Água do Alqueva está a ser utilizada excessivamente e sem autorização

Fernando Moital / Flickr

Barragem do Alqueva

A EDIA (Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva) denuncia “utilização abusiva de recursos hídricos” e “sem a devida autorização”.

Até agora, a água era distribuída sem controlo rigoroso quer de Portugal, quer de Espanha. No entanto, a gestão de recursos hídricos na bacia do Guadiana e do Tejo conheceu, nas últimas semanas, uma alteração de paradigma.

Segundo o Público, as restrições no acesso à água começaram em fevereiro. Desta forma, a EDIA começou a notificar “todos os beneficiários e potenciais interessados” no fornecimento de água para rega “a título precário” (todos os agricultores que têm as suas explorações fora dos blocos de rega do empreendimento), que só serão aceites as propostas para a “instalação de culturas anuais”, como é o caso das culturas de melão, trigo, feijão e batata.

Isto significa que a autorização de fornecimento de água a novas culturas permanentes – que são de alto rendimento – fica comprometida. É o caso do olival, amendoal, vinha e árvores de fruto.

A EDIA tomou esta decisão para acautelar a garantia de água no futuro. Apesar de o projeto do Alqueva ter área suficiente para regar 120 mil hectares, as plantações e o seu fornecimento continuam a aumentar sem controlo.

Espanha anula plano

No passado dia 15 de março, o Supremo Tribunal espanhol anulou “parcialmente” o Plano Hidrológico do Tejo, por “não cumprir os caudais mínimos” nos débitos transportados do Tejo para a barragem do rio Segura, calculados em cerca de 400 milhões de metros cúbicos anuais.

Na base deste modelo estão as culturas intensivas como acontece na bacia do Guadalquivir e na bacia do Guadiana, onde os “olivais superintensivos são muito lucrativos“.

Segundo Filipe Duarte Santos, presidente do Conselho Nacional do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CNADS), na região espanhola da Extremadura, “há imensa atividade agrícola que debita para o Alqueva muitos fertilizantes e os solos deixarão, no futuro, de ter a produção de agora”.

Desta forma, a decisão da entidade gestora do sistema de rega do Alqueva vem reforçar o facto de haver, neste momento, “uma utilização abusiva de recursos hídricos” e “sem a devida autorização” fora dos blocos de rega.

No que diz respeito aos recursos hídricos, Filipe Duarte Santos defende uma maior coordenação entre Portugal e Espanha. Ainda assim, defende que o mais importante é aferir em que medida a agricultura que “estamos a ter é compatível com a precipitação que temos”.

Além disso, é preciso ter em conta o contexto em que nos inserimos: um clima que “é não só mais quente, mas também mais seco”, frisa o presidente do CNADS.

Agricultores muito preocupados com a seca

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) está preocupada com os efeitos que a falta de precipitação poderá trazer à agricultura.

Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da CAP, disse à TSF que os agricultores estão muito apreensivos. “Vislumbra-se outra vez, infelizmente, um ano difícil. O país está outra vez a entrar num período de carência de água, não só nas barragens, mas também no solo.”

O tempo seco e a falta de água estão a comprometer as culturas em todo o país, principalmente as plantas para a alimentação animal e as culturas de inverno, como o trigo e a cevada. No entanto, a campanha de primavera/ verão (frutas, vinhas e culturas regadas, como o milho ou tomate) também sai prejudicada.

“Há medidas que têm de ser estudadas para enfrentarmos estas alterações como sendo um padrão novo da meteorologia no nosso território, que vai obrigar a mudanças de culturas e calendários, para que o futuro não seja sempre esta agonia: ‘Como é que vai ser o este ano? Vai ser bom? Vai ser mau?'”, referiu Eduardo Oliveira e Sousa.

Para a CAP, o Plano Nacional de Regadios, criado no ano passado pelo Governo, é insuficiente. Para fazer face à seca em Portugal, sugere, por exemplo, a criação de instrumentos financeiros de ajuda e estudos aprofundados sobre o impacto da seca e a adoção de novas culturas.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Prémios e dados pessoais. Worten alerta clientes para falso SMS em circulação

A Worten alerta os clientes para não partilharem dados pessoais em resposta a mensagens publicitárias falsas que estão a circular por SMS em nome da retalhista, a anunciar um prémio. "Alertamos que não devem ser facultados …

GNR já passou 2200 coimas por falta de limpeza de terrenos. Mais de cem câmaras multadas

Mais de uma centena de câmaras municipais foram multadas por falta de limpeza de terrenos, sendo a ausência de tratamento nas margens das estradas e junto às linhas de distribuição elétrica a principal infração registada …

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …

No regresso ao Superior, o Ministério recomenda aulas presenciais, com máscara e ao sábado

No regresso do Ensino Superior, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recomenda que voltem as aulas em regime presencial com uso obrigatório de máscara e algumas das quais lecionadas ao sábado. Num comunicado …