/

Agência Europeia de Medicamentos recomenda utilização de remdesivir. Antiviral já é utilizado em Portugal

Ennio Leanza / EPA

A Agência Europeia de Medicamentos (AEM) recomendou esta quinta-feira uma autorização de mercado na União Europeia (UE) para o antiviral Remdesivir para tratamento de doentes com covid-19, que é já utilizado em Portugal.

A recomendação do comité para medicamentos para uso humano da AEM destina-se ao uso de Remdesivir em doentes com Covid-19 adultos e jovens com mais de 12 anos e que sofram ainda de pneumonia e necessitem de receber oxigénio.

O medicamento já é utilizado em Portugal, sob condições estritas, devendo a Comissão Europeia aprovar a recomendação da agência na próxima semana.

“O Remdesivir é o primeiro medicamento contra a covid-19 com recomendação para ser usado na UE”, segundo um comunicado da AEM citado pela agência Lusa, salientando que os estudos feitos demonstram que os doentes que o receberam se restabeleceram quatro dias mais rápido do que os outros casos graves de covid-19.

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, confirmou já a utilização do medicamento Remdesivir em pacientes com covid-19 em Portugal.

Recentemente, cientistas britânicos anunciaram a primeira evidência de que um outro medicamento, um esteroide barato e amplamente disponível no mercado, reduziu as mortes até um terço nos pacientes com covid-19 hospitalizados e gravemente doentes.

O estudo é “um teste grande e rigoroso” que designou aleatoriamente 2104 pacientes para receberem dexametasona e os comparou com 4321 pacientes que receberam apenas os cuidados usuais, adiantaram os cientistas.

Segundo a mesma informação, o medicamento foi administrado por via oral ou intravenosa e, após 28 dias, reduziu as mortes em 35% nos doentes que precisavam de tratamento com aparelhos respiratórios e em 20% naqueles que precisavam apenas de oxigénio suplementar.

Em Portugal, morreram 1.549 pessoas das 40.415 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

  ZAP // Lusa

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.