Afinal, a ilha da Noruega não quer abolir os relógios. Era um golpe publicitário

Afinal, a ilha norueguesa que os habitantes queriam transformar no primeiro local do planeta sem relógios ou fuso horários não existe. 

Tudo não terá passado de uma campanha publicitária para atrair visitantes, segundo reconheceram esta quinta-feira as autoridades do país envolvidas no acontecimento, que já pediram desculpas.

“Toda a história nasceu de uma proposta para lançar uma campanha publicitária. Os habitantes de Sommarøy mostraram-se bastante entusiasmados com a ideia e quiseram participar. O problema foi não termos deixado claro que a nossa agência estava por trás e que esta não era uma iniciativa exclusiva dos moradores”, disse Kjetil Svorkmo Bergmann, porta-voz da agência à agência de notícias espanhola EFE.

De acordo com a mesma fonte, a Innovation Norway, empresa pública dedicada ao apoio a empresas e indústria, projetou toda a campanha que tinha como objetivo promover o turismo na região Norte da Noruega. Como mote, a empresa utilizou a ideia de um local “sem tempo” e os esforços dos moradores da ilha onde o sol não se põe entre 18 de maio e 26 de julho, completando um ciclo de 69 dias.

“Entendemos as críticas e é lamentável o que aconteceu. Pedimos desculpa, mas a nossa intenção não era enganar ninguém” disse Bergmann.

A associação de imprensa norueguesa, também afetada pelo acontecimento, além de vários organismos empresariais do país, já criticaram a iniciativa, uma vez que consideraram que se trata de um truque e que retira toda a credibilidade à iniciativa da ilha e dos seus moradores.

Kjell Ove Hveding, o morador da ilha que se tinha tornado no rosto da iniciativa, disse ao canal de televisão pública norueguês NRK que o projeto não se tratou apenas de um “truque” publicitário, e que os habitantes queriam de facto acabar com os horários na ilha, pelo menos durante o verão. “Se isto fosse apenas um truque teríamos dito ‘não, obrigado’. O plano era tornar Sommarøy na embaixadora de turismo de toda a região Norte da Noruega”, disse.

No entanto, um e-mail enviado pela Innovation Norway ao Ministro do Comércio e da Indústria do país conta uma história diferente. Em maio, a agência contactou o ministério no sentido de convidar o ministro Torbjorn ​Røe Isaksen​ a participar num vídeo promocional de Sommarøy.

“A ideia é divulgar fotografias e um vídeo da iniciativa onde Kjell Ove Hveding, o rosto da campanha, entrega as assinaturas dos moradores de Sommarøy que querem acabar com os horários na ilha, algo que já fazem de qualquer maneira no verão. O abaixo-assinado é apenas uma forma de formalizar a iniciativa. O vídeo deve mostrar o brilho nos olhos dos moradores e ser usado para documentar toda a iniciativa. Não é um desejo real, mas sim uma maneira de promover o solstício de Verão junto dos visitantes estrangeiros.” Isaksen acabou por recusar o convite da empresa por se tratar de um truque publicitário.

Marianne Mork, chefe do departamento comercial da Visit Norway, o organismo oficial de turismo do país, confirmou à CNN que a iniciativa da ilha “sem tempo” teria partido dos ilhéus, com Kjell Ove Hveding a representar o grupo. No entanto, a equipa da Innovation Norway acabou por pegar na ideia e trabalhá-la com os habitantes para a capitalizar e transformar numa campanha de turismo.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Bósnia fecha campo improvisado e transfere quase 800 pessoas para Sarajevo

A Bósnia fechou, esta quarta-feira, um campo de refugiados, montado num local onde antes funcionava um aterro de lixo, que não tem água potável nem eletricidade. As autoridades bósnias fecharam esta quarta-feira um campo acolhimento de …

Trabalhadores dos Registos em greve a 26, 27 e 28 de dezembro

O Sindicato Nacional de Registos vai estar em greve contra o decreto-lei aprovado pelo Governo, acusando Marcelo Rebelo de Sousa de não ter tido "sensibilidade na análise do diploma do sistema remuneratório". O Sindicato Nacional de …

Artistas exigem 1% do Orçamento do Estado para a Cultura

Mais de 300 artistas concentrados esta terça-feira em frente ao Teatro Nacional de São Carlos, em Lisboa, exigiram um valor imediato de 1% do Orçamento do Estado para a Cultura, em 2020. O protesto, convocado pela …

Depois do Idai, ainda há carência de comida e água potável

São milhares os desalojados que, após o ciclone Idai, continuam sem acesso a água potável. Além disso, a necessidade de comida mantém-se em níveis inalterados. Os dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM), patentes no …

Há mulheres-polícia que recebem menos quando estão grávidas

De acordo com um relatório sobre as iniquidades de género dentro da Polícia de Segurança Pública (PSP), ao qual a revista Sábado teve acesso, há mulheres-polícia que recebem menos quando ficam grávidas. Segundo o inquérito realizado …

França. Governo adia entrada em vigor das novas pensões

O novo sistema universal de pensões em França vai abranger apenas as gerações nascidas a partir de 1975 e só terá nova formulação, através de pontos, a partir de 2025. O novo sistema universal de pensões …

Greta Thunberg é a "Personalidade do Ano" da revista Time

Greta Thunberg é a “Personalidade do Ano” mais jovem alguma vez escolhida pela revista Time. A capa da edição de 23 de dezembro foi divulgada esta quarta-feira. A revista norte-americana Time elegeu a ativista climática sueca …

Erupção do Whakaari. Nova Zelândia encomendou 120 metros quadrados de pele para tratar os feridos

A Nova Zelândia já encomendou 120 metros quadrados de pele humana aos Estados Unidos para tratar os 30 feridos do vulcão Whakaari, na Ilha Branca. Cirurgiões neozelandeses têm trabalhado sem parar dado o número de queimados …

Entidade Reguladora da Saúde diz que fez tudo o que devia no caso do bebé sem rosto

Esta quarta-feira, a presidente da Entidade Reguladora da Saúde (ERS) considerou que o regulador fez tudo o que devia ter feito no caso do bebé que nasceu em Setúbal com malformações graves não detetadas as …

Legislação não impede que animais selvagens sejam vendidos a circos estrangeiros

A nova lei de proteção a animais selvagens não impede que estes sejam vendidos e continuem a ser usados em circos estrangeiros. Animais como camelos, cães e cavalos continuam a poder ser usados. A lei de …