Afinal a extinção dos neandertais foi lenta (e quase uma agonia)

A extinção dos fascinantes neandertais, que antecederam o homem moderno, foi afinal lenta, segundo defende o arqueólogo espanhol Joseba Ríos-Garaizar, refutando a tese de que as alterações climáticas precipitaram o seu desaparecimento há cerca de 38 mil anos.

“Há que acabar com a ideia de que os neandertais se extinguiram basicamente porque eram incapazes de se adaptar ao meio ambiente e ao clima”, afirmou o especialista, em declarações à agência noticiosa espanhola EFE.

Segundo Joseba Ríos-Garaizar, alguns estudos sugerem que, há 70 mil anos, a população neandertal sofreu uma “grande contração” ligada a “um agravamento do clima muito rápido”, com uma diminuição dos recursos disponíveis, que provocou provavelmente o isolamento de uns grupos e a extinção de outros.

Apesar destas circunstâncias, os neandertais foram capazes de superar essas adversidades, lembra o arqueólogo, ao ponto de “as suas melhores expressões culturais se terem produzido imediatamente depois”.

O perito espanhol sublinha que os neandertais viveram em “lugares geográficos com características muito distintas”, tanto em “épocas glaciares duríssimas”, como em ambientes “quase tropicais”, aos quais foram “capazes de se adaptar” graças a “uma tecnologia” que era “variável e diferente” consoante as situações.

No entanto, Ríos-Garaizar admite como provável que a chegada dos primeiros homens modernos à Europa, há 43 mil anos, tenha surpreendido os neandertais num momento de “equilíbrio precário”, confrontados com a presença de “uma nova espécie” que “era competidora direta pelos mesmos recursos”.

Na Europa, a população neandertal “estava a diminuir aos poucos”, ao contrário da dos homens modernos, que começava a proliferar vinda de África e do Médio Oriente, de acordo com o arqueólogo.

Em declarações ao 20 Minutos, Ríos-Garaizar explica que “a extinção dos neandertais foi um processo lento, quase agónico, um fenómeno que teve início antes da chegada à Europa dos homem modernos”.

A chegada do Homo sapiens, diz o antropologista, apenas se limitou a dar um impulso ao processo, ajudando a acelerar o declive dos neandertais até ao seu desaparecimento, há uns 38 mil de anos.

Esta nova teoria contraria as diversas ideias correntes acerca das razões que terão levado à extinção do neandertais. Segundo a mais recente dessas teorias, os neandertais extinguiram-se em vez dos homo sapiens porque calhou – terá resultado de um mero efeito probabilístico de migrações casuais do Homo sapiens.

Uma outra teoria, veiculada em 2016, defende que os neandertais terão desapareceido porque não tinham agasalhos – ou por “falta de inteligência” para fazer roupas de peles de animais, ou por ter deixado que as tradições culturais os impedissem de as fabricar. E como se sabe, dê por onde der, aconteça o que acontecer, a culpa é dos neandertais.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Role play ao serviço da Ciência. Investigadores fingem ser Neandertais para estudar caça a aves

Uma equipa de investigadores espanhóis decidiu adotar a "dramatização" científica para reconstruir um novo elemento do comportamento Neandertal: a cooperação com os membros do grupo enquanto usa fogo e ferramentas para caçar gralhas no interior …

Estoril 0-1 Sporting | Figueira deu o fruto que saciou o leão

Foi preciso surgir um erro crasso do guarda-redes estorilista (até então a fazer uma belíssima exibição) para o campeão nacional poder respirar de alívio e festejar a quarta vitória na Liga, esquecendo por agora a …

A tinta mais branca do mundo ajuda a poupar energia nas casas - e pode eliminar de vez o ar condicionado

Uma equipa de investigadores da Universidade de Purdue desenvolveu uma tinta tão branca que revestir um prédio com ela pode reduzir, ou até mesmo eliminar, a necessidade de ter ar condicionado. Depois de testar mais de …

Costa promete "lição exemplar" à Galp depois de "tanto disparate" em Matosinhos

O secretário-geral do PS, António Costa, considerou hoje que “era difícil imaginar tanto disparate, tanta asneira, tanta insensibilidade” como a Galp demonstrou no encerramento da refinaria de Matosinhos, prometendo uma “lição exemplar” à empresa. Falando em …

Porto 5-0 Moreirense | Días, Taremi e Fábio, o trio maravilha

O Porto foi o primeiro dos “grandes” a entrar em campo e deu o mote, e que mote. Os “dragões” receberam o Moreirense e golearam sem apelo nem agravo, por 5-0, graças a uma segunda …

Ronaldo volta a marcar pelo United em jogo com final frenético

O português Cristiano Ronaldo voltou hoje a marcar pelo Manchester United, mas foram Lingaard e David de Gea que ‘brilharam’ na vitória sobre o West Ham, por 2-1, em jogo da quinta jornada da Liga …

O Cumbre Vieja, num dos complexos vulcânicos mais ativos nas Canárias, entrou em erupção

O vulcão Cumbre Vieja, na ilha espanhola de La Palma, entrou hoje em erupção na zona de Las Manchas, depois de mais de uma semana em que foram registados milhares de sismos na região. Na zona, …

Portugal regista 677 novos casos de covid-19 e cinco mortes

Portugal registou, este domingo, 677 novos casos e cinco mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Estudo mostra como diferentes espécies de polvos coexistem no mesmo ambiente

Existem mais de 300 espécies de polvos a viver em diversos habitats que abrangem recifes de coral, leitos de ervas marinhas, planícies de areia e regiões de gelo polar. Mas de que forma cefalópodes tão …

As máquinas estão "muito longe" de serem mais inteligentes (mas muito perto de agir como pessoas)

A especialista em inteligência artificial Daniela Braga considera que as máquinas estão "muito longe" de substituírem totalmente os humanos ou serem mais inteligentes, mas estão "muito perto" de interagirem como as pessoas. "Acho que estamos muito …