“Não sei onde está nem quero saber”, diz advogado de Rendeiro. Fuga estaria a ser planeada há meses

Tiago Petinga / Lusa

O ex-presidente do BPP, João Rendeiro

O advogado de João Rendeiro, Carlos Paulo, disse esta quarta-feira, em entrevista à TVI, que fala todos os dias com o seu cliente, mas não sabe qual o seu paradeiro.

Não sei onde está João Rendeiro nem quero saber. A função do advogado é esclarecer o cliente dentro da lei”, referiu advogado em entrevista à TVI nesta quarta-feira à noite.

Carlos Paulo explicou ainda que, ao abrigo cooperação judiciária internacional e para sua proteção, o advogado “não deve saber onde está o seu patrocinado”, uma vez que teria de quebrar o sigilo profissional e ser “obrigado a revelar à justiça” a localização do cliente.

Nega, no entanto, que o seu cliente esteja em fuga à justiça. “João Rendeiro não fugiu a nada, saiu livremente do país e não cometeu um único crime. Ele não tem de se entregar na prisão. Não há nada na lei que puna alguém que não se entrega”, assegura.

O advogado do ex-presidente do BPP refere ainda que a não comparência perante o tribunal para aplicação de novas medidas de coação, como estava previsto acontecer na próxima sexta-feira, não representa um ilícito.

“O país tem de saber que o que se está a dizer não é verdade. João Rendeiro não praticou nenhum crime, no sentido em que não fugiu à justiça”, afirmou Carlos do Paulo.

O representante de Rendeiro detalhou ainda que o ex-presidente do Banco Privado Português (BPP) saiu com um termo de identidade e residência, tendo saído e viajado em liberdade com um registo criminal limpo. “Tem passaporte, nunca lhe foi apreendido, não teve nenhuma medida de coação”.

No dia de ontem, a juíza responsável pelo processo em que João Rendeiro foi condenado a 10 anos de prisão efetiva por crimes fraude fiscal, abuso de confiança e branqueamento de capitais mandou emitir, esta quarta-feira, mandados de captura internacional para o ex-banqueiro que, no âmbito deste processo, se deveria apresentar na próxima sexta-feira no Campus da Justiça, em Lisboa. No entanto, a sua equipa de advogados informou o tribunal que tal não irá acontecer.

Plano de fuga

Segundo noticia o Jornal de Notícias, João Rendeiro terá estado vários meses a planear a sua fuga e o mais provável é que os mandados de captura internacionais, emitidos  no dia de ontem pela Justiça portuguesa, nunca venham a ser cumpridos.

O jornal refere que o fundador do antigo Banco Privado Português (BPP) explorou durante anos as possibilidades de recurso que o sistema oferece. De acordo com o JN, foi do Reino Unido, onde estava com autorização judicial, para o Belize, pequeno território da América Central que é um paraíso fiscal e é um país sem acordo de extradição com Portugal.

Condenado em 2018 a cinco anos e oito meses de cadeia, Rendeiro recorreu e reclamou sucessivamente, sem que as medidas de coação fossem alteradas e manteve sempre o seu passaporte e a liberdade de movimentos.

Entretanto a sua situação jurídica começou a piorar, sendo que terá sido ao longo dos últimos anos que terá planeado a sua fuga para fora da Europa.

“Teve cerca de dez anos para premeditar a fuga. Não há dúvidas que planeou e teve o tempo que quis para fugir, para transferir dinheiro o dinheiro necessário para o estrangeiro e encontrar casa. Tem dinheiro para isso e teve possibilidade de viajar. Até fez um comunicado sobre a sua fuga”, explicou, ao JN, João Paulo Batalha, referindo-se à mensagem que Rendeiro publicou no seu blogue.

De acordo com JN, a mensagem escrita por Rendeiro foi publicada a partir de Belmopã, capital do Belize, que não tem acordo de cooperação judiciária com Portugal.

  ZAP //

 

 

 

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. O normal da justiça portuguesa, primeiro deixa que fujam e que movimentem dinheiro e só depois é que emitem o mandato de captura!
    A justiça portuguesa não passa de um gozo de uma verdadeira anedota!

