exigem negociações sobre progressão da carreira e ameaçam avançar para tribunal

Cerca de 50 professores concentraram-se esta quinta-feira em Bragança, onde decorre o primeiro Conselho de Ministros descentralizado, para exigir a abertura das negociações com a tutela, avisando que, se o Governo não o fizer, a …

Governo dá mais dias de férias a funcionários que se mudem para o interior

O Governo aprova esta quinta-feira em Conselho de Ministros um regime de incentivos para os funcionários da Administração Pública que decidam ir trabalhar para o interior, com ajudas de custo ou compensações financeiras e mais …

Autarquias têm mais um ano para preparar descentralização

O Governo decidiu dar mais tempo às autarquias para estas se prepararem para a descentralização. O prazo passa para o primeiro trimestre de 2022. Segundo avançou o Jornal de Notícias, citado pelo ECO, após críticas aos …

Sá Fernandes ponderou sair do Livre (e apoia eventual candidatura de Ana Gomes a Belém)

Na sua primeira grande entrevista após o caso Joacine, Ricardo Sá Fernandes, dirigente do Livre, revelou ao Observador que ponderou sair do partido e admitiu apoiar uma possível candidatura da ex-eurodeputada socialista Ana Gomes às …

Medina diz desconhecer caso do alegado falso engenheiro

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, disse esta quarta-feira que não ter informação sobre o alegado falso engenheiro da empresa Tanagra, com quem a autarquia celebrou vários contratos para obras públicas. A TVI noticiou …

Parlamento debate fim das comissões bancárias no MB Way e nas prestações da casa

O Parlamento debate esta quinta-feira projetos do BE, do PCP, do PS, do PAN e do PSD sobre limitação e proibição de comissões bancárias, tendo os bloquistas, que agendaram esta discussão, expectativa de que os …

Castração química. Bloco de Esquerda é contra veto a projeto de lei do Chega (e explica porquê)

A Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias considerou que o projeto de lei do Chega "não preenche os requisitos do ponto de vista constitucional". O Bloco de Esquerda votou contra e explicou …

Estado pode deixar de ganhar dinheiro com empréstimo ao Novo Banco

Atualmente, o Fundo de Resolução paga juros de 2% e 1,38% pelos empréstimos contraídos junto do Estado para financiar as medidas de resolução do BES e do Banif, respetivamente. Porém, esse valor pode descer para …

Equipa de campanha de Trump processa The New York Times por difamação

A equipa de campanha de Donald Trump processou o The New York Times. Em causa está um artigo publicado em março do ano passado. A equipa de campanha de Donald Trump alega que o jornal publicou, …