“Fez a Amadora e uma parte de Luanda”. Amigo de Salgado nega “qualquer perdão de dívida” do Montepio

Rodrigo Antunes / Lusa

O construtor civil José Guilherme, que está no centro das investigações ao Banco Montepio, assegura que não recebeu qualquer empréstimo sem garantias, nem “qualquer perdão da dívida”, garantindo ainda que sempre cumpriu todas as suas “responsabilidades para com os bancos”. Conhecido por “Zé Grande”, o empresário “fez a Amadora e uma parte de Luanda”, segundo o Expresso.

José Guilherme tomou uma posição pública depois de ter visto o seu nome envolvido na investigação que implica também o Banco Montepio. O construtor civil que se tornou conhecido por ter dado uma “prenda” de 14 milhões de euros a Ricardo Salgado, ex-presidente do BES, terá recebido quase 70 milhões de euros de empréstimos do Montepio, sem garantias, entre 2011 e 2014, de acordo com as suspeitas do Ministério Público (MP).

O construtor civil e o seu filho, Paulo Guilherme, confirmaram em comunicados distintos as buscas em suas casas e empresas, no âmbito do processo por suspeitas de crimes de burla qualificada, branqueamento e fraude fiscal qualificada, referindo ambos que não acompanharam as autoridades por estarem em Angola.

No seu comunicado, José Guilherme afirmou que nunca subscreveu nem foi titular de unidades de participação do Fundo de Participação da Caixa Económica Montepio Geral (actual Banco Montepio) e que não tem, nem nunca teve, qualquer participação no banco BNI Europa.

Estão em causa suspeitas no âmbito do aumento de capital da Caixa Económica Montepio Geral em 2013 (banco então liderado por Tomás Correia), que foi feito através da constituição do fundo da Caixa Económica Montepio Geral. A investigação judicial suspeita que as unidades de participação do fundo da Caixa Económica Montepio Geral tenham sido compradas com crédito do próprio banco, através de financiamentos do Finibanco Angola (pertencente ao Montepio).

O filho de José Guilherme, em comunicado divulgado ao mesmo tempo da nota do pai, admitiu ter comprado unidades de participação do Fundo de Participação da Caixa Económica Montepio Geral em Dezembro de 2013. Segundo Paulo Guilherme, essas unidades foram “vendidas em mercado com enorme prejuízo pessoal”, depois de ter sido “frustrada a expectativa inicial” de se valorizarem.

Actualmente, diz Paulo Guilherme, não tem “qualquer dívida ao Finibanco Angola relacionada com esta ou qualquer outra operação”.

Por seu lado, José Guilherme refere que, no âmbito das suas funções profissionais, contratou empréstimos para os seus negócios e empresas com vários bancos, incluindo Montepio e Finibanco Angola (que pertence ao Montepio), e que garantiu “pessoalmente operações de financiamento de terceiros”, referindo que, de momento, tem todas as “responsabilidades para com os bancos ou definitivamente cumpridas e encerradas, ou em situação regular de cumprimento“.

O construtor civil afirma ainda que os acordos de reestruturação e pagamento de dívidas a bancos, sejam suas ou as que garantiu para outras pessoas, não tiveram “qualquer perdão de dívida”, isto “ao contrário do que se sabe ter acontecido em muitos outros casos”.

José Guilherme terá ficado com dívidas de milhões de euros ao BES que foram transmitidas para o Novo Banco, como tem sido avançado pela imprensa.

Em 2017, foram notícia as suspeitas de que o ex-presidente do Montepio, Tomás Correia, recebeu pagamentos de 1,5 milhões de euros para beneficiar José Guilherme.

Caçadas ao javali com convidados VIP

“Adepto acérrimo do Benfica”, como analisa o Expresso num artigo onde conta a história do “construtor civil da Amadora” que está no centro do caso Montepio, José Guilherme tornou-se conhecido como o homem que deu uma “prenda” de 14 milhões de euros a Ricardo Salgado.

Essa oferta, detectada no âmbito da investigação ao processo judicial ‘Monte Branco’, terá sido uma contrapartida pelo facto de Salgado ter dado a mão ao construtor civil na sua entrada em Angola.