  2. Claro que o advogado o aconselhou para onde ir, faz parte dos seus serviços saber que paises têm ou não acordos de extradição. è uma situação vergonhosa que acabaria se as penas começassem a ser cumpridas com a condenação em primeira instância e até muitas das manobras dilatorias com recursos atrás de recursos diminuiriam . Eu como português sinto vergonha e revolta por tais situações e também pela hipocrisia de certos advogados que com a maior cara de pau dizem que um seu cliente não comete nenhum ilicito por mudar o seu dinheiro para um parariso fiscal e fugir depois de condenado 3 vezes pela justiça portuguesa. Fosse isto nos Estados Unidos e a coisa seria diferente, mas as nossas leis só servem para que o peixe graudo fuja apanhando apenas os coitados que não podem pagar bons advogados

  3. A justiça só pode estar corrompida, pois é inacreditável que este bandido estivesse só com uma medida de coacção, apenas aplicada a pequenos delitos (tipo roubo de pão, galinhas, etc.), o termo de identidade e residência. É esta a justiça aplicada a poderosos, demonstra a cumplicidade entre este arguido, advogados e magistrados …. com tudo o que se foi dizendo nos jornais e revistas, era suficiente para que alguém ligado ao processo ficasse de imediato alertado e procedesse à alteração da medida de coacção. Se este bandido estava condenado a três anos de prisão num processo já transitado em julgado, porque não foi de imediato preso ???? Está aqui devidamente demonstrada a cumplicidade dos magistrados com o arguido e advogados. Enfim, são todos amigos e compadres …..

RESPONDER

Cogumelos laminados

O consumo de cogumelos pode diminuir o risco de depressão

Além de reduzirem o risco de cancro e morte prematura, os cogumelos podem beneficiar a saúde mental de uma pessoa. Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina de Penn State, nos Estados Unidos, analisou dados …

Os hipopótamos de Pablo Escobar começaram a ser esterilizados

O grupo de hipopótamos, mais uma parte do indesejado legado deixado na Colômbia pelo traficante de droga Pablo Escobar, está a ser esterilizado. Quando o Cartel de Medellín estava no seu auge, Pablo Escobar gastou parte …

Ian Brackenbury Channell, o "feiticeiro de Christchurch"

Duas décadas depois, uma cidade neozelandesa decidiu despedir o seu feiticeiro

Vinte e três anos depois, a autarquia de Christchurch, na Nova Zelândia, decidiu despedir Ian Brackenbury Channell, o famoso feiticeiro da cidade. Desde 1998 que Ian Brackenbury Channell era o "feiticeiro de Christchurch", sendo responsável por …

Um dos microscópios de Darwin vai a leilão. Esteve nas mãos da sua família durante quase 200 anos

Um microscópio que Charles Darwin ofereceu ao filho Leonard - e que esteve nas mãos da sua família ao longo de quase 200 anos - vai ser leiloado em dezembro e poderá valer cerca de …

Pedro Sánchez promete abolir a prostituição em Espanha, por considerar que esta "escraviza" as mulheres

Espanha é um dos países europeus com mais trabalhadoras na indústria do sexo, as quais são sobretudo originárias de países da Europa mais pobres, da América Latina e de África. O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez anunciou …

"Um milagre". Dois jovens sobreviveram quase uma semana no deserto australiano

Dois jovens, de 14 e 21 anos, sobreviveram durante quase uma semana no deserto, sem água e sem comida, depois de se terem perdido no Território do Norte, na Austrália. A polícia fala num verdadeiro …

Carlos Moedas

Moedas vai "dar tudo como presidente" e exige que seja respeitada a legitimidade do seu mandato

Carlos Moedas tomou posse, esta segunda-feira, como novo presidente da Câmara de Lisboa, tendo falado dos objetivos para o próximo quadriénio e deixado um elogio ao seu antecessor e alguns avisos à esquerda. Depois dos cumprimentos …

Chanceler austríaco Sebastian Kurz

Sondagens falsas e notícias favoráveis. O lado negro de Sebastian Kurz foi desmascarado

Sebastian Kurz e pessoas que lhe são próximas foram acusados de tentar garantir a sua ascensão à liderança do partido e do país com a ajuda de sondagens manipuladas e notícias favoráveis na imprensa, financiadas …

Tem uma carreira de sonho na Nike, mas cometeu um homicídio há 65 anos

O presidente da Jordan Brand, Larry Miller, revelou que, há 56 anos, matou um adolescente nas ruas de Filadélfia, nos Estados Unidos. O presidente da Jordan Brand — marca do ex-jogador de basquetebol Michael Jordan — …

Rio diz que decisão sobre eventual recandidatura está "quase tomada"

O presidente do PSD afirmou, esta segunda-feira, que a decisão sobre a sua eventual recandidatura está "quase tomada" e será anunciada em breve. Em declarações aos jornalistas à chegada à tomada de posse do novo presidente …