Alteração à Lei da Água acalma proprietários com casas à beira-mar no Algarve

byronv2 / Flickr

A recente alteração à Lei da Água, que elimina o prazo para provar que as propriedades são privadas e deixa de exigir, nalguns casos, documentos com 150 anos, está a tranquilizar os donos de casas à beira-mar no Algarve.

A lei de titularidade dos recursos hídricos, de 2005, obrigava a que todos os donos de casas, edifícios ou terrenos junto ao mar, rios e albufeiras reclamassem nos tribunais a sua propriedade como privada, o que exigia a pesquisa de documentos até ao ano de 1864, quando foi publicado o diploma régio que estabeleceu o Regime Público Hídrico e Marinho.

“O que está em causa é o regime de prova, que era muito rigoroso e se tornou mais flexível”, explicou à Lusa a advogada Alexandra Soares, observando que os proprietários ficaram “mais descansados” desde que souberam que deixavam de correr o risco de perder o direito às casas se não apresentassem a documentação até 1 de julho deste ano.

A nova redação da lei, publicada em maio, continua a exigir o reconhecimento da titularidade das propriedades, mas exclui as que estão nas margens dos rios – salvo em zonas de jurisdição das autoridades marítima e portuária (estuários e portos) -, e nas zonas urbanas consolidadas, desde que construídas depois de 1951 e não estejam em zonas de risco de erosão ou de invasão do mar.

Com as alterações à lei, as margens das albufeiras são automaticamente consideradas particulares, salvo se tiverem sido expropriadas ou pertencerem efetivamente ao Estado, uma vez que se trata de uma construção do homem que conduziu a água às propriedades e não o contrário, interpretação que já era feita pela Agência Portuguesa de Ambiente (APA).

Alexandra Soares, representante legal de vários proprietários com casas à beira-mar, na sua maioria em Lagos, lembra que grande parte destas propriedades são casas de luxo, que foram compradas como sendo propriedades privadas, licenciadas pelas autarquias desde 1951, quando passou a haver licenciamento municipal das edificações.

“Sou favorável à proteção das áreas de domínio público, mas deve haver um equilíbrio, não era necessário tanto rigor em casos que são de manifesta titularidade privada, como nas zonas urbanas”, afirmou, observando que tem casos em que há seis meses que procura os documentos necessários para dar entrada de ações judiciais de reconhecimento das propriedades.

O presidente da Associação de Residentes e Proprietários Estrangeiros em Portugal (Afpop), Michael Reeve, disse à Lusa que tem recebido alguns pedidos de informação acerca da lei que obriga ao reconhecimento das propriedades até 50 metros das zonas hídricas, embora pouco representativos num universo de mais de 5.000 associados.

“Houve pessoas que compraram casas depois de 2005 que não sabiam dessa lei e que deviam ter sido avisadas”, sublinhou, observando que a comunidade estrangeira se queixa, sobretudo, da falta de informação, na área legislativa e outras, embora reconheça que “as leis passam e até mesmo os portugueses não sabem”.

O presidente da associação, com sede em Portimão, refere que a principal preocupação dos proprietários estrangeiros tem sido o esforço e a quantidade de dinheiro, para pagar aos advogados, necessários para encontrar a documentação em causa.

Inicialmente tinha sido dado um prazo até janeiro deste ano para as ações darem entrada nos tribunais, mas no final de 2013 o prazo foi alargado para julho e agora, em maio, foi eliminado.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting tenta redenção em Dortmund, FC Porto recebe carrasco Liverpool

Sporting e FC Porto têm hoje duelos de elevado grau de dificuldade na segunda jornada da Liga dos Campeões de futebol, com os ‘leões’ a viajarem até Dortmund e os ‘dragões’ a receberem o Liverpool. Na …

Sem sucesso na Europa, Olunga é o diamante de Luís Castro (e leva sete golos em dois jogos)

Com uma passagem sem sucesso pelo Girona, Michael Olunga é um marcador prolífico na Ásia, onde é treinado por Luís Castro e onde leva sete golos em dois jogos. O jogo entre o Al-Duhail e o …

Nuno Freitas demite-se da presidência da CP

Nuno Freitas irá deixar o cargo de presidente da CP a 1 de outubro, sexta-feira. O engenheiro, que terminava o mandato dentro de três meses, pediu à tutela para sair mais cedo da empresa por …

Operação Marquês. MP entrega recurso, mas Sócrates diz que o prazo "excepcionalérrimo" já acabou

O prazo para o MP avançar com o recurso acabou no dia 23, mas os procuradores entregaram os documentos esta terça-feira, nos três dias úteis adicionais que geralmente são concedidos. No entanto, a defesa de …

Chegou ao fim a "missão espinhosa coroada de sucesso" da task force

A task force responsável pelo plano de vacinação contra a covid-19 confirmou, esta terça-feira, o fim da missão no contexto da pandemia e a transição para um núcleo de coordenação. Tal como tinha sido avançado pelo …

Pizzi nunca jogou tão pouco como esta época

Nunca Pizzi jogou tão pouco como esta temporada ao serviço do SL Benfica. O médio era uma das peças mais importantes do plantel, mas tem vindo a perder relevância. "Ele não tem entrado tanto de início, …

Marcelo recusa crises políticas e defende discussão de reforma do Estado até às legislativas de 2023

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu esta segunda-feira que o país deve manter-se livre de crises políticas até 2023, mas considera difícil deixar de se fazer uma discussão sobre a reforma do …

Arqueólogos encontram o primeiro geoglifo do mundo em forma de touro

Um geoglifo em forma de touro foi encontrado num sítio arqueológico localizado no sul da Sibéria, informou o Instituto de História e Cultura Material da Academia de Ciências da Rússia. Apesar do touro ser um símbolo …

"O BE teve um mau resultado." Catarina Martins assume derrota, mas deixa aviso a Moedas

No day after, e já com a notícia consolidada da vitória de Carlos Moedas em Lisboa, Catarina Martins não hesitou em assumir a derrota do Bloco de Esquerda. Lisboa era a Câmara mais relevante para o …

Voto útil pode explicar vitória de Moedas (que precisa da esquerda para governar Lisboa)

Carlos Moedas está forçado a fazer acordos para governar a Câmara de Lisboa que tem uma maioria de esquerda de 10 vereadores contra 7 dos partidos à direita. O novo autarca da capital já disse …