“Em dez anos, o Grupo José Guilherme foi responsável por alguns dos empreendimentos mais ambiciosos de Luanda“, frisava o Expresso num artigo publicado em 2014, onde evidenciava também as “boas relações” estabelecidas entre o empresário e o Governo de José Eduardo dos Santos. “Zé Grande”, como é também conhecido dada a sua altura, terá mantido uma sociedade com o filho de Marta dos Santos, a irmã do ex-Presidente de Angola.

“Fez a Amadora e uma parte de Luanda”, avança o mesmo semanário num artigo divulgado nesta semana, onde se referem as caçadas ao javali e à perdiz que ele organizava numa quinta que possui na Amareleja, onde também “produz vinhos galardoados”.

Segundo o Expresso, o construtor civil recebia, habitualmente, “convidados VIP” na sua quinta, designadamente “pessoas da família Espírito Santo, mas também políticos de todos os quadrantes políticos, como Dias Loureiro, Isaltino Morais ou empresários como Sousa Cintra”.

Numa das caçadas que organizou na Amareleja, em 2001, o genro de Cavaco Silva, Luís Montez, acabou ferido, atingido por chumbos de um tiro perdido, como relata o Expresso, frisando que os bombeiros que o socorreram receberam uma gorjeta de 250 euros das mãos do construtor civil.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Grande erro" da Europa é não usar máscaras, considera especialista chinês

George Gao, diretor dos Centros de Controlo e Proteção de Doenças da China (CDC), considera que o "grande erro" da Europa no combate à pandemia de covid-19 é o facto de as pessoas não usarem …

Obama critica de Trump. "Cada um de nós deve exigir mais dos nossos líderes"

O ex-Presidente norte-americano, Barack Obama, considerou esta terça-feira que o seu sucessor, Donald Trump, ignorou os avisos sobre os riscos de uma pandemia do novo coronavírus, e recordou o mesmo comportamento quanto às alterações climáticas, …

Covid-19. Hotel cinco estrelas na Austrália vai acolher sem-abrigo

A Austrália vai levar a cabo um projeto piloto que visa retirar das ruas alguns sem-abrigo e transferi-los para hotéis de luxo, protegendo-os assim do novo coronavírus oriundo da China (Covid-19).  O projeto, Hotels With Heart, …

Red Bull equacionou infeção voluntária dos seus pilotos

Um responsável da Red Bull admitiu que propôs aos pilotos da marca austríaca, que participa no Mundial de Fórmula 1, uma estratégia de infeção voluntária de covid-19, visando ficarem imunes no início da temporada. Helmut Marko …

TAP avança com lay-off para 90% dos trabalhadores (e reduz atividade para cinco voos semanais)

Numa mensagem enviada aos seus funcionários, a TAP revelou que vai mesmo avançar com um processo de 'lay-off' para 90% dos trabalhadores e com a redução do período normal de trabalho em 20% para os …

Estado vai devolver 3 mil milhões em reembolsos do IRS

O Estado vai devolver 3 mil milhões de euros aos contribuintes em reembolsos do IRS, cuja entrega arranca esta quarta-feira e se estende até 30 de junho. A informação foi avançada pelo ministro de Estado, …

Há quatro infetados no sistema prisional. Estão todos em isolamento domiciliário

O Ministério da Justiça revelou esta terça-feira que aumentou para quatro o número de infetados com covid-19 no sistema prisional e que estão todos em isolamento domiciliário segundo indicação da saúde pública. Em comunicado, o Ministério …

Sousa Cintra diz que Rafael Leão "não ficou no Sporting porque foi apertado"

Sousa Cintra, ex-líder da SAD do Sporting no tempo da Comissão de Gestão, lamenta a rescisão do jogador Rafael Leão, considerando que "ele não continuou porque foi apertado". O jovem jogador foi, recentemente, condenado a …

Portugal tem há cinco dias os mesmos 43 recuperados. DGS e especialistas explicam porquê

Portugal regista, desde o passado dia 27 de abril, os mesmos 43 recuperados da Covid-19, segundo os boletins epidemiológicos diários da Direção-Geral da Saúde. Questionado pela agência Lusa sobre a estagnação no número de altas hospitalares …

Morreu o coronel Andrade de Moura, um dos capitães de Abril

A Câmara Municipal de Estremoz, no distrito de Évora, prestou esta terça-feira homenagem ao coronel Andrade de Moura, um dos capitães de Abril de 1974, que morreu no passado dia 23 de março aos 86 …