Alemanha vai acabar parcialmente com imposto criado há 28 anos para reunificar o país

Daniel Kopatsch / EPA

A chanceler alemã Angela Merkel

O parlamento alemão fixou para janeiro de 2021 o fim do imposto de solidariedade, introduzido há 28 anos para apoiar a reunificação do país, não se esperando, no entanto, grande impacto nas regiões de Leste, apesar de serem menos desenvolvidas.

Esse imposto – 5,5% sobre o rendimento de particulares e 5,5% sobre rendimentos de empresas – era originalmente destinado a cobrir as despesas extraordinárias causadas pela reunificação do país, noticiou a agência Lusa no domingo.

Agora, segundo decidiu esta semana o Bundestag (parlamento alemão), 90% dos contribuintes alemães com menos rendimentos deixarão de pagar essa taxa, enquanto as empresas continuarão a pagar como parte do imposto a que estão sujeitas.

O Ministério das Finanças prevê que a eliminação parcial do imposto acarrete uma perda de 10.900 milhões de euros para os cofres públicos.

É difícil de estabelecer uma correlação entre os recursos obtidos nas últimas décadas e os valores efetivamente investidos na Alemanha de Leste, pelo que o imposto tem sido alvo de inúmeras críticas. Segundo fontes do Ministério das Finanças, entre 1991 e 2010, o imposto de solidariedade rendeu 340 mil milhões de euros.

Através desse extraordinário mecanismo de redistribuição, conhecido como “pacto de solidariedade”, 200 mil milhões de euros fluíram para o Leste nesse período, embora o custo total da reunificação seja mais alto.

Nos últimos anos, com o aumento dos salários e a diminuição gradual da ajuda para as regiões de Leste, a diferença entre receitas e despesas disparou.

Em 2019, o Estado arrecadou 19.400 milhões de euros graças ao imposto de solidariedade, mas alocou apenas 1.800 milhões de euros em investimentos extraordinários na antiga República Democrática Alemã (RDA).

O ministro das Finanças, o social-democrata Olaf Scholz, enfatizou que a eliminação do imposto mostra o sucesso da reunificação, enfatizando, no entanto, a necessidade de a “solidariedade” continuar.

O partido liberal FDP anunciou que vai recorrer ao Tribunal Constitucional, por considerar que a taxa não é compatível com a Constituição alemã ao não estar justificada por uma circunstância extraordinária.

holgerrings / Flickr

Olaf Scholz, ministro alemão das Finanças

Os Verdes e o partido de esquerda Die Linke, por outro lado, enfatizaram a necessidade de uma reforma geral do imposto sobre os rendimentos, considerando que, caso contrário, continuam a beneficiar aqueles que têm mais.

Desde que, em 2005, foi aprovada a eliminação progressiva do mecanismo de redistribuição extraordinário, os Estados de Leste têm vindo a preparar-se para serem tratados em igualdade de circunstância com os outros ‘länder’ (estado federal).

Hoje em dia, os seus orçamentos são maioritariamente sustentáveis, explicou Kristina Van Deuverden, do Instituto Alemão de Investigação Económica. Portanto, a eliminação do imposto não vai ter impacto nas suas finanças, disse a economista em declarações à agência Efe, apontando que “os desafios estão em outro lugar”.

Por um lado, a estrutura demográfica do Leste – marcada pelo envelhecimento e pela emigração – é a razão pela qual a cobrança de impostos desses “Länder” permaneceu em 60% da média da Alemanha, desigualdade que será compensada de momento por mecanismos de redistribuição ordinários.

No entanto, a especialista em finanças públicas antecipou um cenário pessimista, uma vez que nas próximas décadas o crescimento demográfico será negativo.

Com isso, os ‘Länder’ do leste não só cobrarão menos impostos, mas também a uma população menor corresponderá um orçamento menor.

O Produto Interno Bruto (PIB) ‘per capita’ no leste, que após a reunificação representava apenas um terço das regiões ocidentais, estagnou há anos em 70% da média federal.

Embora 30 anos depois o tecido empresarial se tenha recuperado – como evidenciado por uma taxa de desemprego apenas 2% maior do que nas regiões ocidentais – ainda nenhuma empresa do leste está entre as 30 maiores representadas no índice bolsista alemão Dax.

Em grande parte, a desigualdade nos indicadores económicos deve-se também ao facto de as áreas rurais predominarem no leste, que em geral são menos produtivas. Para Kristina Van Deuverden, no entanto, essa debilidade estrutural só pode ser compensada a partir da política regional.

“Já não é o momento em que o Estado deve intervir com grandes investimentos em infraestruturas, como nos anos 90”, argumentou, enfatizando a importância de alocar fundos a recursos como a rede digital. “Não se trata apenas de se concentrar no leste, mas em todas as regiões estruturalmente débeis. Felizmente, hoje chegamos a esse ponto”.

Lusa //

PARTILHAR

RESPONDER

"Muito angustiado". Papa diz sofrer com a transformação de Santa Sofia em mesquita

O Papa Francisco afirmou este domingo estar "muito angustiado" com a conversão, decidida pela Turquia, da antiga basílica de Santa Sofia numa mesquita, após a oração dominical do Angelus. “O mar leva o meu pensamento um …

Gestor de ativos norte-americano diz que o ouro é o "verdadeiro bitcoin" (e explica porquê)

Um gestor de ativos norte-americano disse, em entrevista à CNBC, que acredita que o outro é o "verdadeiro bitcoin" - e explicou porquê. O preço do ouro, "investimento-refúgio" racional para investidores em tempos de crise …

Fortuna de Jeff Bezos não pára de engordar. Acabou de atingir um novo recorde

A fortuna do fundador e CEO da Amazon, Jeff Bezzos, acaba de quebrar um novo recorde ao atingir os 182,6 mi milhões de dólares. Os números foram avançados esta semana pela revista Forbes, que detalha que …

Portugal não pode chegar ao inverno com a situação atual, alerta epidemiologista

Portugal corre o risco de não conseguir responder a um ressurgimento de casos de covid-19 no inverno, afirmou este sábado o médico de Saúde Pública Ricardo Mexia, considerando que o país não pode chegar a …

Pela primeira vez, nasceu um raro par de elefantes gémeos no Sri Lanka

Um raro par de elefantes gémeos foi encontrado num parque nacional no Sri Lanka. É a primeira vez que o país regista crias gémeas, que são extremamente raros em elefantes. Os dois animais, que terão entre …

Teste aos forcados e lotação reduzida. Publicadas as novas regras para as touradas

A temporada taurina retoma com praças com lotação de 50%, uma reivindicação do sector que viu este sábado ser publicada pela Inspeção-Geral das Atividades Culturais (IGAC) uma acualização às normas discutidas com a DGS. “O que …

Trump propôs "vender" Porto Rico após a passagem do furacão Maria, revela ex-funcionária

Elaine Duke, ex-secretária adjunta de Segurança Interna do presidente dos EUA disse que Donald Trump propôs "alienar" ou "vender" a Comunidade de Porto Rico depois de a ilha ser atingida pelo furação Maria, em 2017. "As …

Catarina Martins atira-se a Rio. Líder do PSD está a fazer "um favor" a Costa no fim dos debates

A coordenadora do Bloco de Esquerda fez este sábado um duro ataque ao líder do PSD, que acusou de fazer um favor ao primeiro-ministro. Catarina Martins considerou “extraordinário” que o líder do maior partido da oposição …

Fraudes em subsídios europeus atingem 2,3 mil milhões. Dava para salvar a TAP (duas vezes)

Uma investigação levada a cabo pela Polícia Judiciária (PJ) concluiu que os casos de fraude na obtenção e desvio de fundos públicos, nos últimos dez anos, ascendem a cerca de 2,3 mil milhões de euros. Os …

Sem ganho económico e muitas mortes. O que dizem os dados da controversa estratégia sueca

A estratégia relaxada da Suécia contra a covid-19 gerou várias críticas. Os números mostram que tanto a nível sanitário como económico, o país saiu a perder. O Governo sueco não impôs um confinamento à população e, …